Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Humanas > Administração

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: Tubos e conexões

Tubos e conexões Unoesc 2009 Sumário Introdução 1 Tubulações 2.1 Tubos de PVC 2.2 Tubos de Aço Carbono 2.4 Tubos de Cobre 2.5 Tudo de Polietileno (PE) 2.6 Tubos e Conexões de Ferro Fundido 2.7 Tubos de Concreto. 2.8 Tubos…

Publicidade

Blocos Econômicos da Oceania

Trabalho enviado por: Ricardo Lima

Data: 22/04/2003

Blocos Econômicos da Oceania

INTRODUÇÃO

Comércio é vital à economia de Austrália. Levada junto, exportações e importações de bens e serviços chegaram por cento a 40 de GDP, ou ao redor $12,600 para cada australiano em 1998-99. A significação de comércio para a economia tem crescido durante ao redor três décadas, refletindo a Austrália está aumentando sucesso vendendo produtos tão diverso quanto vinho e software para mercados ultramarinos, e compras por australianos de produtos e serviços de ao redor do mundo. Reforma de tarifa fez um papel de muita importância na crescente do comércio.

A Revisão da Comissão de Produtividade das Tarifas Gerais de Austrália é assim uma importante para a Austrália. O resultado da Revisão será um indicador cedo do passo e direção de reforma de tarifa na Austrália na primeira década do 21º século. Isto tem implicações significativas em troca para a eficiência de indústria australiana e sua capacidade manter e desenvolver mercados novos. Também será um ponto de referência para estratégias australianas em desenvolvimento em qualquer ramo de negociações de comércio multilaterais, no foro de APEC e WTO em discussões em arranjos de comércio preferenciais novos.

A Revisão está acontecendo de cada vez quando o clima para reforma de tarifa adicional for mais difícil que foi por muitos anos. Alguns sócios da comunidade acreditam que a tarifa é nenhum mais longo como importante um assunto como estava no passado, e que uma ordem do dia nova precisa substituir isto como um foco de debate de política nacional. Ao mesmo tempo, preocupações emergiram sobre as implicações da globalização, e com a necessidade para assegurar que os benefícios de fluxo de crescimento econômico para todos os grupos de sociedade australiana, incluindo a Austrália regional. Alguns acreditam que os esforços de liberação de tarifas da Austrália moveram em outro lugar à frente desses no mundo.

Paradoxalmente, desencanto doméstico aconteceu de cada vez quando os resultados positivos de reforma de tarifa (e reforma econômica mais geralmente) nunca foi mais evidente. Pela crise econômica e financeira mais séria na história de após-guerra de Ásia Oriental, a economia de Austrália continuou crescendo rapidamente. Crescimento de produtividade em anos recentes foi o mais rápido em registro. A taxa de desemprego de Austrália caiu apreciavelmente. Apesar de crescimento econômico rápido, inflação permaneceu baixa. Foi refletida a flexibilidade nova da economia na qualidade de empresas domésticas para competir com importações, e de exportadores encolheram achar mercados novos para os produtos deles/delas como velho.

As preocupações com reforma de tarifa adicional precisam ser debatidas seriamente. Porém, a avaliação de DFAT é que estas preocupações não são fundadas bem. Esta Submissão discute aquela reforma de tarifa adicional, enquanto incluindo a tarifas gerais, apoios os objetivos fundamentais de política australiana. Reforma de tarifa acrescentará impulso adicional ao processo de reforma que ajudou transformar a economia de Austrália durante os últimos 15 anos. Ajudará fortalecer o esforço de exportação de Austrália e proverá oportunidades novas assim para crescimento econômico, trabalhos e padrões.

Reforma de tarifa também ajudará a Austrália para exercitar influência avançando seus interesses econômicos que são um elemento fundamental da aproximação do Governo para estrangeiro internacionalmente e política de comércio. Em particular, proporcionará para a Austrália a base trabalhar para um resultado ambicioso em qualquer novo negocio e continuar trabalhando fortemente para mais mercados livres, ambos em APEC e bilateralmente.

