Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Higiene Bucal

Trabalho por Clevton Zanella Taietti, estudante de Odontologia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Higiene Bucal


1-INTRODUÇÃO

A higiene oral é uma pratica já usada antes da Era Cristã. Durante anos era caracterizada por buscar esforços para um sorriso mais perfeito possível. Motivos não faltam para que um indivíduo com um sorriso agradável torne-se alvo de elogios.

No entanto, só estética não interessava aos estudiosos, a saúde oral surgiu como objetivo principal para as praticas profiláticas contra doenças bucais. A remoção de manchas e restos de alimentos que se aderem aos dentes é essencial, por outro lado, o tratamento periodontal moderno e a cariologia estão voltados para o controle da placa e da gengiva, que ficaram disponíveis a implantação de melhores métodos e ensino. Ao mesmo tempo, o uso dos dispositivos de higiene bucal nas populações ocidentais foi estimulado através de poderosas propagandas comerciais baseada no conhecimento intimo da psicologia humana.

Neste trabalho é importante dar ênfase à busca de conhecimento sobre a doença cárie e suas progressões. A cárie é observada como um desmineralização do esmalte e é resultado de atividades metabólicas nas comunidades microbianas estabelecidas na superfície do dente. Para que aconteça essa desmineralização é importante que a placa esteja sobre condições favoráveis, como os restos alimentares, temperatura e etc. As medidas profiláticas mais empregadas para a prática de higiene contra as doenças bucais são a escovação " supervisionada" ou melhor, freqüência na escovação "habitual", o uso de fio dental, a limpeza profissional e seus procedimentos, uma dieta balanceada no intuito de evitar carboidratos em excesso, prejudicial à saúde bucal e principal estimulante para a doença cárie o uso de fluoretos.

Enfim, essa crença comum sobre pratica de higiene bucal com emprego de dispositivos, ainda não se chegou aos resultados de total controle contra doenças como a carie e doenças periodontais, todavia o tratamento é mais um passo para evitar o avanço das mesmas e uma forma de atingir o sucesso pessoal e profissional, especialmente nos contatos pessoais.

 

2- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Há muitos anos a higiene bucal já era praticada como parte de atos religiosos e outras modas de tradição e cultura. Durante os vários séculos que se passaram, ela começou a ser observada como recurso que beneficiava a estética dentária e um sorriso agradável.

Nas últimas décadas, o processo de higiene passou de preocupações quanto à beleza de um sorriso, para o cuidado quanto à saúde do mesmo. O tratamento periodontal moderno entrou em vigor com os avanços para o controle de doenças bucais e suas avaliações. Cariologistas ficaram disponíveis para pesquisa no avanço de melhores métodos de controle de placa, já que a mesma é um dos fatores responsáveis para o aparecimento de lesões cariosas.

Ao mesmo tempo em que a ciência avançava com seus métodos profiláticos, o uso dos dispositivos de higiene bucal nas populações ocidentais foi estimulado através de poderosas propagandas comerciais que visavam o "intimo" do combate a cárie.

Estudos formulados no período da segunda guerra mundial e pós-guerra na área epidemiológica indicaram que a doença cárie é primeiramente o resultado do alto consumo de carboidratos fermentáveis, ou seja, açucares que através da alta ingestão desse composto nos produtos, resultava em atividade cariosa . Os resíduos contendo carboidratos na superfície do dente servem de alimentos as bactérias do trato oral e induzem modificações qualitativas na placa bacteriana e a maneira mais eficaz de eliminar esse perigo é através da remoção dessa placa e de educação dietética do paciente. A escovação dentária foi por muito tempo um dos componentes básicos dos programas e projetos da prevenção da doença cárie. Visto que hoje a remoção de placa é a meta da escovação e deve-se esperar a redução das lesões de cárie, embora, estudos têm investigado esta relação e mostrado que, os achados ainda são inconclusivos.

Pesquisas no campo da prevenção contra a doença cárie