Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Economia Cafeeira

Trabalho por Carlos Jose dos Santos, estudante de Economia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

ECONOMIA CAFEEIRA


1 - APRESENTAÇÃO

Iremos apresentar um trabalho sobre o café, produto que foi o símbolo da economia do Brasil colônia, tendo sua fase de opulência e posteriormente queda. Demonstraremos o início da lavoura, os aspectos que influenciaram a expansão de cafezais pelo país, a chegada dos imigrantes, a influência econômica e política, as relações de trabalho e como a crise de 1929 teve influência no ciclo econômico do café. Compõem-se de introdução, desenvolvimento, oscilações de preço, expansão, crise, mão-de-obra, conclusão e bibliografia.

"Estudar o mecanismo dos acontecimentos do passado é imprescindível para compreendermos o presente e tentarmos nos antecipar ao futuro" Carlos Santos.


2 - INTRODUÇÃO

Nas páginas seguintes está descrito o ciclo econômico da lavoura do café, demonstraremos como este produto de origem africana desenvolveu-se tão bem em nosso país e como foi um produto de extrema importância para as exportações do Brasil do fim do século XVIII até os anos trinta do nosso século. Iremos entender como foi introduzido o trabalho assalariado no país e a influência que a crise da bolsa de valores americana, no ano de 1929, levou à bancarrota os barões do café.


3- DESENVOLVIMENTO

O café foi introduzido no Brasil no início do século XVIII e era cultivado em várias partes do país, embora a produção era apenas para consumo nas fazendas. Sua importância comercial acontece a partir do fim do século XVIII, em conseqüência da alta de preços ocorrida no mercado internacional, motivada pela desorganização ocorrida no Haiti, então o grande produtor mundial. Aos poucos o café foi se tornando o principal produto de exportação brasileiro, sendo que por volta de 1830 já contribuía com 18% do valor das exportações brasileiras, sendo o terceiro produto em importância comercial, perdendo apenas para o açúcar e o algodão; vindo alcançar a liderança no ranking das exportações já nas duas décadas seguintes. É importante registrar o fato de que todo o aumento verificado nas exportações brasileiras na primeira metade do século passado deveu-se ao café.

Transformando-se em produto de exportação, o desenvolvimento da produção cafeeira concentrou-se inicialmente na região montanhosa do Rio de Janeiro, onde existia abundância de mão de obra decorrente da desagregação da economia mineradora além de localizar-se próximo do porto, permitindo assim resolver o problema de transporte da produção utilizando-se de um veículo que existia em abundância: as mulas. Os crescentes lucros auferidos com a exportação do café fizeram com que as plantações se expandissem do Valo do Paraíba para o sul de Minas Gerais, nordeste do Paraná, mas principalmente, para o interior de São Paulo, mais precisamente na região oeste, onde as predominâncias de terra roxas, juntamente com o clima propício contribuíram para o desenvolvimento de grandes cafezais.


4 - AS OSCILAÇÕES DE PREÇOS

A elevação de preços ocorrida nos fins do século XVIII determinou o aumento da produção de café em várias partes da América e da Ásia. Com a elevação significativa da produção de café, sem ocorrer em contrapartida um aumento de demanda segue-se períodos de baixa dos preços, mas mesmo assim a produção do país continua a aumentar, pois os produtores brasileiros viam no café a oportunidade para utilizar os recursos produtivos ( leia-se mão de obra escrava e terras) ociosos provenientes da indústria decadente de mineração, que encontrava-se em retração, para utilizá-los na expansão dos cafezais e produzir mais e mais café.

O café experimentou diversos períodos de oscilações de preços, sendo que nos anos de 1857 a 1868, 1869 a 1885, 1886 a 1906 foram caracterizados por preços ascendentes, tendo neste último período ocorrido a duplicação da área plantada no estado de São