Zé Moleza | TCC, monografias e trabalhos feitos. Pesquise já!

Você está em Trabalhos Acadêmicos > Biológicas > Fisioterapia

Favoritos Seus trabalhos favoritos: 0

Publicidade

Trabalho em Destaque

Título: Expressionismos: Visão da Realidade: O poder expressionista da fotografia estética e em movimento

TIDIR – Expressionismos: Visões da Realidade: O poder expressionista da fotografia estática e em movimento Belo Horizonte 2009 Proposta Partiremos de duas proposições, sendo a primeira a de que, desde o início do cinema, a intensidade de imagens que diferenciam…

Doença de Alzheimer e a Síndrome do Imobilismo

Trabalho enviado por: Marcelo Nunes Bettoni

Data: 17/09/2004

Doença de Alzheimer


Resumo

Esse estudo tem como objetivo obter maior conhecimento da Síndrome do imobilismo e da Doença de Alzheimer em idosos institucionalizados, além de fornecer as instituições um folder contendo sugestões para melhorias que foram conseguidas ao longo da pesquisa realizada. Sendo que, 23 idosos foram submetidos à pesquisa, na qual foram colhidos dados utilizando um questionário e aplicado aos funcionários (devido à incapacidade dos idosos responderem) nos dias das visitas realizadas nas instituições. Foram obtidos resultados significativos da importância de receber visitas, para os idosos, na qual o resultado obtido com o teste de X2, foi de 6,91 sendo que a hipótese não foi rejeitada. A significância das atividades físicas com um resultado de 10,54 com a hipótese não rejeitada segundo o teste de X2. A participação e importância em fazer Fisioterapia que com o teste de X2 obteve-se um resultado de 27,55 tendo a hipótese rejeitada. Além do tratamento fornecido aos institucionalizados na qual foi observado que 100% dos idosos são medicados, entre outros. Com esses estudos pode-se concluir que os objetivos a serem alcançados devem permanecer unidos para garantir ao paciente geriátrico uma melhor qualidade de vida, e também informá-los da grande importância da Fisioterapia no dia-a-dia.


Palavras-chave:
Fisioterapia, Qualidade de vida, Idosos.


Apresentação

O tema da pesquisa foi escolhido com o objetivo de orientar a prevenção da Síndrome do Imobilismo em idosos institucionalizados com doença de Alzheimer, após leituras de pesquisas sobre osteoporose.

O envelhecimento é definido co mo a redução da capacidade de sobreviver, estando relacionada com a queda da síntese protéica responsável por 15% da estrutura dos órgãos, tecidos, enzimas e produção de energia (Carvalho Filho e Papaléo, 1994). Com esse decorrente processo e a falta de exercícios físicos habituais e adequados, poderão resultar nos idosos, entre outros, com doença de Alzheimer, a Síndrome do Imobilismo.

Essa pesquisa terá como função orientar prevenindo a Síndrome do Imobilismo na doença de Alzheimer causadas pela idade avançada, podendo proporcionar à sociedade melhores condições de vida.

Tendo este conceito, a ciência pode estudar melhores práticas para que possam ser aplicadas antecipadamente, aos problemas funcionais dos indivíduos. Com o aprofundamento desta tese, poderão ser estudadas novas teorias e introduzidas na universidade.

Para compreender melhor, na Introdução são especificados os objetivos gerais e específicos. O método é constituído por voluntários, material e procedimentos, seguido de Plano de Análise dos Dados, Cronograma, Referências Bibliográficas e os Anexos.


Introdução

Para entender estudos sobre a idade avançada, nada mais certo que saber primeiramente o que ela significa e abrange. Velhice é uma fase natural da vida, para o qual todo ser humano caminha e não uma doença, como muitos ainda julgam. Porém, as doenças adquiridas, devidas a essa fase da vida, são estudadas pela Geriatria (Curiati e Alencar, 1994).

Segundo o mesmo autor, a Geriatria que teve seu início na Europa logo após a 2.a Guerra Mundial, conjuga coração e mente sendo que, coração significa a união da sociedade com objetivo de cuidar, ser solidário e curar, quando possível. Á mente cabe a motivação e o saber, buscando as causas e soluções para os problemas dos idosos.

O autor segue dizendo que é preciso considerar e respeitar as alterações biológicas, os exames, as queixas, enfim, são uns dos princípios mais eficazes para o tratamento e a relação profissional e paciente.

O autor complementa que, Geriatria atribui essencialmente da atenção neurológica, psiquiátrica, reabilitação e à sociologia médica, trabalhando juntamente com fisioterapeutas, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais.

Os problemas sociais dos idosos estão relacionados com a pobreza, falta de atendimento, más condições de moradia, solidão e distancia da família. E os problemas relacionados com a dificuldade de realizar atividades diárias é devido às dores, rigidez, fraqueza muscular e déficit neurológico (Thomson et all, 2002).

Existem certos sintomas que na idade avançada tendem a sofrer alterações. Tais como:

Fadiga, que é a dificuldade de mobilização de energia que é preciso para as atividades habituais. Perda de peso, só é acentuada quando ocorrem grandes perdas em curtos espaços de tempo. Podendo causar doenças específicas (Curiati e Alencar, 1994).

O autor prossegue dizendo que a dor de cabeça é muito freqüente no idoso e localização, geralmente localizada na região occipital devido a errados vícios posturais. Distúrbios de sono, geralmente são causados devido aos idosos irem dormir e acordarem muito cedo, por não ter ocupação, causando a insônia. Podendo causar problemas psíquicos.

E o mesmo autor conclui que as tonturas e vertigens podem estar ligadas a problemas circulatórios, neoplásicos, degenerativos, entre outros. Perda temporária de consciência (Síncope), pode apresentar hipotensão ortostática, distúrbios locais de vasos. São as causas mais comuns entre idosos.

De acordo com Texeira (1996: 85), as principais

alterações biológicas causadas pelo envelhecimento são: diminuição da massa muscular e da densidade óssea, perda da força muscular, deficiência da agilidade, da coordenação motora, do equilíbrio, da mobilidade articular e das funções hepáticas e renal, maior rigidez das cartilagens, dos tendões e dos ligamentos, redução da capacidade termorreguladora, maior tratamento ventilatório aos esforços, menor numero e tamanho dos neurônios, queda do tempo de reação e da condução nervosa.

Alterações nos músculos e ossos tendem a perder cálcio e a tornarem-se delgados e quebradiços, causando maior risco de ferimentos e quedas, na qual os idosos têm lenta recuperação devido a capacidade limitada ( Kastenbaum, 1981)

Segundo Deliberato ( 2002: 48 ), as quedas podem

levar a graves conseqüências como: aumenta o risco de fraturas, principalmente...

Para ver o trabalho na íntegra escolha uma das opções abaixo

Ou faça login



Crie seu cadastro




Publicidade