Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

EDUCAÇÃO INCLUSIVA ATRAVÉS DA TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚTIPLAS

Trabalho por Saskia, estudante de Pedagogia @ , Em 09/08/2010

5

Tamanho da fonte: a- A+

EDUCAÇÃO INCLUSIVA ATRAVÉS DA TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

SINOPSE: A educação inclusiva não consiste apenas em “misturar” aqueles que estavam separados, mas é uma prática muito complexa, que exige uma mudança na forma da sociedade viver com as diferenças. A partir disso, a teoria das inteligências múltiplas parece ser um excelente instrumento, capaz de efetivar o respeito pelas diferenças e potencialidades de cada um.

Inclusão é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar experiências e vivências com pessoas diferentes de nós. A educação inclusiva acolhe todas as pessoas, sem exceção. É para o estudante com deficiência física, para os que têm comprometimento mental, para os superdotados ou para a criança que é discriminada por qualquer outro motivo.
Para González (2002, p.27) “no âmbito pedagógico, a educação se dirige a toda pessoa como globalidade, a todas as suas dimensões, entendendo que não é possível considerá-la por elementos isolados”, portanto, além de permitir o convívio entre pessoas diferentes, a educação inclusiva deve proporcionar o desenvolvimento global de cada um, sendo que as dimensões citadas por González podem ser incluídas na concepção de inteligências múltiplas.
Estar junto no cinema, no ônibus e até na sala de aula com pessoas que não conhecemos e que tenham uma deficiência não é inclusão. A inclusão é estar com, é interagir com o outro. Com a inclusão, enquanto a criança com a “deficiência” tem a oportunidade do contato com o mundo supostamente “normal”, de aprender a lidar com as dificuldades e a diminuir os preconceitos, os outros alunos poderão aprender a lidar com as diferenças desde a infância, desenvolvendo solidariedade sem os sentimentos desnecessários de pena e estranhamento.
A Cartilha publicada pelo MEC, que diz respeito a uma sociedade inclusiva: A hora e a vez da família em uma sociedade inclusiva, escrita por de Paula (2007, p.6) informa que a idéia de uma sociedade inclusiva nasceu da união de forças de pessoas, no mundo todo. Na área da atenção às pessoas com deficiência, surgiram grupos para cobrar da sociedade a garantia de seus direitos, que se referem à educação, saúde, trabalho, esporte e lazer. Representantes desses grupos participaram do processo da formulação da Constituição de 1988 e isso fez com que o Brasil fosse um dos países com uma legislação, reconhecidamente mais avançada, na área de atenção às pessoas com deficiência.
Porém, a formulação da Constituição não é a garantia, propriamente dita, da efetivação desses direitos, comuns a todas as pessoas, no entanto é necessário que seja estabelecida a importância de uma sociedade inclusiva como “ferramenta” de enriquecimento das interações e da aprendizagem entre os seres humanos.
A partir das experiências obtidas ao longo do estágio, foi possível reafirmar a importância da família em todo o processo de aprendizagem, portanto, também na construção de uma “mentalidade inclusiva”, pois a educação inclusiva não se limita ao ambiente escolar. É importante lembrar que na família são desenvolvidos valores, hábitos e idéias sobre as coisas e o mundo, portanto, se a consciência em relação à inclusão for transmitida as famílias, essas poderão contribuir diretamente no desenvolvimento de uma sociedade inclusiva.
Os benefícios da educação inclusiva devem ser para todo o público envolvido no processo. Mas, para isso, a escola deve ser devidamente estruturada ou a exclusão pode ser ainda maior. Da moça da limpeza ao diretor, todos na escola devem estar devidamente preparados para o público portador de deficiência. Inclusive os pais dos outros alunos, que podem apresentar maior resistência à educação inclusiva. É necessário que as escolas repensem todo o seu projeto pedagógico para trabalhar com educação inclusiva. Não se faz educação inclusiva no improviso. Os gestores devem refletir acerca do novo paradigma da inclusão, pois, somente dessa forma, a escola estará preparada para mostrar a toda a comunidade escolar a importância da educação inclusiva para a comunidade.
A escola tem que