Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Indicadores Matemáticos

Trabalho por Fabiana Ribeiro Tonon, estudante de Estatística @ , Em 10/12/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

Indicadores Matemáticos


Introdução

Este trabalho tem como objetivo, apresentar uma descrição sobre os métodos do Payback, Valor Presente Liquido e Taxa Interna de Retorno. Destacando que estes três conceitos são absolutamente interligados.


Análise do Payback

Segundo CONTADOR (1988), O payback é o indicador mais simples e conhecido. Mostra o número de períodos necessários para recuperar os recursos despendidos na implantação do projeto.

O desenvolvimento de novos produtos é um caso típico de projeto onde há um dispêndio inicial de capital, dividido nas várias fases do desenvolvimento do projeto e, depois, o retorno de capital com os volumes de faturamento do produto. Os projetos são ordenados segundo o número de períodos necessários para recuperar os investimentos. Quanto menor o payback , tanto melhor o projeto.


Análise do Valor Presente Líquido (VPL)

Este indicador, no conceito de ROSS (1995), ilustra como se avalia um projeto, haja visto que este deve gerar uma taxa de retorno superior à que poderia ser obtida nos mercados de capitais. Somente se isto ocorrer é que o VPL de um projeto será positivo.


Análise da Taxa Interna de Retorno (TIR)

Por definição estudada no trabalho de CONTADOR (1988), Taxa interna de Retorno é aquela taxa de juros que iguala a zero o valor presente líquido de um projeto. Logo, é a taxa de desconto que iguala o valor presente dos benefícios de um projeto ao valor presente dos seus custos.

Ou ainda, na visão de GITMAN (1995), que admite a TIR como a provável técnica mais utilizada para se avaliar investimentos, é definida como a taxa de desconto que leva o valor atual das entradas de caixa a se igualarem ao investimento inicial de um projeto.

O critério adotado diz que um projeto é viável e deve ser considerado como alternativa para execução se a sua taxa interna de retorno é igual ou maior que o custo de oportunidade dos recursos para a sua implantação.


As Deficiências dos Indicadores Matemáticos

Os indicadores matemáticos de avaliação de retorno em investimentos apresentam muitas deficiências que, invariavelmente, distorcem os resultados das avaliações. Passemos à sua análise:

Payback

Como explica CONTADOR (1988), o indicador do período de payback apresenta imperfeições sérias:

Em primeiro lugar não considera o valor ou custo de recursos no tempo. O indicador não atualiza os fluxos futuros.

A Segunda desvantagem é que o critério não esclarece qual o valor mínimo do payback exigido para a aceitação dos projetos. Sabe-se apenas que quanto menor o payback, maior a atratividade do projeto.


Taxa Interna de Retorno

A grande vantagem da TIR como indicador de decisão é que prescinde de informações externas ao projeto. Tudo que o analista precisa é conhecer o perfil do projeto e alguma idéia da magnitude da taxa de juros ou do custo de oportunidade do capital. Entretanto, contra a vantagem citada, ainda na visão de CONTADOR (1988), alinham-se uma série de desvantagens, que mostram a fragilidade da TIR como indicador de decisão de projetos.

A primeira das restrições impostas ao emprego da TIR como critério é que pressupõe constante a taxa de desconto ao longo do tempo, uma condição difícil de acontecer na vida real. Quando a taxa de desconto varia no tempo, a TIR pode levar a decisões erradas.

A Segunda desvantagem da TIR como critério de decisão refere-se à possibilidade de produzir resultados matemáticos ilusórios, levando analistas a decisões incorretas.

O emprego da TIR como critério para avaliação de projetos é bastante crítico e deve ser adotado com bastante cautela.


Valor Presente Líquido e a relação Benefício / Custo

E, por fim, podemos assumir que, naturalmente, um projeto com VPL positivo terá sempre uma relação B/C maior que um, mas o