Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Educação após Auschwitz

Trabalho por Claudia Lima, estudante de Pedagogia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Educação após Auschwitz


Para o autor os acontecimentos em Auschwitz, foram o retorno a barbárie, não existindo nada que possa justificar as atrocidades que foram cometidas.

O caminho para que o homem não retorne a barbárie e o da educação, os debates em torno de possibilidades, metas educacionais, devem tomar como exemplo os acontecimentos em Auschwitz, e nortear as metas educacionais, para formar homens conscientes, pois nada justifica tais atrocidades.

A pressão social leva as pessoas a cometerem atos injustificáveis contra minorias, sem refletirem, passam a defender causas que possam ser justificadas, levadas por um sentimento maior que sua vontade individual.

No desenvolvimento histórico do homem, ou o processo de humanização, que Adorno caracteriza como progresso da civilização, o homem cria melhores condições com os avanços tecnológicos, mas à medida que se humaniza, utiliza-se desses novos recursos para "dominar", cometer atrocidades contra a própria espécie, há um retrocesso que é anticivilizatório ou desumano.

O nacionalismo exacerbado a partir do fim do século XIX, foi capaz de gerar o genocídio. Com os acontecimentos de Auschwitz, nasce pelo lado subjetivo das pessoas algo muito interessante, isto é, o indivíduo deixa de existir e passa a agir manipulado, pela cultura vigente, de opressão ao mais fraco ou ao povo melhor organizado, porém que representa um menor número de membros.

Para orientar uma discussão o autor recorre a pesquisa de Freud, o qual forneceu grandes contribuições sobre a cultura de massas e como ela age no sentimento subjetivo das pessoas.

Nesta perspectiva, os ensaios e estudos de psicologia indicam caminhos para a educação, no sentido de que a mesma seja dirigida a uma auto - reflexão crítica.

A educação dirigida a uma auto - reflexão crítica, deve ser iniciada antes mesmo da educação escolar, ou seja, na primeira infância, quando o indivíduo está formando suas características básicas de caráter.

Analisando a sociedade de uma perspectiva sociológica, a mesma desponta com mecanismos que integram e em contrapartida há tendências de desagregação, pois a sociedade pluraliza tudo aquilo que é individual, particular e as pessoas passam a agir de acordo com o coletivo, sem refletir sobre os seus atos.

Quando indivíduos agem isolados refletindo e discordando da maioria, a pressão social volta-se contra, pois este indivíduo está indo contra a ordem social estabelecida, isto é, o que é certo ou errado (em Auschwitz as pessoas que executavam, sentiam-se inibidos pelo fato de estarem fazendo a coisa certa. Muito provavelmente aquele que se opusesse, seria dado como inimigo, por ser contrário a ordem estabelecida).

A preocupação em apontar para uma discussão para a educação após Auschwitz, deve se pensar na educação da primeira infância, a fim de tornar as pessoas mais tolerantes e que reflitam sobre sua prática.

Neste ponto o autor procura explicitar que na Alemanha não aconteceu nada que o povo alemão não quisesse, onde o nazismo e mesmo Auschwitz tiveram a conivência de toda a população alemã naquele momento histórico, ainda que tenham sido manipulados pelo nazismo. A pressão social levou o povo alemão a legitimar as atrocidades.

A questão do compromisso é assumida como forma de condicionar suas ações para uma determinada causa, assim aquele que não se incluir está pondo contra a causa. "falta de compromisso". A expressão vai designar até que ponto a pessoa está disposta a agir para o êxito daquilo que foi proposto. As pessoas compromissadas estão prontas a executarem qualquer tipo de tarefa sem questionar, refletir sobre seus atos, onde o que importa é o objetivo com o social.

O autor considera que as pessoas que vivem