Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Cocanha

Trabalho por Mia, estudante de Diversos @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

COCANHA


Para analisar A Cocanha como um texto que identifica o imaginário da Idade Média, partiremos dos elementos que constróem essa fabliau, tratando-a como uma representação da sociedade da época que ela utopiza. A Cocanha atende socialmente às necessidades humanas de aliviar tensões, também serviu para utopizar, imaginar uma situação invertida.

A Cocanha nos expõe uma mentalidade medieval, que se manifesta em contraposição à época em que se torna popular. Essa mentalidade sugere harmonia e abundância, diferente da realidade da época.

Logo no início da Cocanha, o autor nos fala que ele está escrevendo o texto com base na "grande sabedoria que Deus me deu", o que sugere a relação homem/divindade em harmonia. Na dimensão onde está situada a Cocanha homem e Deus estão em unidade e equilíbrio, pois esse lugar está "abençoado por Deus e por todos os seus santos". Deus é responsável pela abundância desse – segundo o autor – país, "come-se o que Deus dá", e há tanta abundância, onde sentimentos de alegria e de saciedades substituem as dores e dificuldades reais do mundo europeu. As características materiais são vistas com equilíbrio, não se paga por nada, há sacos com moedas espalhados pela Cocanha, há roupas e calçados à vontade, quanto mais se dorme, mais se ganha. A relação do homem com a natureza também é de harmonia, de comunhão, não há trabalho, só o desfrute das maravilhas oferecidas pela natureza. A natureza é exuberante.

Na Cocanha existe a Fonte da Juventude, não há homens nem mulheres velhas, a velhice é vista como uma degradação, a juventude na Cocanha é sempre reconquistada, homens e mulheres são belos, e podem gozar dos prazeres oferecidos neste lugar.

As relações homem – mulher expressam total liberdade sexual, onde tanto homens quanto mulheres poderão satisfazer seus desejos quando e com quem quiserem, sem serem censurados ou reprimidos, permitindo assim que os habitantes deste país busquem sua felicidade livremente. "Cada um pega tudo o que seu coração deseja".

O tempo é festivo, repleto de comemorações: "quatro Páscoas, quatro festas de São João, quatro vindimas, feriado e domingo todo dia, quatro Todos os Santos, quatro Natais, quatro Candelárias, quatro Carnavais e Quaresma uma a cada vinte anos", e é mais longo – o mês tem seis semanas. É mais longo nas alegrias, nas festas e nos prazeres, e mais curto nos períodos tristes como a Quaresma, um período de reflexão, penitência, só a cada vinte anos. O espírito do homem deste lugar é livre e despreocupado, não há preocupação com trabalho, alimentação, compromisso, idade, vestuário, religião; o que contrasta com a Idade Média, onde o cotidiano era escasso em comida e a religião restringia a liberdade dos homens.

O processo de perda deste "paraíso" é de via única, uma vez tendo acesso à ele, não se deve nunca deixá-lo, pois o retorno é impossível, e essa busca se tornará eterna. Como todo mito revela uma lição de moral, a Cocanha faz uma apologia também à realidade de quem não vive neste país, onde as pessoas devem se contentar com as coisas boas que possuem no exato momento em que lêem o texto, pois se deixá-las, poderão se arrepender, e viver a buscá-las.

Enuncia-se também um outro mundo, não com fartura, não com liberdade, mas um mundo onde se sentirá falta dos prazeres do país Cocanha. O conteúdo do mito da cocanha circula em níveis de cultura diferentes, meios culturais diferentes, e na diacronia – ao longo do tempo. A linguagem do mito se alimenta no tempo e revela dados da mentalidade.

A projeção do cotidiano medieval para o mito da Cocanha expressa também a busca incessante do homem pelo Paraíso, num