Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Métodos Anticoncepcionais

Trabalho por Grazielle Monteiro Silva, estudante de Ciências Sociais @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Métodos Anticoncepcionais


CAMISINHA (PRESERVATIVO MASCULINO OU CONDOM)

A camisinha é um método para ser usado pelo homem, no momento da relação sexual. Ela evita a gravidez, impedindo que os espermatozóides penetrem na vagina da mulher. Ela deve ser colocada quando o pênis está ereto (duro), antes de qualquer contato com a região da vagina, porque alguns espermatozóides podem escapar, mesmo antes da ejaculação.

Ela é feita de um envoltório de látex que recobre o pênis ereto durante a penetração. É o único método que protege de DSTs, inclusive a Aids; não interfere no equilíbrio hormonal e é fácil de comprar. As desvantagens que temos é a "quebra" do clima e diminuição do prazer sexual. Os especialistas sugerem erotizar a colocação da camisinha. Indicado o uso para pessoas com vida sexual ativa, adolescentes e para elevar a eficácia de métodos comportamentais. Não recomendável para pessoas com alergia ao látex; ejaculação precoce e anormalidades na uretra ou pênis. A eficácia é de 75% a 97% se usada corretamente. 

Como se coloca a camisinha?

- Segure a camisinha com delicadeza, evitando tocá-la com as unhas. Desenrole a pontinha e, com a parte enrolada virada para fora, coloque-a sobre o pênis. Deixe um espaço livre entre a ponta da camisinha e a ponta do pênis, para evitar que, com o jato, a camisinha se rompa. Desenrole-a até chegar perto dos pelos;

- Após a relação, o pênis deve ser retirado da vagina enquanto ainda estiver duro.

Segure bem nas beiradas, para não deixar vazar o líquido. 

Recomendações importantes:

A camisinha pode ser associada com o uso de algum espermicida vaginal. Isto aumenta a segurança do método.

  • Observe se a vagina está bem molhada, para que a penetração seja confortável e a camisinha não se rompa.
  • Se a vagina estiver muito seca, o uso do espermicida ajudará a penetração.
  • Existem camisinhas lubrificadas, que evitam esse tipo de problema.
  • Em caso de algum acidente (rompimento, deslocamento ou erro ao retirar), recomenda-se colocar imediatamente algum espermicida na vagina.
  • Nestes casos, não faça lavagem vaginal, pois ela empurra o espermatozóide para o útero.
  • Se por acaso a camisinha ficar dentro da vagina, isso não é motivo para se assustar. É só puxar com o dedo e usar imediatamente um espermicida.
  • Use a camisinha apenas uma vez. Jogue fora depois de usada.


DIU (Dispositivo Intra-Uterino)

O DIU é um aparelhinho feito de um plástico mole, revestido ou não de cobre e pode ter progesterona (hormônio feminino). Colocado no útero, cria meio hostil aos espermatozóides.

Existem vários tipos. Alguns são enrolados por um fio de cobre bem fino. Este aparelho é colocado dentro do útero da mulher, através da vagina, para evitar a gravidez.

O DIU só deve ser colocado e retirado pelo médico.

É um método que dispensa disciplina diária, não interfere na relação sexual. É reversível e tem contracepção por um longo período. As desvantagens são que os recobertos com cobre podem aumentar o volume e a duração do fluxo menstrual; nem todas as mulheres podem usar, como as grávidas, as que tem corrimentos ou doenças venéreas, as que nunca tiveram filho e/ou as que tem anemia. Outra desvantagem é que o DIU pode se deslocar. É indicado para mulheres de todas as idades, as diabéticas, as cardíacas e de preferência usar após uma gravidez. Não são indicadas para quem tem infecções genitais, cólicas, tumores, malformação uterina, sangramentos sem causa conhecida; pós-gravidez nas trompas e quem