Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Clique aqui!

Lista de trabalhos mais recentes, mais lidos e mais votados.

O que é a avaliação de desempenho? - Por Jakeline Andrade Senefontes

Como Elaborar uma Monografia (ABNT) - Por Guilherme de Azevedo Silvestri

Projeto de Pesquisa - Por Sandro Silva

Ver todos

Turismo de Massa - Por Cyntia Maria Dias Gomes

Cruzeiros Marítimos - Por Cyntia Maria Dias Gomes

Turismo Esportivo - Por Cyntia Maria Dias Gomes

Ver todos

Compartilhe

Números

  • Trabalhos - 38336
  • Avaliações - 611234
  • Membros - 381361

Facebook Zé Moleza

Precisa de inspiração na hora de fazer o seu trabalho universitário? Explore 38336 trabalhos categorizados abaixo, e encontre-a...

Twitter

Blog

Dicas para a sua Monografia

A monografia não é um bicho de sete cabeças. Trata-se apenas de um processo sistêmico de organização da informação, com normas e regras básicas e simples para a sua elaboração. Para não ter trabalho na hora de escrever a sua monografia, siga os passos propostos abaixo, consulte outros trabalhos já realizados e assim a sua monografia será de bom proveito para você, em um futuro próximo, e também para outros profissionais da sua área ou alunos do seu curso que utilizarão sua monografia como fonte de consulta.

Veja algumas dicas de como fazer sua monografia!

