Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Sociais Aplicadas > Psicologia

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber

Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber, aplicadas na Empresa Bradesco S/A. São Paulo 2009 Sumário 1Introdução 2Frederick Winslow Taylor4 2.1Princípios de Taylor 3Henry Ford 4Jules Henri Fayol 4.1Princípios Básicos 4.2Funções Administrativas 5Maximillian Carl Emil Weber 5.1Analise da Obra 5.2Princípios…

Publicidade


Orientação Alopsíquica e Autopsíquica

Trabalho enviado por: Daniela Barros

Data: 06/05/2010

Orientação Alopsíquica e Autopsíquica

Universidade Autónoma de Lisboa
2009

 

 

 

Resumo

Este artigo aborda a orientação temporal e espacial e suas alterações. Um indivíduo para estar orientado tem de estar com suas funções psíquicas em perfeito estado de funcionamento; qualquer perturbação numa das suas funções primárias pode levar a um quadro confusional ou desorientação. As desordens dos estados de orientação são chamadas de desorientação autopsíquica e alopsíquica, respectivamente. Essas alterações dependem estritamente do tipo de perturbações das funções psíquicas a que se acham subordinadas a orientação no tempo, no espaço e sobre si próprio. Por fim, faremos uma breve descrição da desorientação em algumas patologias.

Palavras-chave: Orientação, alopsíquica, autopsíquica, desorientação, tempo e espaço.

 

Introdução

O presente trabalho tem como objetivo abordar as funções psíquicas, especialmente a orientação espacial e temporal.

Observar se um doente está ou não orientado pode parecer uma tarefa simples, porém requer certos cuidados e uma especial atenção por parte do psicólogo. O doente pode parecer orientado num primeiro momento, mas um diagnóstico preciso engloba a exploração de muitos aspectos que ao parecer irrelevantes podem deixar escapar pistas fundamentais na recolha de dados.

Um dos instrumentos usados para testar, entre outras coisas, a orientação do paciente é a Mini Mental State Examination (Anexo I). O profissional de psicologia deve fazer deste, e de outros recursos, para tentar comprovar se o paciente está, ou não, orientado.

O objectivo deste artigo é fazer uma breve revisão bibliográfica a respeito da orientação no tempo e no espaço e de que forma a falta dela pode estar apresentada em algumas patologias.

 

Enquadramento Teórico

Para entender o que é a orientação espacial e temporal temos primeiro que falar da ciência que a estuda. A psicopatologia é a ciência que estuda as anormalidades psíquicas do ser humano, de acordo com Karl Jaspers (2006). O objectivo da psicopatologia é o fenómeno psíquico, neste caso, somente os fenómenos patológicos (Cheniaux, 2008).

O termo psicopatologia foi criado por Jeremy Benthan onde psyché significa alma; páthos, doença e lógos corresponde a ciência. Contudo, os trabalhos relacionados a Esquirol na França e de Griesinger na Alemanha, contribuíram para que a Psicopatologia ganhasse o estatuto e a importância que hoje goza esta ciência no meio académico e científico. Más, foi somente a partir de trabalhos de Karl Jaspers, publicados em 1913, que adquiriu o seu actual significado; Jaspers tentou construir uma teoria geral das questões relativas a enfermidade psíquica (Paim, 1993).

Para Jaspers, a Psicopatologia seria responsável pelo estudo das manifestações da consciência, sejam estas manifestações consideradas normais ou anormais (Jaspers, 2006).

Já outro autor têm uma descrição mais detalhada; a psicopatologia poderia ser definida como estudo descritivo dos fenómenos psíquicos de cunho anormal exactamente como se apresentam à experiência imediata, de forma independente dos problemas clínicos. Estudam-se, então, os gestos, o comportamento e as expressões dos enfermos, para além de relatos e autodescrições feitas pelos mesmos e seus familiares (Paim, 1993). A Psicopatologia estuda as anormalidades psíquicas do ser humano e, para este fim, utilizam-se diferentes meios para diagnosticar uma patologia num indivíduo. Entre estes meios de diagnóstico está a fenomenologia, para diagnóstico sindrómico e nosológico onde, através da entrevista psiquiátrica, o paciente relata tudo o que sente; o profissional pode assim determinar, entre outras coisas, o nível de orientação do sujeito (Cheniaux, 2008).

A entrevista psiquiátrica é uma avaliação médica que visa o estabelecimento de um diagnóstico psiquiátrico com o maior nível de fiabilidade possível. De acordo com Paim (1992), a entrevista psiquiátrica deve fazer um corte longitudinal da vida do paciente, obtendo-se nele dados referentes à sua bibliografia e à história de sua doença actual. Em seguida, obtêm-se os dados de um corte transversal, referentes ao estado do paciente no momento do exame. O exame psicopatológico, correspondente a um corte transversal na vida do paciente, engloba as funções psíquicas que devem ser observadas ou deduzidas para a realização de um diagnóstico. Normalmente, examina-se de forma isolada cada...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




English Town

Publicidade