Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Resenha - O Que é Estilística

Trabalho por Renilson Cruz Carvalho, estudante de Letras @ , Em 30/01/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Que é Estilística?


WOLFF, Elias. Caminhos do Ecumenismo no Brasil. História – Teologia – Pastoral. São Paulo : Paulus, 2002. 456p. ISBN 85-349-2025-7

A obra da escritora Nilce Sant’Anna Martins tem como objeto a estilística e suas divisoes, aplicações. Para iusso, ela procura conceituar este ramos da linguistica moderna fazendo uma introução da Estilística aplicada a lingua portuguesa, além de tentar definir seu objeto, o estilo usando uma linguagem simplicada, acessível.

No capítulo indicado, a autora reúne trabalhos pertinentes dos mais renomados estudiosos do assunto, fazendo uma exposição e comparação de seus feitos. Dentre estes, é citado Mounin poela definição de estilo em três grupos, ressaltando a de que Estilo é visto como desvio de norma; a que é julgado como elaboração e a definição de que configura-se como conotação. Cita também Enkvist que subdivide estes três grupos. Sant’anna ressalta que os criterios dos diversos grupos não são excludes, o que, não deixa de ser justo.

Seguindo o estudo do aparecimento da Estilística, é sugerido Charles Bally e Leo Spitzer, da lingua e literária, respectivamente. Bally defende como ser tarefa da Estilística, a descrição da lingua viva, gramaticalizada e possuidora de um sistema expressivo, enfatizando que o conteudo estilistico seria o conteudo subjetivo do conteudo linguitistico detentor de informação neutra. Com efeito, a autora lembra bem, Mattoso Câmara Jr., pois nada mais deirecionado que este que , ao tratar das possibilidades expressivas do português, define estilística como disciplina complementar da gramática capaz de atuar sobre o interlocutor acerca da relação da Estilística e Sociolinguistica, a autora afirma que as duas discilplinas são uma só na visao de David Crystal e Derck Davy. Haja visto argumentos do ponto das relações sociais, é com estilo cabível que se faz linguagem entre os níveis.

A despeito da Estilística literária, pode-se presumir que os aspectos observados para esta deniminação fazem jus. Nilce Martins relata que Leo Spitzer observa que o relato dos desvios da linguagem em relação ao uso comum, habituais na linguagem literária, é parte fundamental da estilística. Nesses termos, segundo alguns autores, a manifestação do autor e o mistério da criação poética incidem na obra.

No âmbito da Estilística funcional e estrutural, a autora concebe as definições em separado feitas por Jakobson que, ao apresentar seu trabalho sobre o assunto, troca os termos conhecidos por Poética e Função Poética, na tentativa de evitar confusoes funcionais. Confere a tal câmbio a ausencia de necessidade, devido que a estrutura pode mudar em favor da poetica, mas sua função permaneceria: transmitir o enunciado. Desse modo, suas definições bastariam mesmo que fossem amplas. Entretanto, a interelação funcional e estrutural entre eixos paradigmático e sintagmático é, com efeito, apropriado. Isto, tange ao fato de que a estilística funcional e estrutural são dissocioáveis.

Por fim, como ultimo topico relevante, Nilce Martins ressalta o valor historico da retorica e suas funções. Hoje, como ciencia associada a linguistica, a estilística assume a retoria como definição concreta de apropriado uso da linguagem. Porque a estilística estuda o melhor da linguagem, confere usar dos artificios que a lingua oferece na comunicação.