Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Inflação e Desemprego no Brasil: Um Ensaio da Curva de Phillips

Trabalho por Jefferson Teixeira Dantas, estudante de Economia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

INFLAÇÃO E DESEMPREGO NO BRASIL: UM ENSAIO DA CURVA DE PHILLIPS.

Trabalho apresentado no CIC 2001 (Congresso de Iniciação Científica), realizado na CIENTEC 2001 - Semana de Ciência, Tecnologia e Cultura da UFRN.


I - INTRODUÇÃO

Uma discussão muito relevante atualmente no país é aquela relacionada com os problemas da inflação e do desemprego. São assuntos complexos que envolvem uma série de possibilidades na busca por soluções, que podem levantar algumas questões, como por exemplo: uma redução dos índices de inflação pode trazer alguma interferência nos níveis de emprego? A resposta a esta questão se encontra em um artigo escrito pelo economista inglês chamado A. W. Phillips em 1958. Sua análise empírica das relações entre índices de inflação salarial e índices de desemprego no Reino Unido demonstrou que havia uma relação de Trade-off entre a inflação e o desemprego, e que estavam associadas às políticas contracionistas sobre a demanda agregada que eram implementadas para reduzir os níveis de inflação. Essa relação de causalidade da inflação para com o desemprego foi o que de novo se encontrou como resultado de sua pesquisa.

Este trabalho ficou amplamente conhecido como a "Curva de Phillips", que "rapidamente tornou-se uma pedra angular da análise política macroeconômica", Dornbusch e Fischer (1991). Com o avanço da ciência econômica e posteriores estudos, ficou demonstrado que a verificação empírica em períodos de maior linearidade nos índices de inflação (que também não mais se relacionava somente a inflação salarial e sim a inflação de preços) e das taxas de desemprego indicam que este modelo não se aplica em todos os momentos históricos. Uma das explicações foi descrita por Milton Friedman, o qual apontava para o fato de que o fator realmente determinante para os trabalhadores não era o salário nominal (da forma como foi utilizado por Phillips) e sim o salário real.

A realização deste trabalho se propõe a verificar, em nível introdutório, a adequação da Curva de Phillips para a realidade brasileira. O trabalho está organizado da seguinte forma: a) Revisão teórica da Curva de Phillips; b) Os Planos de Estabilização Econômica no período de 1980-2001; d) Aplicação da Curva de Phillips no Brasil com as devidas análises e conclusões.


II - Revisão Teórica da Curva de Phillips
:

Entre as políticas de controle inflacionário, a mais clássica é aquela que faz um "choque sobre a demanda agregada". Tal medida prevê, entre outros mecanismos de retração da demanda agregada, o aumento dos juros e a elevação da carga tributária. Essas medidas têm impactos perversos sobre a geração de emprego e renda. Esta é uma condição de conflito, pelo menos do ponto de vista político, quando se colocam variáveis de grande repercussão social e se opta pela redução da inflação gerando para isso um aumento nas taxas de desemprego. Ou então a situação inversa, para aumentar o nível de emprego, políticas expansionistas, como a redução nas taxas de juros, podem acarretar uma elevação nos índices de inflação. Essa relação de causalidade foi demonstrada empiricamente pelo economista inglês A. W. Phillips, no artigo intitulado "The relation Between Unemploytment and the Rate of Change of Money Wages in the United Kingdom, 1861-1957", publicado no ano de 1958, Sachs e Larrain (1995).

O estudo de Phillips partiu da seguinte premissa: quando a demanda por bens sobe, isto tende a elevar os preços destes bens. O aumento na procura no mercado de trabalho irá aumentar a taxa de salários nominais? Usando do método de regressão da taxa de inflação salarial e a taxa de desemprego, chegou a seguinte equação: Silva (1998).

D w/w + a = bU

em que;

D w/w = variação