Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Sociais Aplicadas > Filosofia

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber

Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber, aplicadas na Empresa Bradesco S/A. São Paulo 2009 Sumário 1Introdução 2Frederick Winslow Taylor4 2.1Princípios de Taylor 3Henry Ford 4Jules Henri Fayol 4.1Princípios Básicos 4.2Funções Administrativas 5Maximillian Carl Emil Weber 5.1Analise da Obra 5.2Princípios…

Publicidade

Filosofia Moral

Trabalho enviado por: Priscila Barbosa Vieira

Data: 17/03/2006

FILOSOFIA MORAL


Valores
- O homem age no mundo de acordo com valores, ele evolui as suas ações a partir de valores. Os valores em primeiro momento são herdados, ao nascer o mundo cultural já estabelece modos de comportamento, e conforme é atendido ou transgredido os padrões, os comportamentos são avaliados como bons ou maus.

A moral - é o conjunto de normas que orientam o comportamento humano tendo como base os valores próprios a uma dada comunidade. De modo simplificado o sujeito moral é aquele que age bem ou mal na medida em que acata ou transgride as regras morais. A ética é a disciplina filosófica que busca refletir sobre os sistemas morais elaborados pelos homens, buscando compreender a fundamentação das normas e interdições próprias a cada sistema moral.

O comportamento moral varia de acordo com o tempo e o lugar, conforme as exigências das condições nos quais as pessoas se organizam ou estabelecem as formas de relacionamento e as práticas de trabalho. À medida que essas relações se alteram, exigem lentas modificações nas normas de comportamento coletivo.

A moral, ao mesmo tempo em que é o conjunto de regras que determina como deve ser o comportamento dos indivíduos do grupo, é também a livre e consciente aceitação das normas, isso significa que o ato só é propriamente moral se passar pela "peneira" da aceitação pessoal da norma. O ser humano, ao mesmo tempo em que é herdeiro, é criador da cultura, e a vida moral irá dar forma quando diante da moral constituída, ele for capaz de propor a moral constituinte, aquela que se realiza a cada experiência vivida. A historicidade humana não se expressa pela mera continuidade no tempo, mas se funda na consciência ativa do futuro, que torna possível a criação original por meio de um projeto de ação que tudo muda.

A análise dos fatos da moral é colocada diante de dois pólos contraditórios: de um lado o caráter social da moral, onde ao caracterizar o ato moral como aquele que se adapta a norma estabelecida, privilegia-se os regulamentos, os valores dados e não discutidos, visa apenas influir nas pessoas o medo das conseqüências da não observância da lei; do outro lado a intimidade do sujeito, onde predomina a interrogação do indivíduo que põe em dúvida a regra, nesse caso corre-se o risco de destruir a moral pela ausência de princípios. Portanto é preciso considerar os dois pólos, do pessoal e do social em uma relação em que se estabeleça a implicação recíproca entre determinismo e liberdade, entre adaptação e desataptação à norma.

O mundo moral exige a consciência crítica, que é chamada de consciência moral, que é o conjunto de exigência e das prescrições que reconhecidas como válidas para orientar a escolha, onde discernir os valores moral dos atos. O ato moral é constituído de dois aspectos, o normativo que é normas ou regras de ação e o fatual que são os atos humanos enquanto se realizam efetivamente. Eles são distintos, mas inseparáveis, a norma só tem sentido se orientada pela prática e o fatual só adquire contorno moral quando se refere à norma.

Para que um ato seja considerado moral, deve ser livre, consciente, intencional, mas também solidário, o ato moral supõe a solidariedade a reciprocidade com aqueles com os quais se comprometem. Dessas características decorre a exigência da responsabilidade; responsável é aquele que responde por seus atos reconhecendo-o como seu e respondendo pelas conseqüências dele.

A consciência moral, como juiz interno, avalia a situação, consulta as normas estabelecidas, os interioriza como suas ou não, toma decisões e julga seus próprios atos. O compromisso que dá deriva é a obediência a decisão.

A vida moral não se resume a um só ato moral, mas é a repetição do agir moral. Em moral, a virtude é a força com a qual se aplica ao dever e ao realizar. A virtude é ir permanente disposição para querer o bem, o que supõe a coragem de assumir os valores escolhidos e enfrentar os obstáculos que dificultam a ação.


A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE MORAL

O ser humano precisa ser educado para a convivência. Todo processo de aprendizagem supõe descentramento, tanto do ponto de vista da inteligência como a da afetividade e da moral.

Do ponto de vista moral, a evolução se dará a partir da superação do comportamento heterônimo — que se baseia ba obediência sem critica — até atingir a maturidade, pela conquista da autonomia.

Jean Rioget e Lawrence Kohberg são teóricos da linha construtiva que explicam o desenvolvimento da moralidade. Rioget elaborou a teoria conhecida como psicológica genética, segundo essa teoria, não há inteligência inata; a gênese da razão, da afetividade e da moral se faz progressivamente em estágios sucessivos em que a criança organiza o pensamento e o julgamento, por isso sua teoria e os que deles derivam são chamados construtivos, já que o saber é constituído pela criança e não imposta de fora. Na evolução da lógica e da moral, a psicogênese se dá em estágios de desenvolvimento mental desde o nascimento até a adolescência. E Kohberg que se dedicou ao estudo da teoria piogetiona, centrou suas atenções na questão moral, uma das diferenças do trabalho de Kokleberg em relação a Rioget está em que ele rejeita a teoria dos paralelismo entre a psicogênese do pensamento lógico e a psicogênese da moralidade. Se o desenvolvimento do pensamento lógico formal é condição necessária para a vida moral plena, não é, entretanto suficiente. Suas observações comprovam que a maturidade moral geralmente só pode ser alcançada apenas pelo adulto, uns dez anos após a adolescência, e mesmo assim dependendo de algumas condições.

O sujeito ético procede a um descentramento, tornando-se capaz de superar seu narcisismo infantil e se mover ao encontro do outro, reconhecendo sua igual humanidade, ao contrário do que acontece com a educação moral doutrinadora, as normas de coexistência assumidas devem supor a deliberação livre e responsável....

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




Publicidade