Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

É Possível Ler na Escola?

Trabalho por Silas Paes Pinto, estudante de Nutrição @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

É Possível Ler na Escola

Boa Vista/RR

Agosto / 2002

 

INTRODUÇÃO

Este projeto tem por finalidade mostrar aos educandos como é fundamentais e importantes a leitura e sua compreensão, através de métodos não muito ordenativos, porém, incentiva-los à prática, pois assim poderão compreender melhor o mundo em que vivem.

Sendo a palavra escrita o instrumento mais eficientemente para a expressão e fixação da cultura e dos conhecimentos científicos e técnicos da sociedade, a leitura constitui a mais importante atividade de aquisição de saberes.

LER é adentrar-se em outros mundos possíveis. É questionar a realidade para compreende-la melhor, é distanciar-se do texto e assumir uma postura crítica frente ao que de fato se diz e ao que se quer dizer, é assumir a cidadania no mundo da cultura escrita... .

É POSSÍVEL LER NA ESCOLA?

Essa pergunta pode parecer estranha: por que colocar em dúvida a viabilidade da leitura em uma instituição cuja missão fundamental sempre foi precisamente a de ensinar a ler e escrever?

Por que, na escola, se supõe (e se avalia, em conseqüência) que existe uma única interpretação correta para cada texto, quando a experiência de todo leitor mostra tantas discussões originadas nas diversas interpretações possíveis de um artigo ou de um romance?

O referido projeto basear-se-á na observação já realizada no Ensino Médio, aonde se propõe um trabalho profícuo e, na elaboração de métodos e atividades que incentivem os alunos a amarem e saberem ler, na escola e no universo de mundo em que elas se inserem.

A tarefa de incentivo à leitura deve apresentar-se com o atrativo das atividades lúdicas e insistir na vertente criativa. O estímulo deve ocorre sob o signo da criatividade, para responder às exigências de aperfeiçoamento pessoal e assim suprimir a influência uniformizadora do ensino tradicional. O objetivo primordial é acima de tudo, levar o leitor potencial a descobrir o valor lúdico do livro, que essa descoberta o ajude na leitura ativa e o leve identificar a diversidade de materiais que se encontram ao seu alcance.

JUSTIFICATIVA

Por exigência do cumprimento da disciplina LT 101 – Prática de Ensino da Língua Portuguesa I, há necessidade de cumprir a carga horária de 10 (dez) horas de estágio em sala de aula, como observador, realizado na Escola Estadual Osvaldo Cruz, em específico, Ensino Médio/1ª série.

OBJETIVO GERAL

Desenvolver e cumprir o projeto ora elaborado na área de leitura, trabalhar os conteúdos exigidos pelo mesmo, levando em consideração o Projeto político Pedagógico da escola, bem como contribuir para a melhoria de aprendizagem da Língua Portuguesa.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

a) Terá como objetivo inicial analisar o projeto político pedagógico da Escola;

b) Analisar o conteúdo que está sendo desenvolvido, na ocasião, pelo professor (a) da disciplina;

c) Analisar a metodologia utilizada pelo professor (a) em suas aulas;

d) Proporcionar ao aluno condições para que desenvolva sua capacidade de ler e interpretar qualquer tipo de texto;

e) Direcionar o aluno a desenvolver o domínio da linguagem oral e escrita e o enriquecimento do vocabulário;

f) Desenvolver a criatividade do aluno através de produção textual.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO-METODOLÓGICO

A leitura aparece desvinculada dos propósitos que lhe dão sentido no uso social, porque a construção do sentido não é considerada uma condição necessária para aprendizagem. A teoria oficial na escola parece considerar – diria Piaget – que o funcionamento cognitivo das crianças é totalmente diferente do funcionamento cognitivo dos adultos: enquanto que estes aprendem somente o que lhes ensinam