Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Humanas > Direito

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Trabalho em Destaque

Título: Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber

Teorias de Taylor, Ford, Fayol e Weber, aplicadas na Empresa Bradesco S/A. São Paulo 2009 Sumário 1Introdução 2Frederick Winslow Taylor4 2.1Princípios de Taylor 3Henry Ford 4Jules Henri Fayol 4.1Princípios Básicos 4.2Funções Administrativas 5Maximillian Carl Emil Weber 5.1Analise da Obra 5.2Princípios…


Publicidade



Publicidade

Cessão de Crédito e Débito

Trabalho enviado por: Geórgia Lucas dos Santos

Data: 15/03/2006

Da Transmissão das Obrigações


Da Cessão de Crédito:

A cessão de crédito, segundo Maria Helena Diniz, é um negócio jurídico bilateral, gratuito ou oneroso, pelo qual o credor de uma obrigação (cedente) transfere, no todo ou em parte, a terceiro (cessionário), independentemente do consentimento do devedor (cedido), sua posição na relação obrigacional, com todos os acessórios e garantias, salvo disposição em contrário, sem que se opere a extinção do vínculo obrigacional. Lembrando que o cessionário pode ser tanto o comprador do cedente (o credor vende seu crédito) como também ser credor do credor, ou seja, o cessionário pode ser credor do cedente.

A cessão de crédito justifica-se plenamente, pois o direito de crédito representa, sob o prisma econômico, um valor patrimonial; daí a sua disponibilidade, podendo ser negociado ou transferido, já que representa promessa de pagamento futuro. Mas nem sempre foi assim: há que se lembrar que o Direito Antigo era avesso à transmissibilidade, pois a obrigação era tida como um vínculo estritamente pessoal entre credor e devedor. A primeira abertura ao princípio deu-se no sentido de se admitir uma transmissão, a título universal, integrada no patrimônio hereditário, olhando-se ao herdeiro como continuador da pessoa do de cujus. Um segundo passo consistiu em se reconhecer a transmissão entre vivos e a título particular do crédito, mas esta idéia ainda não obteve completo desenvolvimento no âmbito do direito romano.

Tratarei desse assunto, para melhor compreensão, artigo por artigo:

- artigo 286: o artigo faz exceções à livre disponibilidade, ou seja, pela natureza do crédito, ou pela convenção das partes, que formulam cláusula proibitiva da cessão, tornando personalíssima a obrigação. Portanto se excluem da cessão os direitos reais, visto que os respectivos modos de transmissão se encontram submetidos a regras próprias, e também não se verifica em relação aos direitos de família, estritamente pessoais, portanto, intransmissíveis. Ex.: eu não posso vender minha pensão alimentícia para o cessionário porque é um direito pessoal.

- artigo 287: conforme já visto no artigo anterior, se não houver expressa ressalva na tal celebração, de forma a ser possível o conhecimento de terceiros, o negócio da cessão envolve todos os seus acessórios, bem como suas garantias.

Fica claro, pois, que a exclusão dos frutos, acessórios, depende de expressa previsão, porque a regra geral é a contida na lei, isto é, acompanham o crédito que é o principal.

A cessão deixa inalterado o crédito transferido, apenas se verificando a substituição do credor originário por um novo credor. Daí que, na falta de convenção em contrário, o crédito se transfira para o cessionário com suas garantias e outros acessórios que não sejam inseparáveis da pessoa do cedente. Transmitir-se-ão, portanto, ao cessionário todos os acessórios do crédito, ou seja, os direitos pessoais e reais de garantia, os direitos de preferência, a cláusula penal, etc.

- artigo 288: a validade do negócio se põe entre as partes celebrantes; assim os efeitos perante terceiros não afetam a validade do negócio entre os celebrantes.

Não se exige forma específica para que se efetue a cessão de crédito; logo esta se configura como um negócio não solene ou consensual, por independer de forma determinada, bastando a simples declaração de vontade do cedente e do cessionário. Mas para que a cessão possa valer perante terceiros deverá ser celebrada mediante instrumento público ou particular, revestido das solenidades. Ou seja, prevê a necessidade da publicidade registrada, que permite o conhecimento, por quem tiver interesse, para que produza seus efeitos com relação aos não integrantes do negócio nem diretamente afetados e que serão necessariamente conhecedores, como os cedidos.

- artigo 289: para que há garantias perante terceiros, necessária se faz a devida averbação, no registro original da garantia hipotecária, na...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




English Town