Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Família como Instituição

Trabalho por Carlos Alexandre Constantino, estudante de Psicologia @ , Em 18/09/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

Família como Instituição


1. Histórico da família

Famílias organizadas em torno da figura do pai – patriarcal- modelo europeu de colonização.

Famílias organizadas em torno da mãe – matriarcal – modelo dos negros.

Pesquisa de Szymanski 1988 – Conflitos entre o modelo de família versus escolha de vida em virtudes das dificuldades vividas pela família.

Quadro encontrado na pesquisa (p.16):

Família se estabelece "a partir da decisão de algumas pessoas conviverem, assumindo o compromisso de uma ligação duradoura entre si, incluindo uma relação de cuidado entre os adultos e deles para com as crianças que aparecem nesse contexto"

"Esse compromisso era cumprido independentemente de formalidades legais da nossa sociedade civil que regem casamento, separação, adoção de crianças".

O cuidado das crianças recaia sobre a mulher, sendo essa a figura forte.

Algumas famílias matrifocais, homens entraram e saíram das famílias e o núcleo de responsabilidade continua da mulher. Contudo, quando a figura do homem é presente esse é o responsável pela manutenção material da família.

Há hierarquia entre mais velhos e mais novos. A relação era de mandar/obedecer

Os filhos participam da manutenção do lar, de diferentes formas, dependendo do sexo e idade.

Demonstravam desejo de participar de uma família nuclear.

Há um conflito entre família vivida e família pensada.

Família pensada (p. 19)

Comparação de sua família com uma outra, boa, certa e desejável. Com condições diferentes dessa "pensada" era necessário "malabarismos"para realizar a encenação dessa família desejada. Ex: (p.19)

(p. 20) A "família pensada" pode interferir tanto na vida da família que ameaça a sobrevivência das pessoas. Pode ainda dar a sensação de diferente e isso não significa melhor.

Outro aspecto: pressão social que é exercida para que o modelo ideal seja seguido. "Agir coerentemente com o modelo preserva socialmente a própria imagem"p. 21

Esse modelo é impessoal – foi criado por outros, não foi refletido e decidido pela pessoa, contudo ele é poderoso. Ele direciona as escolhas e decisões das pessoas, influencia papéis e valorização de si e da família.

Não se adequar ao modelo acaba sendo sinônimo de incompetência, o que gera angústia. (p.22)

Mudanças na sociedade – criação de um novo núcleo familiar, muito da cultura é repetida, modificada e novos aspectos incorporados (p.24)

Além da influencia social no modelo de família existe a influencia pessoal – crenças, valores, interpretações próprias do sujeito.

Vertentes da formação dessa família pensada (p.25):

  • O cultural e social mais amplo;
  • O cultural e o social mais restrito;
  • O individual.

Esse pensado passa a ser "tirânico"- não considera condição social, tempo, características individuais.(p.25)

(p. 26 e 27). O pensamento tirânico traz insatisfação no relacionamento familiar. Ou por sentimento de incompetência ou pela idéia de "se eu pudesse tudo seria diferente"

Família vivida (p.27)

"Família vivida refere-se ao modo de agir habituais dos membros de uma família. É a que aparece no agir concreto do cotidiano e que poderá ou não estar de acordo com a família pensada".

A família vivida é uma solução – são os arranjos adotados diante das necessidades – ela tem caráter da realidade vivida. (p.28) Realizado de acordo com a realidade do momento. Caminhos não idealizados. Exemplos (p.29).

O vivido como repetição de padrões aprendidos. (p.30)

Agir aprendido por imitações ou incorporações. (Exemplo p.30).

Agir cotidiano que leva a ser modelo ou antimodelo (filho rebelde que vira pai conservador) dos papéis que o individuo vai experienciar.

É necessária a ajuda de alguém para interpretar essas condutas, auxiliar a pensar em novas formas de se relacionar com o mundo e com as