Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Tratamento Fonoaudiológico da Disfonia Infantil

Trabalho por Ronilson Peixoto de Oliveira, estudante de Fonoaudiologia @ , Em 06/06/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

Tratamento Fonoaudiológico nas Disfonias Infantis


RESUMO

O objetivo deste trabalho é verificar as considerações sobre a necessidade do tratamento fonoaudiológico nas disfonias infantis, demonstrando as diversas abordagens terapêuticas e as orientações vocais para os pais, professores e outros indivíduos que estão ao em contato direto com a criança. As disfonias infantis provocam alterações na voz, como conseqüência mais freqüente temos os nódulos vocais. Foi necessário realizar uma revisão bibliográfica da anatomo-fisiologia fonatória, a fim de tornar mais fácil a compreensão do processo da fonação normal e patológico, reconhecer as lesões específicas na produção vocal da criança, realizar uma boa avaliação do paciente, analisar seus dados e definir planejamento terapêutico.

PALAVRAS CHAVE: Disfonia Infantil, Nódulos, Tratamento.

ABSTRACT

The objective of this work is to verify the considerações on the necessity of the fonoaudiológico treatment in the infantile disfonias, demonstrating to the diverse therapeutical boardings and the vocal orientações for the parents, professors and other individuals that are to the one in direct contact with the child. The infantile disfonias provoke alterations in the voice, as more frequent consequence we have the vocal nodules. It was necessary to carry through a bibliographical revision of the fonatória anatomo-physiology, in order to become more easy the understanding of the process of the normal and pathological fonação, to recognize the specific injuries in the vocal production of the child, to carry through a good evaluation of the patient, to analyze its data and to define therapeutical planning.

KEYWORDS: Infantile Disfonia, Nodules, Treatment.


CAPÍTULO I

1. INTRODUÇÃO

A voz apresenta características próprias, ou seja, cada indivíduo tem um tipo de voz particular que o distingui e se utiliza da mesma para expressar emoções, pensamentos e sentimentos, para satisfazer suas necessidades, além de ser fundamental para comunicação com os outros.

Segundo Andrews (1998, p. 14), crianças que tem déficits sensoriais – por exemplo, dificuldade de audição – quase sempre usam uma variação limitada em suas vozes porque seu monitoramento auditivo contribui para o aprendizado imperfeito. Mesmo crianças com mecanismos normais às vezes precisam ser ensinadas da forma de variarem suas vozes de modo mais apropriado.

Através dos estudos bibliográficos, norteando diferentes teorias no que diz respeito a disfonia infantil e suas caracterizações, unindo-se aos materiais dados no decorrer do curso, tendo como objetivo investigar a prevenção, as diferentes abordagens terapêuticas e as possíveis orientações vocais para os pais, professores e outros indivíduos que estão em contato direto com crianças, para "diagnosticar" ou até mesmo observá-las com o distúrbio de voz, fazendo com que os mesmos procurem os especialistas responsáveis para avaliar e tratar a disfonia infantil.

Este estudo busca esclarecer um assunto de relevância para o fonoaudiólogo, uma vez que cresce a cada dia o número de crianças com problemas de disfonia nos consultórios, pois para os terapeutas atender crianças disfônicas representa um grande desafio, ou seja, quanto menor a criança, maior o desafio.

De acordo com Behlau & Pontes (1995, p.17), as disfonias tem sido objeto de diferentes propostas de classificação da mesma. A classificação mais utilizada é a que divide as disfonias em orgânicas e funcionais.

Segundo Andrews (1998), à medida que as crianças crescem e são expostos a uma variedade maior de grupos e modelo, grande parte aprende a ajustar seu estilo vocal espontaneamente de acordo com o contexto da comunicação. Quando o problema de voz está relacionado a desvios anatômicos ou fisiológicos do trato vocal, normalmente a criança tenta compensar e em alguns casos, isso resulta numa descarga de desvio adicional ou mesmo de comportamentos vocais prejudiciais, tornando o problema mais complexo e mais difícil de