Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Ambev - Marketing da Cerveja

Trabalho por Cintia Rodrigues de Almeida, estudante de Marketing @ , Em 29/10/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

Ambev - Marketing da Cerveja

São Paulo

2004


1. Introdução

O Brasil ocupa uma posição de destaque no mercado mundial de bebidas, é hoje o ‘quarto maior mercado de cerveja ficando atrás somente dos Estados Unidos, China e Alemanha. Apesar disso, ao se tratar de consumo per capta, ainda estamos longe dos países líderes; Republica Checa e Alemanha, que são os dois primeiros.

Em relação ao mercado de refrigerantes, a produção nacional é ainda mais expressiva, colocando o Brasil em terceiro lugar, atrás apenas dos Estados Unidos e do México.

O mercado de bebidas brasileiro distribui-se da seguinte forma (em litros e em dinheiro): o de cerveja; 8,45 bilhões de litros e R$ 12,5 bilhões, o de refrigerante: 11 bilhões de litros e R$ 5 bilhões, Isotônico: 40 milhões de litros e R$56 milhões e Chá Gelado: 40 milhões de litros e R$44 milhões.

A distribuição da produção de cerveja no Brasil não é feita de modo uniforme, de modo que existe maior concentração nos estados mais industrializados como a região Sudeste, que conta com 55,7% da produção. A região Nordeste fica com cerca de 17,3%, a região Sul com 14,8%, a Centro Oeste com 7,5% e a região Norte com 2,9%, característica que reflete muito bem a concentração econômica no Brasil.

A AmBev, Companhia de Bebidas das Américas, uma das mais expressivas empresas no setor de bebidas do Brasil, possuindo uma grande variedade de produtos, e com grande produção e faturamento, tem procurado se expandir ainda mais. Recentemente foi comprada pela gigante alemã Interbrew, ampliando ainda mais sua presença no mercado global de bebidas.

Embora a AmBev possua atuação em várias áreas no segmento de bebidas como refrigerantes, águas, isotônicos e chás, estaremos, neste trabalho, dando mais ênfase ao mercado de cervejas.


2. Histórico da empresa

A AmBev, Companhia de Bebidas das Américas, foi criada em 2000, com a união da Companhia Antarctica Paulista e da Companhia Cervejaria Brahma, duas empresas tradicionais e renomadas no setor de bebidas. O Objetivo principal era abranger o mercado internacional.

A multinacional brasileira surgiu como a terceira maior indústria cervejeira e a quinta maior produtora de bebidas do mundo. Constituindo uma empresa de capital aberto com ações ordinárias e preferencial, na Bolsa de Valores de São Paulo e de Nova York.

Um ano após a fusão, houve a internacionalização do Guaraná Antárctica (um dos produtos mais conhecidos do grupo) em parceria com a Pepsi-CO. Nessa época a AmBev adquiriu outras empresas nacionais e internacionais do ramo de bebidas, como a Cympai, Nortea e Prinz do Uruguai, ao passo que foram vendidas a marca de cerveja Bavária e mais cinco fábricas.

No ano de 2002, houve a aliança estratégica com a Quilmes Industrial S.A. (Quinsa) – maior cervejaria da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai –, para a integração das operações no Cone Sul. O acordo criou a terceira maior operação comercial de bebidas do mundo, com 10 bilhões de litros anuais. A participação da AmBev na Quinsa é de 40,9%. Foi anunciada também a parceria com a CabCorp – principal engarrafadora Pepsi da América Central –, para atuar no mercado de cervejas daquela região a partir da construção de uma cervejaria na Guatemala. Dois refrigerantes foram lançados: Pepsi Twist e Mountain Dew. A Skol revolucionou o mercado com o lançamento da Skol Beats. A AmBev passou a produzir o isotônico Gatorade, marca adquirida internacionalmente pela PepsiCo.

Um ano depois, deu-se início às operações na Guatemala; anunciada a aquisição da Cerveceria SurAmericana, no Equador, segunda maior