 

Departamento de relações exterior e Comércio

Relações Econômicas mais estreitas

Desde de o início do Austrália Acordo do de Comércio de Relações Econômicas (ANZCERTA) entre a Nova Zelândia e Austrália, que teve início em 1º de Janeiro 1983 as duas economias cresceram e foram integradas, adquirindo os benefícios de competição, excelência em fabricação e comercialização com esse trabalho em equipe.

CER é um acordo de livre-câmbio dinâmico que foi uma fonte de grande benefício a ambos países. Encorajou negócios para estabelecer as operações em ambos os lados. Com expansão O CER, durante os anos, fortaleceu a cooperação entre Nova Zelândia e Austrália em áreas como lei empresarial e mútuo reconhecimento de padrões de produto e credenciais de profissional.

O Austrália Nova Zelândia Acordo de Comércio de Relações Econômico mais Íntimo (conhecido como ANZCERTA ou o Acordo de CER) é o instrumento principal que governa relações econômicas entre os dois países. Entrou em vigência em 1983 como acordo comércio. Sua provisão central é a criação de uma Organização de Comércio Mundial (Área de livre-câmbio WTO) que consiste em Austrália e Nova Zelândia.

Os objetivos do Acordo de CER, partidos em Artigo 1 do tratado são:

  • Fortalecer a relação mais larga entre a Austrália e Nova Zelândia;
  • Desenvolver relações econômicas mais íntimas entre a Austrália e Nova Zelândia por um mutuamente expansão benéfica de livre-câmbio entre os dois países;
  • Eliminar barreiras para comerciar entre a Austrália e Nova Zelândia dentro uma maneira gradual e progressivo no prazo estimado no acordo;
  • Desenvolver comércio entre Nova Zelândia e Austrália debaixo de condições de competição justa.

Como seu começo em 1983, o acordo de CER sofreu três revisões gerais o qual:

  • Apressou a realização de livre-câmbio em bens que conhecem as regras de CER de origem, de forma que em 1990 de junho foram eliminadas todas as tarifas e restrições quantitativas em comércio;
  • Aumentou a extensão do acordo 1983 para incluir comércio em serviços;
  • Especificou o acordo de CER buscando harmonizar uma gama de medidas e tarifas que afete o fluxo livre de bens e serviços, enquanto incluindo em relação a quarentena e alfândegas assuntos, padrões e lei empresarial.

A mais importante destas mudanças incluem especificações para as regras de origem e o planejar em fases fora de margem de obrigações de preferência.

O CER é um dos acordos de livre-câmbio bilaterais mais exclusivos em existência, e o primeiro em incluir livre-câmbio em serviços. Atende por completo às exigências de Artigo XXIV do GATT, que foi substituído pelo acordo de WTO. É um acordo complexo, requerendo freqüentemente referência a vários documentos de fonte diferentes.

 

História do CER

O acordo CER foi construído em uma série de acordos de comércio preferenciais entre a Austrália e Nova Zelândia, inclusive o acordo de 1966 Nova Zelândia Austrália livre-câmbio, o acordo (NAFTA). Em 1970 o NAFTA e seus antecessores tinham resultado na remoção de tarifas e restrições quantitativas em 80 por cento de comércio. Esteja o NAFTA limitado porque faltou um mecanismo por impulsionava e removeria as restrições. A preocupação para a Austrália é a ausência de um mecanismo de importação na Nova Zelândia que autoriza restrições. A existência de importação que autoriza restrições dentro muitos casos negaram os benefícios derivados de eliminar tarifas efetivamente. Em março de 1980 o conceito de " relações " econômicas mais estreitas entre a Austrália e Nova Zelândia foi introduzida com um comum comunicado oficial Ministerial. O comunicado oficial colocou a posição que uma relação econômica mais estreita adequadamente estruturada vai beneficiar e a competitividade internacional de países em melhores padrões reais. Ambos governos concordaram que o desenvolvimento de relações econômicas mais estreitas entre os dois países não deveriam estar em conflito com uma aproximação de um órgão externo, nem deveria interferir om as obrigações de cada país debaixo do GATT e outro comércio e acordos multi-lateral e bilateral.

