Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Resenha do Livro Macunaíma

Trabalho por Ricardo Babick Estrella, estudante de Administração @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Macunaíma a Lenda do Herói Preguiçoso

Macunáima "herói de nossa gente" nasceu em plena floresta amazônica, no meio do mato virgem descendendo da tribo dos Tapanhumas. Após seis anos sem falar Macunáima resolve sair pela vida afora. Ele acaba por matar sua própria mãe enganado por Anhangá o deus da caça, que a fez confundir com uma viada. Assim ele e seus irmãos partem de sua tribo e no caminho Macunaíma conhece Ci, mãe do mato virgem, com a qual ele tem um filho que acaba por morrer devido ao filho ter mamado no seio da mãe que havia sido envenenado pela cobra preta. A mãe por desgosto, decide morrer e vira a estrela Beta da constelação de Centauro. Mas antes disso ela deixa de presente a Macunáima a pedra talismã chamada muiraquitã que lhe garantiria a felicidade. A pedra acaba nas mãos de um colecionador chamado Venceslau Pietro, o qual Macunaíma fica sabendo que mora em São Paulo, vindo então para a cidade para recuperá-la. No entanto Venceslau era na verdade o gigante Piaimã comedor de gente e Macunaíma teria que enfrentá-lo para recuperar a pedra. Ele derrota o gigante e a pedra é reconquistada. Assim ele retorna ao Amazonas sozinho devido a morte de seus irmãos. Sua tapera começa a cair e o herói começa a adoecer. Um dia devido ao calor, resolve tomar banho e é atraído pelo cantos da Uiara que acaba por lhe mutilar e comer sua perna junto com a muiraquitã. Não achando mais graça na vida ele também resolve ir para o céu transformando se na constelação Ursa Maior. Ao final da história já sem mais ninguém, se pergunta quem poderia saber da existência da história?? A história foi contada por um papagaio a um homem e esse homem era o próprio autor, Mario de Andrade.

A história toda parece ser um conjunto de lendas e mitos onde Macunaíma é o grande herói. Mas é um herói estranho, pois é ora bom, ora mau, ora mentiroso, ora contraditório, ora ingênuo. Ele parece estar em fase de aprendizado onde ao longo do livro, a cada aventura por qual ele passa Macunaíma aprende algo de novo. É um herói individualista que faz o que bem entende, não tem preocupações sociais ou politicas e é inconseqüente. Na história também há muitos nomes estranhos e de contos nacionais como o curupira, a cobra preta, Ci-mãe do mato e gigante Piaimã. Junto com o nomes das constelações mencionados, a história parece ser uma grande lenda composta de muitos acontecimentos. Ele também conversa com pessoas antigas de várias épocas como Delmiro Gouveia, Hércules Florence e João Ramalho. Apesar de Mário de Andrade ter considerado o livro uma rapsódia, eu diria que é um conjunto de mitos e lendas fictícios unidos para formar uma história.

Macunaíma também nos faz lembrar uma pessoa indolente, vagabunda pois durante toda a história ele foge do trabalho. Desde sua infância ele se revela uma pessoa preguiçosa falando apenas "Ai que preguiça". Ele parecia só buscar à aventura e nunca quis trabalhar. Se precisava de um esconderijo ele não cortava a mata, aproveitava a folhagem cortada pelas saúvas. Também converteu o cacau em dinheiro para se livrar do trabalho e nem sequer foi capaz de construir um abrigo para si próprio.

Finalizando, é uma obra riquíssima em linguagem, onde podem existir centenas de interpretações diferentes de acordo com o leitor.

Bibliografia

ANDRADE, Mário de. Macunaíma 2ª ed. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1985