Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Condicionamento Clássico e Operante

Trabalho por Adriana Lescowitsh Rabello, estudante de Psicologia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

 Condicionamento Classico e Operante 


I) INTRODUÇÃO

Segundo Skinner (1982) "a espécie humana, como as demais espécies, é um produto da seleção natural. Cada um de seus membros é um organismo extremamente complexo, um sistema vivo, o objeto da Anatomia e da Fisiologia".

O comportamento, qualificado por Skinner como uma característica primordial dos seres vivos, foi estudado de modo isolado, assim como a respiração, a digestão, a circulação.

Os seres vivos em sua natureza obedecem a comportamentos inatos (considerados como sendo instintos). Como exemplo podemos observar o recém-nascido que age segundo seus comportamentos inatos, bem como chorar, mamar, respirar, urinar e defecar.

Estes comportamentos inatos (instintos) estão diretamente relacionados à sobrevivência do animal, isto é, há certos comportamentos que fazem parte da programação genética do organismo, como exemplo podemos citar a tendência agressiva que tem um animal quando ferido ou ameaçado, e também o fato de algumas espécies defenderem seu território.

Para explicar melhor estes comportamentos (agressividade, defesa), Darwin formulou a "Teoria da Seleção Natural", onde defendia que havia uma incerteza de sobrevivência em relação a certos tipos de comportamento, o que denominava de "contingências de sobrevivência" (variam de acordo com a ação causal à qual está exposta); como demonstração de ação causal podemos citar a seleção natural.

Skinner (1982) afirmou que

"É mais fácil imaginar contingências de sobrevivência se o comportamento tornar mais provável que os indivíduos sobrevivam e se reproduzam e se as contingências prevalecerem por longos períodos de tempo. As condições internas do corpo têm comumente satisfeito essas duas exigências e algumas características do meio exterior, tais como os ciclos de dia e noite, ou as estações do ano, ou da temperatura ou o campo gravitacional, são de longa duração".

O comportamento em si está relacionado a algumas condições, tais como estimulação externa ou interna, a idade, ou, o nível de privação. Esta relação entre o agente externo (estímulo) e o comportamento (resposta) é denominada de reflexo.

O reflexo está diretamente ligado a partes específicas do cérebro, podendo de tal modo, ser verificado comportamentos de mesma natureza reflexa em espécies diferentes. Este reflexo foi primeiramente identificado com eventos neurais hipotéticos, denominando-se então de "arco reflexo". Portanto, alguns comportamentos podem ser previstos, haja vista que são respostas reflexas a estímulos dados, como exemplo, pode-se citar a dilatação da pupila quando esta é exposta a um feixe de luz. Mais tarde, o reflexo tornou-se mais importante, quando de sua análise foi feita a demonstração da possibilidade de criar novas relações entre estímulos e respostas.

O pioneiro nestes experimentos foi o fisiólogo russo I. P. Pavlov, que há princípio estava interessado no processo de digestão, estudando as condições nas quais os sucos digestivos são secretados. Concluiu que várias substâncias químicas colocadas na boca, ou no estômago, resultam na "ação reflexa" das glândulas digestivas. No entanto, observou-se a ocorrência de uma secreção de saliva antes que o alimento fosse colocado na boca. A este fato, Pavlov denominou de "secreção psíquica".

A primeira medida tomada por Pavlov foi controlar as condições de maneira que as "secreções psíquicas" diminuíssem ao máximo, criando uma sala onde o contato cão-experimentador fosse quase inexistente.

Então, estando o cão inteiramente isolado, apenas recebendo estímulos controláveis e o alimento em uma ordem, quantidade e tempo pré-determinados (ex.: som –estímulo neutro- + alimento –estímulo efetivo- à saliva –resposta não condicionada-), Pavlov demonstrou que o cão era capaz de produzir a secreção salivar enquanto lhe era apresentado apenas o som (denominado agora como estímulo condicionado), sem que houvesse o alimento.

Enfim, Pavlov comprova que um estímulo neutro pode ser transformado para