ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO COM CLIENTES COM DESCOLAMENTO DE PLACENTA PRIMÁRIA.

Publicado em 09/08/2010

Sumário

1 –Introdução
2 – Objetivo
2.1 – Motivação
2.2 –Problematização
2.3 –Objeto
2.4 – QuestãoNorteadora
2.5 –Objetivos
2.6 –Justificativa
3 – RevisãoBibliográfica
3.1 – Desenvolvimento e Estrutura da Placenta.
3.1.1 – Desenvolvimento
3.1.1.1 – A decídua
3.2 – Descolamento Prévio da Placenta (DPP)
3.2.1 – Definição.
3.2.2 – Incidência.
3.2.3 – Etiologia.
3.2.4 – Patologia
3.2.5 – Diagnóstico
3.2.6 – Conduta
4 – Atuação do Enfermeiro em Pacientes com DPP.
4.1 – Visão Geral.
4.1.1 – Características individuais e condições Socio-demográficas desfavoráveis
4.1.2 – História Reprodutiva Anterior
4.1.3 - Avaliação Diagnóstica
4.1.4 – Tratamento.
4.1.5 – Complicações
4.2 – Avaliação de Enfermagem.
4.2.1 – Palpar Abdome.
4.3 – Diagnóstico de Enfermagem
4.4 – Intervenção de Enfermagem
4.4.1 – Mantendo a Perfusão Tecidual
4.4.2 – Mantendo o Volume de Líquido
4.4.3 – Diminuindo o Medo.
4.4.4 – Avaliação dos Resultados
5 – Conclusão

1 - Introdução

2 – Objetivo

2.1 – Motivação

Sempre tive um interesse muito grande sobre saúde da mulher e a partir do meu estágio na Pró-Matre o meu interesse aumentou consideravelmente. Assim, ao refletir sobre o tema a ser abordado na elaboração da monografia tornou-se envolvente investigar sobre descolamento de placenta prévia.
Deparando-se com a angústia e a dor de uma mulher com essa grave patologia e pela falta de preparo psicológico da mesma e até mesmo ausência de conhecimento da doença, me interessei em elaborar este estudo como forma de conhecer a realidade do descolamento de placenta prévia, focalizar a doença, o que isso acarreta a mãe e provavelmente ao bebe caso venha nascer.

2.2 – Problematização

• Total desconhecimento da patologia.
• Falta capacitação para atuar na comunicação eficaz; interelacionamento deve atender às necessidades da cliente e da família da mesma.
• A problemática que o profissional de enfermagem enfrenta ao prestar a assistência à cliente com descolamento de placenta prévia.
• A problemática do preparo psicológico do profissional de enfermagem e de conhecimento científico para elaboração de uma assistência e planejamento de ações de enfermagem no estágio mais crítico da patologia, o que inclui em alguns casos a morte do feto e os anseios enfrentados pelo cliente.

2.3 – Objeto

Consiste na importância do conhecimento para profissionais de saúde e assistência de enfermagem em Descolamento de Placenta Prévia.

2.4 – Questão Norteadora:

• Qual o cuidado ético de enfermagem para cliente/família a ser implementado em enfermagem ginecológica?
• Quais os sentimentos e necessidades psicoemocionais da cliente e dos familiares?

2.5 – Objetivos

• Conhecer a realidade do descolamento de placenta previa para as mulheres com essa patologia assim como analisar como os profissionais da enfermagem podem contribuir para uma assistência humanizada junto a essas mulheres.
• Descrever o cuidado expressivo de enfermagem em Descolamento de Placenta Prévia apontando para a importância de um atendimento adequado com um resultado final positivo, instrumento para o cuidar e não seu foco principal.
• Compreender os sentimentos das clientes com Descolamento de Placenta Prévia;
• Caracterizar o cuidado ético que tenha repercussão na qualidade da assistência de enfermagem em Descolamento de Placenta Prévia.
• Identificar com diagnósticos de enfermagem em gestantes de alto risco durante o pré-natal o descolamento prévio de placenta suas causas e incidências.

2.6 - Justificativa

A percepção de que a enfermagem pode atuar efetivamente no cuidado da mulher com Descolamento de Placenta Prévia e da família da mesma, pois além de possuir habilidades técnico-instrumentais, está em contato direto com o cliente e seus familiares.

