Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Relatório do Filme "O Germinal"

Trabalho por Anna Paola Comini, estudante de Administração @ , Em 01/09/2007

5

Tamanho da fonte: a- A+

Relatório do Filme ‘O Germinal’


O Filme 'Germinal' refere-se ao processo de gestação e maturação dos movimentos grevistas e sindicalistas através da eclosão de uma atitude mais ofensiva por parte dos trabalhadores das minas de carvão no final do século XIX na França face à exploração da burguesia dominante.


É relevante citar que durante o período em que o romance se ambienta, a França integrava o bloco dos países pioneiros no processo de industrialização, frutos da recente Revolução Industrial. Tal período caracteriza-se ainda por rascunhar os alicerces do Direito do Trabalho, buscando na concentração do proletariado e na reação à filosofia individualista imposta pela Revolução Francesa, insumos para regularizar a relação entre funcionários e patrões.


Através dos olhos do autor, as dificuldades e a rudeza do mundo operário são retratadas através de uma família liderada por Maheu, interpretado por Gerárd Depárdieu que, diante de tanta miséria, se vê obrigado a sujeitar-se ao trabalho nas profundezas da mina de Voeux. Através de uma linguagem simples e forte, o filme nos insere no cotidiano de mineiros com pulmões negros de carvão que se definham na escuridão das minas, cumprindo jornadas excessivas de trabalho e troca da própria sobrevivência e salários baixos.

Neste contexto surge Etienne, um ex-maquinista andarilho e desempregado que vaga pelas estradas da França à procura de emprego para sanar sua fome em um país entregue à depressão econômica. Às margens das minas de Montsu emprega-se e, como novo operário, esgotado e humilhado diante de condições impróprias e inseguras de trabalho, passa a disseminar ideais reivindicatórios, estimulando o confronto entre patrões e empregados.

Aliado a Maheu, filho de uma família que a gerações trabalha e morre na mina, inicia a estimular seus companheiros a unirem-se em prol da coletividade, criando condições para a maturação de uma atitude mais ofensiva por parte dos trabalhadores através de um movimento grevista. Para tanto, criam uma ‘caixa de resistência’, com a qual todos os operários contribuem visando à própria sobrevivência em caso de uma greve prolongada.


A eclosão ocorre quando, pressionados pela crise que assola o país, os burgueses (patrões) diminuem os salários e acentuam o descaso em relação à segurança e saúde de seus funcionários. Neste contexto, então, os ideais anteriormente disseminados se alimentam da indignação e da fome por direitos e geram uma greve, expondo-os todos a atos desesperados movidos pela miséria.


O autor não se limita ao simples relato do cotidiano de cidadãos infelizes e miseráveis, perdidos em um episódio de nossa história. Traz à tona, através de seus personagens, fatos e ideologias revolucionárias que marcaram época como a criação da Internacional Socialista (unidade nacional dos trabalhadores), teorias de Karl Marx, Engels e também o anarquismo através de um personagem que assume discursos laudatórios face às desgraças que ocorrem nas minas em que trabalha.


A burguesia, também retratada, segue seu cotidiano regado a grandes refeições, encontros sociais e luxuosas residências, contrastando o ‘inferno’ diário do proletariado por eles explorado.

Enfim, utilizando-se de um discurso extremamente realista, o livro e o filme acenam para a exploração e crueldade impostas por uma revolução falida, base do surgimento de movimentos grevistas e sindicalistas.