  • Para começar sua monografia, escolha um tema sobre o qual gostaria de adquirir mais conhecimento, que te desperte uma curiosidade sem igual. O tema da sua monografia deve ser algo ou alguém que realmente lhe inspire;
  • Analise a fundo somente um aspecto específico do tema que quer desenvolver na sua monografia. Deste modo, você evitará esquecer detalhes importantes e também a produção de um conteúdo muito superficial que, como se diz por aí, fala muito e não diz nada! Ou seja, sua monografia deve acrescentar em termos qualitativos para as discussões sobre o tema escolhido no âmbito da carreira que você pretende seguir;
  • Quando escolher o aspecto específico que vai analisar na sua monografia, imediatamente comece a reunir materiais informativos acerca dele (livros, artigos, documentos de investigação, monografia, etc.);
  • É importante que você organize suas fontes de informação fazendo uso do método do fichamento, que consiste em elaborar pequenas fichas onde você especifica o autor do documento, a data de edição, o tema central que o relaciona com seu objeto de investigação e, por último, a natureza do documento (artigo, documento, livro). Lembrando que todas estas fichas devem ser cuidadosamente organizadas e separadas uma por uma. Assim, você terá seu material organizado e acessível na hora de redigir sua monografia;
  • Quando terminar de revisar suas fontes e organizar as informações obtidas, comece a fazer o esboço da sua monografia. Por ser, geralmente, de conteúdo extenso, a monografia precisa começar a ser elaborada bem antes do prazo final para a entrega;
  • A primeira coisa que deve constar na sua monografia é o capítulo de introdução, onde se faz um resumo sobre toda a informação que contém o documento, incluindo autores revisados, artigos e fontes;
  • Divida a sua monografia em diferentes capítulos; dependendo do tema, use a ordem cronológica ou a ordem de importância para estabelecer a hierarquia dos mesmos.
  • Seja claro, preciso, direto, objetivo e conciso na sua monografia. Utilize frases curtas e evite intercalações excessivas e ordens inversas desnecessárias. Não é justo exigir que o professor faça complicados exercícios mentais para compreender sua monografia. Você, na condição de examinador, veria com bons olhos uma prova cheia de viagens, figuras de linguagem e diversos trechos densos e confusos? Pense nisso na hora de escrever sua monografia!
  • Na sua monografia, construa períodos com, no máximo, duas ou três linhas de 70 toques (letras e espaços). Os parágrafos, para facilitar a leitura, deverão ter cinco linhas digitadas, em média, e no máximo oito. A cada três páginas da sua monografia convêm abrir um subtítulo;
  • A simplicidade é condição essencial de uma monografia. Lembre-se de que você escreve para o público universitário;
  • Adote como norma a ordem direta, por ser aquela que conduz mais facilmente o professor à essência da argumentação da sua monografia. Não confunda detalhes importantes da vida cotidiana com detalhes irrelevantes e vá diretamente ao que interessa, sem voltas desnecessárias na sua monografia;
  • A simplicidade do texto da monografia, entretanto, não implica necessariamente na repetição de formas e frases desgastadas, uso exagerado de voz passiva (será iniciado, será realizado), vocabulário pobre, etc. Com palavras conhecidas por todos é possível escrever uma monografia de maneira original e criativa, repleta de frases elegantes, variadas, fluentes e bem alinhadas. Fuja do academicismo, dos rebuscamentos, dos pedantismos vocabulares, dos termos técnicos evitáveis e da erudição na sua monografia; isto não é acadêmico;
  • Não comece períodos ou parágrafos seguidos da sua monografia com a mesma palavra, nem use repetidamente a mesma estrutura de frase;
  • O estilo universitário é superior à linguagem jornalística e falada. Por isso, evite a retórica, a gíria, o jargão e o coloquialismo na sua monografia;
  • Relate o fato com menor número possível de palavras. No entanto, seja prolixo na sua monografia apenas no que se refere às longas descrições do trabalho de campo;
  • Ao longo da sua monografia, prefira a palavra mais simples: pretender é sempre melhor que objetivar, intentar ou tencionar; voltar é sempre melhor que regressar ou retornar; entrar é sempre melhor que ingressar, etc;
  • Nunca se esqueça de que a monografia funciona como intermediária entre o fato ou fonte de informação e a sua interpretação. Você não deve limitar-se a transpor para o papel as declarações do entrevistado e só! Por exemplo, faça-o dando uma interpretação pessoal ao que for relatado ou baseando-o em suas leituras, de modo que qualquer leitor possa apreender o significado das declarações. Se os depoentes possuem defeitos na fala ou desvios cognitivos, suprima-os, sem nenhum prejuízo ao conteúdo final da sua monografia;
  • Algumas expressões rebuscadas podem ser traduzidas na sua monografia, como patamar por nível, posicionamento por posição, agilizar por dinamizar, conscientização por convencimento, e assim por diante. Abandone a cômoda prática de apenas transcrever: ofereça transcrições pessoais, você vai ver que a sua monografia passará a ter o mínimo indispensável de aspas e qualquer entrevista, por mais complicada que venha a ser, sempre tenderá a despertar maior interesse no leitor;
  • Procure banir de sua monografia os modismos e os lugares-comuns. Você sempre pode encontrar uma forma elegante e criativa de dizer a mesma coisa sem precisar recorrer a fórmulas desgastadas pelo uso excessivo. Veja algumas expressões dispensáveis: a nível de, deixar a desejar, chegar a um denominador comum, transparência, instigante, pano de fundo, estourar como uma bomba, encerrar com chave de ouro, segredo guardado a sete chaves, dar o último adeus. Acrescente a esta lista todas as outras que você já está cansado de ler e ouvir e evite-as ao máximo;
  • Na sua monografia, proceda da mesma forma com as palavras e formas rebuscadas, que transmitem ao leitor uma mera ideia de erudição. Prefira utilizar na sua monografia demora ou adiamento à delonga, antipatia à idiossincrasia, discórdia ou intriga à cizânia, crítica violenta à diatribe, ou obscurecer a obnubilar;
  • Não perca de vista o vocabulário da sua área de conhecimento. Adote esta regra prática na sua monografia: nunca escreva o que você não leria em bom livro da sua área;
  • O rádio e a televisão podem ter necessidade de palavras de som forte ou vibrante; o de uma monografia, não. Assim, professor é professor e não professorzão! Da mesma forma, rejeite invenções como modernaço, galera (como grupo) e similares;
  • A mesma regra vale para a inclusão de palavras ou expressões de valor absoluto ou muito enfático, como certos adjetivos (magnífico, maravilhoso, sensacional, espetacular, admirável, esplêndido, genial), superlativos (engraçadíssimo, deliciosíssimo, competentíssimo, celebérrimo) e verbos fortes como infernizar, enfurecer, maravilhar, assombrar, deslumbrar, etc;
  • Termos coloquiais ou de gíria deverão ser usados com extrema parcimônia e apenas em casos muito especiais (nos diálogos, por exemplo) na sua monografia, para não darem a ideia de vulgaridade e principalmente para que não se tornem novos lugares-comuns. Como, por exemplo: a mil, barato, galera, detonar, deitar e rolar, flagrar, com a corda (ou a bola) toda, legal, grana, bacana, etc;
  • Seja rigoroso na escolha das palavras usadas na sua monografia. Desconfie dos sinônimos perfeitos ou de termos que sirvam para todas as ocasiões. Em geral, há uma palavra específica para definir a situação, fique ligado!

Aproveite essas dicas e tire 10 na sua monografia!