Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Resumo do Filme - O Nome da Rosa

Trabalho por Jeferson Scherer, estudante de Administração @ , Em 14/06/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Nome da Rosa


O longa O Nome da Rosa ( The name of the Rose, 1986), dirigido por Jean-Jacques Annaud, baseado no livro de Umberto Eco, e que tem como atores principais Sean Connery protagonizando o Frei Guilherme de Baskerville e o jovem Christian Slater como o aprendiz Adson de Melk, tem duração de 130 minutos. O filme se trata de um suspense e romance durante os anos de 1316 e 1334, quando João Paulo XXII era o Papa.

A ida do Frei de Baskerville e seu aprendiz, Adson de Melk, que acompanha seus ensinamentos, vão a um mosteiro afastado para investigar uma suposta morte que deveria ser advinda pelo demônio. Mas logo ao chegar, foi identificado que ele pulou do alto de uma das torres do mosteiro, mas logo surgiram mais mortes à serem investigadas e o clima de tensão bateu ao restante dos religiosos. Frei de Baskerville e Adson iniciam a investigação complicada. Antes de acabarem elas, Bernardo Gui, um Grão-Inquisidor, chega ao mosteiro preste a torturar e matar qualquer suspeito de tenha cometido assassinatos em nome do diabo. E como Bernardo não gosta do Frei de Baskerville, ele se opõe a o Frei e o consagra de ser um das pessoas influenciadas diabolicamente pelos crimes.

Mas o filme roda todo encima de uma série de crimes que se fazem julgar por uma biblioteca que guardava centenas de livros e tapava uma obra de Aristóteles que expressava o gozo de rir, comédia. Um Frei antigo do mosteiro tapava esta obra, pois ela poderia advir os Evangelhos. Para punir os que liam, o Frei colocou veneno mortal nas folhas do livro, fazendo com que as pessoas que a liam e colocavam os seus dedos na boca para conseguir folhar melhor, não conseguiriam passa-la a diante.

Mas não consta nada nos Evangelhos se Jesus Cristo riu alguma vez ou se era proibido, já que seguem no mosteiro a sua vida como Filhos de Deus e não podem fugir da linha.

Da para analisarmos também, a "violência" em que a Inquisição tomava suas medidas, já que deparando a um "demônio" de estava no mosteiro. Mas pouca bola deu as conceitos e teorias advindas do Frei de Baskerville com grandes conhecimentos de suas leituras de filósofos, mostrando assim, o início da filosofia medieval e a política banal da Igreja.

Se compararmos as medidas tomadas por partes iguais hoje, nada irão fazer, antes de investigar, analisar e tratar pessoas, já que morte dentro das leis do nosso cotidiano são bem limitadas.

Mas se nós nos perguntarmos, porque "o nome da rosa"? Era uma expressão para denotar o infinito poder das palavras, por exemplo, quantos livros cada pessoa lê hoje por vontade própria? Se ler um por ano, em média por pessoa, é demais. Cada palavra tem um sentido oculto dela deparada em cada frase.