3 – Revisão Bibliográfica

3.1 – Desenvolvimento e Estrutura da Placenta

Segundo Reinaldo Azoubel a placenta é, por assim dizer, uma parte do feto. Servindo-lhe de ligação com a mãe, faz-lhe às vezes de pulmões, intestinos e rins. Transmite-lhe tudo que é necessário para manter a vida e promover o crescimento e o desenvolvimento. A placenta é um dos órgãos onde a histologia normal e, ainda mais, a patológica são incompletamente conhecida. Uma das razões para que isto ocorra é que a placenta possui uma evolução morfológica limitada no tempo. Existem profundas modificações estruturais que resultam do amadurecimento do órgão e que não podem ser qualificadas como lesões ou alterações patológicas da placenta.

Ainda de acordo com Reinaldo para se poder interpretar corretamente os diversos aspectos da patologia placentária é indispensável conhecer a estrutura normal do tecido placentário nos diferentes estágios do desenvolvimento e diferenciar as alterações realmente patológicas das modificações normais, qualitativas e/ou quantitativas, das placentas de termo.

3.1.1 – Desenvolvimento

No estagio de desenvolvimento embrionário de blastócito tardio, as células da mórula originaram uma massa celular interna, a partir da qual se desenvolverá o embrião, e uma camada externa de células do trofoblasto, que encerra a cavidade blastocística. Na maioria dos casos, o blastocisto se implanta no alto da parede uterina posterior. As células trofoblásticas são altamente invasivas e possibilitam que o concepto se implante através da erosão do endométrio. Seu nome deriva do papel-chave em obter nutrição para o embrião em desenvolvimento, isto é, do fato de que elas possibilitam que o blastocisto se aprofunde no endométrio secretor produzido pela progesterona e de modo que obtenha um suprimento adequado de nutrientes através das glândulas pela implantação é fechado por um coágulo de fechamento temporário de fibrina e restos celulares que permanecem até o epitélio endometrial crescer sobre o local de implantação.

A contínua proliferação das células trofoblásticas leva ao desenvolvimento de duas camadas: uma camada interna de coloração pálida de células individualizadas, denominada citotrofoblasto, e uma externa, de coloração escura, denominada sinciciotrofoblasto. O sinciciotrofoblasto constitui um sincício, o que significa que todas as suas células se fundem formando uma massa contínua de citoplasma multinucleado sem limites entre as células. O citotrofoblasto, por outro lado, permanece constituído de células individuais. O sinciciotrofoblasto continua a crescer e invade o endométrio como protrusões de forma irregular. Entre essas protusões há espaço abertos, denominados lacunas, que são preenchidos com sangue materno originado das veias uterinas e seios venosos erodidos pelo sinciciotrofoblasto. O Citotrofoblasto começa então a crescer dentro dessas protrusões na forma de…

É esse o conteúdo que você precisa?
Faça seu login e saiba como ver o trabalho completo

O Zé Moleza facilita sua vida acadêmica ajudando você em suas pesquisas, e a economizar o seu tempo e o seu dinheiro nos seus trabalhos de faculdade. São mais de 26144 pesquisa acadêmicas entre elas, monografia, temas de monografias, TCC, modelos de monografias, trabalhos de universidades, resenha, Paper, Ensaio, Bibliografia, Trabalhos Escolares.

Dicas de como fazer: Capa de Monografia, capa de TCC, Regras da ABNT, como fazer monografia, como fazer Projeto Final, como fazer seminário, como fazer capas, referências bibliográficas, modelo de monografia.

O Zé Moleza NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de monografia pronta e trabalhos prontos. O Zé Moleza NÃO auxilia a quem compra monografia, NÃO apóia a quem quer comprar Trabalhos Prontos, e NÃO APROVA a quem quer comprar TCC prontos, dando dicas de formatação, regras da ABNT, dando sugestões de temas para monografia, resumo de livros, projeto de pesquisa, projeto de mestrado, projeto de pós-graduação, trabalhos acadêmicos, incentivando o usuário a desenvolver por conta própria sua monografia.