Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Violência Doméstica

Trabalho por Augusto Lott Rodrigues Colás Amaral, estudante de Administração @ , Em 08/02/2008

5

Tamanho da fonte: a- A+


Violência Doméstica

CIESA - Centro Integrado de Ensino Superior do Amazonas
2007

Introdução

Neste trabalho de pesquisa, trataremos de um tema muito delicado e que, ultimamente vem ampliando o quadro de vítimas, dentro do próprio seio familiar. Trata-se da Violência Doméstica, que muito tem contribuído para triste escalada da violência no convívio social.

Algumas pessoas acham até que este seja um assunto de difícil compreensão, outros se limitam a comentar sobre o assunto sem ter uma postura definida, mas a grande maioria debate o tema tentando entender sua prováveis razões e se inclinam a achar, definitivamente, alguma solução para esse problema.

O ser humano perdeu o respeito e o amor pelo próximo, e esse fato traz graves conseqüências para a vida em sociedade, uma dela é a violência dentro da família. A violência domestica não escolhe classe social, raça, religião ou lugar para acontecer, ela simplesmente acontece, suas causas são muitas, como o alcoolismo, desemprego, drogas, stress, pobreza, entre outras. Esses mesmo motivos que acabamos de citar servem de justificativas muitas vezes para os agressores, como se algo pudesse justificar tais atitudes.

A violência doméstica se divide em quatro tipos que são: violência física, violência psicológica, violência sexual, violência verbal. Falaremos um pouco de cada uma, suas possíveis causas, conseqüências na vida de uma pessoa.

Diante do exposto, também abordaremos sobre o que pode ser feito a esse respeito, se há alguma solução, o que poderíamos fazer para amenizar essa situação, como lidar diante de um quadro de violência, que atitude tomar, tentar esclarecer as dúvidas, e abordaremos um pouco sobre tudo que envolve o tema Violência Doméstica.

Por fim, trataremos do assunto segundo entendimento acadêmico, porém como uma visão sociológica a respeito do tema dentro dos ensinamentos adquiridos até então, a fim de tentar sensibilizar aquelas pessoas que terão acesso a esse trabalho e, quem sabe, restaurar um pouco da dignidade humana, para assim conseguirmos amenizar nosso convívio dentro da sociedade.

1.0 O que é a violência doméstica?

A violência doméstica é um problema que atinge milhares de crianças, adolescentes, mulheres e até idosos. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

Sua importância é relevante sob dois aspectos; primeiro, devido ao sofrimento indescritível que imputa às suas vítimas, muitas vezes silenciosas e, em segundo, porque, comprovadamente, a violência doméstica, incluindo aí a Negligência Precoce e o Abuso Sexual, podem impedir um bom desenvolvimento físico e mental da vítima.

Segundo o Ministério da Saúde, as agressões constituem a principal causa de morte de mulheres . Parte dessas agressões provém do ambiente doméstico. A Unicef estima que, diariamente, 18 mil crianças e adolescentes sejam espancados no Brasil. Os acidentes e as violências domésticas provocam 64,4% das mortes de crianças e adolescentes no País, segundo dados de 1997.

Violência Doméstica, segundo alguns autores, é o resultado de agressão física ao companheiro ou companheira. Para outros o envolvimento de crianças também caracterizaria a Violência Doméstica.

A vítima de Violência Doméstica, geralmente, tem pouca auto-estima e se encontra atada na relação com quem agride, seja por dependência emocional ou material. O agressor geralmente acusa a vítima de ser responsável pela agressão, a qual acaba sofrendo uma grande culpa e vergonha. A vítima também se sente violada e traída, já que o agressor promete, depois do ato agressor, que nunca mais vai repetir este tipo de comportamento, para depois repeti-lo.

Em algumas situações, felizmente não a maioria, de franca violência doméstica persistem cronicamente porque um dos cônjuges apresenta uma atitude de aceitação e incapacidade de se desligar daquele ambiente, sejam por razões materiais, sejam emocionais.

Para entender esse tipo de personalidade persistentemente ligada ao ambiente de violência doméstica poderíamos compará-la com a atitude descrita