Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Burguesia e Proletariado

Trabalho por Fernando Cortes de Campos, estudante de Ciências Sociais @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Burguesia e Proletariado


Características das classes dominantes e dominadas

A concepção estrutural e dinâmica das classes sociais foi desenvolvida por Marx e Engels. Segundo eles, as classes sociais constituem categorias analíticas e categorias históricas. Sendo assim, as classes, são grandes grupos de homens que se diferenciam pelo lugar que ocupam num sistema historicamente determinado de produção social, por suas relações com os meios de produção, pelo papel que desempenham na organização social do trabalho e, consequentemente, pelo modo como obtêm a parte da riqueza social de que dispõem e pelo tamanho desta.

A sociedade, através do tempo, sempre foi marcada por vários conflitos entre classes. A sociedade atual, não eliminou este conflito que se estende basicamente a 2 grupos: a Burguesia e o Proletariado.


Burguesia (Dominantes)

Os burgueses são o resultado de inúmeras revoluções no sistema de escambo e de produção. Eles representam uma minoria na sociedade, porém são os proprietários dos instrumentos e meios de produção, o que garante a sua sobrevivência.

Eles também, acabaram com o sentimentalismo das relações de família, reduzindo-as a simples relações monetárias e se mantêm no poder destruindo, violentamente, grandes quantidades das forças produtivas, conquistando novos mercados e explorando cada vez mais os mercados antigos. Com isso, vivem em constante guerra com a aristocracia, contra setores da própria burguesia e muitas vezes apelam para o proletariado em busca de auxilio.

A burguesia possuindo o controle e a propriedade do capital e da produção, dominam o processo de trabalho. Ela define admissões e demissões de trabalhadores, a opção política salarial e a escolha de técnicas e tecnologias a serem aplicadas na produção. Por fim, eles determinam as condições de trabalho e o controle do volume e do ritmo da produção.


Proletariado (Dominados)

Os proletários, por sua vez, são a maioria da sociedade, no entanto não são os possuidores dos meios de produção e por isso são obrigados a vender a sua força de trabalho. Eles são as mercadorias e os artigos de comércio e, como se vendem diariamente, estão sujeitos as oscilações de mercado.

Eles estão sob um constante controle de uma hierarquia e quando o trabalho dos homens exigir menos habilidade e força, ele é suplantado pelo trabalho das mulheres e das crianças (o preço pelo seu trabalho varia conforme o sexo e idade).

A sua condição de vida se torna cada vez mais precária por causa do contínuo aprimoramento e o rápido desenvolvimento das máquinas. Por sua vez, são considerados como uma classe realmente revolucionária frente à burguesia. O movimento dessa classe caracterizou-se por ser um movimento consciente e autônomo de uma maioria esmagadora, em proveito dessa mesma maioria. Eles estão em constante luta para reconquistar a posição perdida do artesão da Idade Média.

Finalizando, o que importa é que estas distinções ocorrem dentro de um sistema sócio-econômico determinado, no qual as classes em oposição (dominantes e dominados) são também complementares e estão dialeticamente ligadas entre si, já que são parte integral do funcionamento de um todo, ou seja , elas não existem isoladamente, mas somente como parte de um sistema de classes.