Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Variação Linguística - Preconceito Linguístico

Trabalho por Eliane Doege Finardi, estudante de Pedagogia @ , Em 07/08/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

Preconceito Lingüístico


Marcos Bagno começa por dizer que "trata da língua é tratar de um tema político". Explica: "Só existe língua se houver seres humanos que a falem. O homem é um animal político (Aristóteles), portanto, a lingüística é uma atividade científica essencialmente politizada. E é exatamente isso, politizar a lingüística, o que vem fazendo e escritor Marcos Bagno, um militante, a seu modo, das causas sociais".

Ao partir do princípio de que a língua é viva, o autor conclui que tudo aquilo que se contrapõe a esta condição está morto. Por isso, a gramática e os gramáticos tradicionais são considerados por ele como "uma grande poça de água parada, um charco, um brejo, um igapó, à margem da língua". A língua é como um rio que se renova, enquanto a água do igapó, a gramática normativa, envelhece, não gera vida nova ser que venham as inundações. Com estas imagens Marcos Bagno constrói a diferença entre a dinâmica da língua/rio e o apego às normas/igapó da língua culta que são guardadas, preservadas, e divulgadas de maneira conservadora, preconceituosa e prejudicial à vida social.

Para analisar como se constrói o preconceito lingüístico, Bagno relaciona oito mitos que revelam o comportamento preconceituoso de certos segmentos letrados da sociedade frente às variantes no uso da língua, e as relações desse comportamento com a manutenção do poder das elites e opressão das classes sociais menos favorecidas, normalmente por meio da pseudopadronização imposta pela norma culta.


Mito nº 1

"A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente".

Mito prejudicial à educação, por não reconhecer que o português falado no Brasil é bem diversificado, a escola tenta impor sua norma lingüística como se ela fosse de fato comum a todos os brasileiros. As diferenças de status social em nosso país, explicam a existência do verdadeiro abismo lingüístico entre os falantes das variedades não-padrão do português brasileiro que compõe a maior parte da população e os falantes da suposta variedade culta, em geral não muito bem definida, que é a língua ensinada na escola. Os meios oficiais insistem em utilizar uma língua padrão, gerando uma espécie de incomunicabilidade entre poderes (constituídos ou não) e o povo. A educação parece ser o ponto mais atingido por esse panorama, apesar de que, desde 1998, os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNS, reconhecem a diversidade lingüística.

A Língua Portuguesa deve ser vista como ela realmente é, uma língua de alto grau de diversidade causado pela grandeza de nosso Brasil, fazendo com que ela se modifique em cada região, e "Esse caráter individual da fala é responsável pela diversidade e da língua...",ou seja, o fato de que em grande parte do Brasil a língua predominante ser a Portuguesa, não quer dizer que ela tenha uma unidade, pois a idade, o grau de escolarização, a situação socioeconômica e outros fatores resultarão na fala de um indivíduo que é conseqüência desse emanharado de coisas.

Desse modo esse mito de que a língua é homonogênea deve ser quebrado, afinal nem todos tem acesso à norma culta e os que chegam até ela se deparam com algo desconhecido, pois assim é ensinado para o aluno, como um outro idioma/e esse preconceito irá gerar outros os quais veremos a seguir.

Mito nº2

"Brasileiro não sabe português/ Só em Portugal se fala bem português".

Para o autor, a afirmação acima demonstra complexo de inferioridade, sentimentos de dependência de um país mais antigo e civilizado.

Para Bagno, como crítica aos que cultuam línguas e costumes estrangeiros como sendo superiores aos nossos, a língua falada e escrita vai bem, produzindo uma literatura reconhecida mundialmente pelo grande prestígio que tem, especialmente por causa da música popular brasileira.

O brasileiro sabe português sim. O que acontece é que o nosso português é diferente do português