O CER entrou em vigor no dia 1 de janeiro de 1983. Proveu para o estabelecimento de livre-câmbio em bens entre a Austrália e Nova Zelândia. Os dois Governos enfrentaram o desenvolvimento de outros aspectos do econômico relação seria um processo evolutivo. Eles concordaram em considerar modos de desenvolver a relação econômica por revisões exclusivas do acordo em 1988 e 1992, como segue abaixo :

  • A primeira revisão geral de CER em 1988 resultou em que foi assinando três protocolos para o acordo de CER;
  • O Protocolo em Aceleração de livre-câmbio em Bens apresentados, de 1995 a 1990;
  • Restrições do Protocolo no Harmonizado de Quarentena Procedimentos Administrativos procedimentos de quarentena substancialmente alinhados entre os dois países;
  • O Protocolo de Comercio e Serviços ficou abaixo do acordo de CER. Também foram chegados a acordos em ajuda de indústria, barreiras técnicas de comercio, governo comprando, código de harmonização de lei de negócio, restrição de exportação e políticas de alfândegas e procedimentos.

A revisão de 1992 resultou em um exame dos benefícios potenciais dos que fluiriam da Nova Zelândia trazendo no esquema de reconhecimento mútuo australiano, o que cobre padrões e a inscrição de ocupações.

Outros resultados importantes incluíram a atualização da lista de serviços isente do Protocolo de CER em Comércio em Serviços e a emenda de clarificação do CER Regras de Origem (ROO).

Os dois Governos concordaram em segurar uma revisão adicional de CER em 1995, essa revisão focalizou em avançar as facilidades de comércio, eliminando impedimentos do regulador para comercializar. A revisão realçou a conclusão de negociações para Austrália e Nova.

Em 1995 a revisão notou outros desenvolvimentos de positivo como a primeira reunião da Junta

Austrália / Nova Zelândia Working Grupo em ROO, e progride em cooperação de AFTA-CER. Depois de revisões formais de CER em 1988, 1992, e 1995 os governos da Austrália e a Nova Zelândia decidiram que revisões subseqüentes de CER aconteceriam como parte de anuário.

 

Exceções Permitidas

Como é o caso com acordos de comércio mais internacionais, o acordo de CER permite exceções padrões de suas providências, para propósitos especificados, contanto eles não são usados " como um meios de discriminação arbitrária ou injustificada ou como uma restrição disfarçada em comércio ". Alguns dos propósitos especificados incluem:

  • Proteção de interesses de segurança essenciais;
  • Proteção de moralidades públicas e prevenção de desordem ou crime;
  • Proteção do de humano, animal ou vida de planta ou saúde;
  • Proteção do de intelectual ou propriedade industrial corrige ou prevenir injusto, enganoso, ou práticas enganosas;
  • Proteção da aplicação de padrões ou de regulamentos para a classificação, classificando ou comercializando de bens.

Outras Considerações quanto ao CER

A partir do inicio do acordo de CER só bens consideraram originar na área de livre-câmbio está isento de qualquer tarifa ou restrições quantitativas, regras para determinar a origem de bens particulares são necessários. Estas regras estão fora fixas em Artigo 3 do acordo. As regras foram determinadas por uma emenda que foi concretizada em troca de cartas de 6 de outubro de 1992.

As exigências mínimas para bens ser considerada que originar na Área de livre-câmbio é:

  • O último processo de fabricação deveria ter acontecido em Austrália ou Nova Zelândia;
  • Ao menos uma metade da fábrica ou custos de trabalhos dos bens deveria ser despesas com:

- materiais que originam na região;

- custos fabris que incorreram na região ;

- matéria prima que originem da região;

 

Naturalmente, todos os produtos para o que são considerados produtos "crus" da Austrália ou Nova Zelândia origine na área de livre-câmbio, como produtos fabricados dentro qualquer área rural. Procedimentos para que determinem uma matéria-prima para ser de origem local são fixos fora o na regras da revisão de 1988. A maioria das recomendações para esclarecer estes procedimentos esta no relatório de 1993 ( Revisão de Sistema de ANZCERTA) para Matérias-primas fabricadas determinando, por Alfândegas australianas e Alfândegas de Nova Zelândia.

 

Subsídios do CER

No CER foi reconhecido que o pagamento de...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




English Town

Publicidade