Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Contexto Histórico do Serviço Social no Brasil

Trabalho por Késia Renata dos Santos, estudante de Serviço Social @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

 

Capítulo I

CONTEXTO HISTÓRICO EM QUE SE INTRODIZIU

O SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL

O serviço social no Brasil na década de trinta não pode ser analisado como um contexto histórico simplesmente, mas como um processo acumulativo nos setores social econômico político e religioso. Apesar de ter iniciado nos anos 20, só tomou impulso na década seguinte. Com a economia brasileira concentrada no cultivo do café, apenas favorecia a expansão de poucos estados: São Paulo e Minas Gerais. Foi assim definida como "um organismo social onde se preconiza os interesses da burguesia".

Com o aparecimento da República e um novo sistema político, houve um favorecimento detentor da camada social política, que permaneceu até a 1o República e influiu com a constituição de 1891.Deram-se uma autonomia aos estados SP e MG no campo de interesses econômico e político. Estes se mantiveram na liderança durante toda a 1o República.

Mesmo com a passagem do sistema agrário para o sistema industrial na década de 20 no BR, a etapa decisiva de industrialização só ocorreu de pois da II guerra mundial. Ele encontrou vários obstáculos, como o ruralismo. Mas por trás dos interesses agrícolas encobria-se a permanência pela da economia exportadora, considerada a verdadeira produtora de riqueza mantenedora nacional.

Com a crise econômica-financeira algumas medidas foram tomadas como a criação do órgão saneador da circulação monetária. No governo de Washington Luis, realizou-se uma reforma na política econômica-financeira do País, no sentido de evitar a baixa do cambio.

Fenômenos a ser destacados: o processo imigratório desenvolvido desde a abolição da escravatura, A urbanização e a Questão social no País, que foi um resultado péssimo desenvolvimento que o nosso país obteve. Nesta questão social vão se definir o elementos da crise social, o problema da falta de compreensão da questão operária pelos órgão públicos.

O Brasil Participante no Tratado de Versalhes estava bastante atrasado, não avia mentalidade dos nossos operários.A situação de alheamento das massas contribuía para a permanência do domínio da oligarquia dirigente.

Com a Revolução de 30, Getúlio Vargas trousse transferência de poder administrativo que gerou uma forte liderança presidencialista. A Revolução Getulista encontrou uma favorável clima para uma legislação que já vinha se arrastando no ministério do trabalho, industria e comercio. Com isto a questão social passou a ser considerada não mais como um problema político mais como uma responsabilidade de um órgão oficial.

Uma constituição apresentada em 1933 `a Assembléia Constituinte introduziu algumas inovações de importância, pois demonstrava a emergência do debate sobre a questão social. O parágrafo 1o era constituído de oito itens de proteção social, como: salário mínimo, jornada de trabalho de oito horas, proibição de trabalho de menores de 14 anos, repouso semanal obrigatório, etc, o que hoje já nos é garantido por lei.

Com essas mudanças inovadoras acretitava-se que a democracia liberal estaria vigente no país. Entretanto o governo cada vez mais monopolizava os poderes em mãos, até a implantação do Estado Novo um golpe político que levou o país a passar um período de crise. Getúlio contava com o apoio de militares, houve uma forte repressão.Comunicando a população a inovação como uma ideologia vigente e fase política, a revolução revelou uma linha autoritária atribuindo ao governo um controle e poder de intervenção em toda a matéria de âmbito federal.

Na política trabalhista neutralizou a pluralidade sindical, não poderia haver mais de um sindicato geral para todas as profissões e deferia ser aprovado pelo Ministério do Trabalho. Este tinha o direito de intervir como bem entendesse. Outro aspecto foi ao fixação dos salários mínimos regionais.

Em 1o de Maio de 1940 cria-se o Serviço de