Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Modelo de Resenha

Trabalho por Kátia B. Silva, estudante de Secretariado Executivo @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

FORMAS DE ESCRAVIDÃO NO BRASIL

FREITAS, Décio. Formas de Escravidão no Brasil. In: Associação Psicanalítica de Porto Alegre. O valor simbólico do trabalho e o sujeito contemporâneo. Porto Alegre: APPOA: Artes e Ofícios, 2000. 304 p. (p. 83 a 87).

A escravidão e suas conseqüências para o conceito do trabalho assalariado são o tema abordado pelo autor, nesse texto. Apesar do título Formas de Escravidão no Brasil o autor explica que "embora o plural aqui – formas – seja impróprio já que houve uma forma apenas de escravidão que é a de escravidão pura e simples, ou seja, a propriedade do homem e pelo homem" (p. 83), não é impróprio falar da escravidão no Brasil, visto que, no processo da globalização o problema do trabalho é muito questionado. Ao visitar Luanda, uma cidade angolana, o autor descreve a imensa pobreza que a população vive, onde, literalmente, muitos morrem de fome , um país que séculos antes era explorado por sua mão-de-obra escrava, contribuindo com cerca de 80% dos escravos trazidos para o Brasil, e que hoje não desperta nem mesmo este interesse, provando que a desvalorização da criatura humana leva ao trabalho redundante ou inútil. Discutindo sobre o trabalho assalariado no Brasil, que é muito recente, o autor mostra que o conceito ocidental da "ética do trabalho" como sendo a valorização do trabalho, não existe no país porque "o trabalho foi desonrado no Brasil pela escravidão" (p. 84) e a ociosidade é o que realmente dignifica o Brasil. Dentre os países, o campeão universal da escravidão é o Brasil e isso caracteriza a história brasileira em desigualdade civil, econômica e política. O trabalho no Brasil não é valorizado e sim tido como humilhação para o indivíduo, especialmente trabalhos manuais próprios dos escravos. O autor destaca ainda que a grande maioria dos brasileiros não tem um trabalho assalariado e que a ética do trabalho é acentuado em poucas regiões brasileiras como o Rio Grande do Sul.

COMENTÁRIOS

KÁTIA

O autor destaca a escravidão como uma causa para a degradação e desvalorização do trabalho assalariado no Brasil. A informação trazida por Freitas é interessante, e aguça a curiosidade para a busca de outros textos que abordem o tema, pois ele viu a desvalorização do trabalho apenas sob um ponto de vista: a conseqüência da escravidão para o trabalho. O texto é coerente, deve ser lido, mas a busca de novas informações não deve ser descartada.

LUCICLEIDE

A escravidão é uma das causas para a desvalorização do trabalho no Brasil. O autor, através do texto, expõe isso de forma clara e precisa. O texto é rico de informações, inclusive com comparações com outros países.

LUÍZA

A história brasileira é marcada por desigualdades civis, políticas e econômicas. O texto mostra essa realidade, através das comparações e citações do autor.

Outros Autores: Cati Mesquita, Lucicleide Ramos, Luíza Maria Pereira e Magali