Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Humanas > Direito

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: Expressionismos: Visão da Realidade: O poder expressionista da fotografia estética e em movimento

TIDIR – Expressionismos: Visões da Realidade: O poder expressionista da fotografia estática e em movimento Belo Horizonte 2009 Proposta Partiremos de duas proposições, sendo a primeira a de que, desde o início do cinema, a intensidade de imagens que diferenciam…

Modelo de Petição

Trabalho enviado por: José Cláudio de A. Júnior

Data: 12/10/2003

AÇÃO DE ANULAÇÃO OU REFORMA DE REGISTRO DE NASCIMENTO


EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA COMARCA DE BREJO SANTO - CE


M. P. DE S., brasileira, solteira, agricultora, residente e domiciliada no sítio (xxx), do município de (xxx), Ceará, por seus patronos adiante assinados, vem promover AÇÃO DE ANULAÇÃO OU REFORMA DE REGISTRO DE NASCIMENTO contra A.P.DE F., brasileira, casada, agricultora, residente e domiciliada nesta cidade, na rua (xxx), n° (xxx) , pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.


DOS FATOS

A Autora manteve união estável com Z. P. F. desde o início de 1958 até sua morte, em 24/02/95 (doc. 02, anexado). Dela nasceu, em 11/01/62, M. R.de F. (doc. 03, anexado), que, unida maritalmente a J. A. D., aproximadamente de 1975 a 1983, atravessou um período de instabilidade da união, atribuída à falta de um filho.

Como provável superação da situação, resolveu criar uma criança. Então, no início de 1980, recolheu uma menina, nascida em 22/03/79, registrada sob o nome M. J.V. P. (doc. 04, anexado), cujo pai, M. P. da S., se encontrava preso na Delegacia de Polícia da cidade de Sousa, Paraíba, em razão do cometimento de um homicídio.

Entretanto M. R. se desinteressou da criança dois meses após seu recolhimento, sendo que sua irmã M. I. de F., compadecida com a situação, a levou para a casa de seu pai, onde dela cuidou. De início, num dos quartos dos fundos da casa, às escondidas. Vencida a resistência paterna, que depois se transmudou em apego, decidiu Z. P. registrá-la como filha, o que fez em 06/08/82 (doc. 05, anexado).

Ao registrar a criança, agora com o nome A. P. de F., Z. P. a declarou filha tanto dele como da Autora, que, embora civilmente solteira, não compareceu ao cartório de registro civil nem subscreveu o assento de nascimento lavrado.


Do Direito

Da falsidade

Dispõe o art. 348 do Código Civil:

Art. 348. Ninguém pode vindicar estado contrário ao que resulta do registro de nascimento, salvo provando-se erro ou falsidade do registro. (Redação dada pelo Decreto-Lei nº 5.860, de 30.9.1943)

O registro de nascimento da A. P. de F. levado a efeito por Z. P. de F. padece do vício de falsidade, estando, assim, sujeito a anulação e desfazimento.

A falsidade resulta, por...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




Publicidade