Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Obtenção de Iodo

Trabalho por Anônima, estudante de Farmácia @ , Em 14/06/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

RELATÓRIO DE INORGÂNICA

Governador Valadares

Maio de 2003


1.0- INTRODUÇÃO

O Iodo ocorre naturalmente como íon iodeto nos oceanos, especialmente em certos organismos marinhos, como plantas, que o concentram. É também encontrado como íon iodato.

O iodo é um sólido cinza-escuro, com um brilho semimetálico. Apresenta uma alta pressão de sublimação à temperatura ambiente; o odor de seu vapor pode ser facilmente percebido. O I2 tem um Ponto de Fusão normal de 114ºC e o Ponto de Ebulição normal de 183ºC. Seu vapor é de coloração violeta-escuro, cor que é reforçada nas suas soluções em solventes não polares como CCl4 e CS2.

Em solventes polares, como a água e o etanal, açor das soluções é castanha, acreditando que isso ocorra devido à formação de complexos de transferências de carga, nos quais alguma carga eletrônica é transferida das moléculas de solvente para a molécula do Iodo.

As soluções de Iodo em Etanal foram largamente empregados como desinfetante e anti-séptico; I2 oxida e destrói muitos microorganismos.

O Iodo em 1955 foi chamado povidona; nesse complexo a atividade de I2 é reduzida, de maneira que ele se torna menos destrutivo, mas ainda atua como anti-séptico.

O Iodo apresenta uma solubilidade limitada em água, mas é muito mais solúvel em soluções contendo o íon iodeto. Este fato é atribuído à formação do íon castranho de tri-iodeto I3` .

I2 (s) + I` (aq)  -> I3` (aq)


2.0- OBJETIVOS

É a obtenção de Iodo metálico utilizando o sistema de balões. Ocorre a obtenção, dosagem e solubilidade do Iodo.


3.0- REAGENTES

  • Dióxido de manganês (MnO2);
  • Iodeto de Potássio (KI);
  • Ácido Sulfúrico concentrado ;
  • Iodo metálico;
  • Tetracloreto de carbono (CCl4).


4.0- MATERIAIS

  • Balão de destilação de 250ml;
  • Balão de 250ml de fundo redondo;
  • Balão volumétrico de 250ml;
  • Béquer de 50ml;
  • Funil de decantação de 250ml;
  • Suportes universais com garras;
  • Proveta de 10ml;
  • Funil de calo longo;
  • Anel;
  • Rolha de borracha;
  • Tubos de Borracha;
  • Kit aquecimento;
  • Quatro tubos de ensaio;
  • Gral e pistilo.


5.0- PROCEDIMENTOS

5.1.- Obtenção do Iodo

  • Montar o sistema de obtenção
  • Misturar e triturar, em um grau, 0,5g de KI e 0,35g de MnO2.
  • Colocar a mistura no balão A.
  • Em um béquer de 50 ml preparar 5 ml de solução de H2SO4 1:1 – medir o volume de 2,5 ml de água em uma proveta e colocar no béquer, medir 2,5 ml de ácido concentrado na proveta e adicionar lentamente e sob resfriamento o ácido sobre a água (nunca inverter esta ordem).
  • Adicionar a solução de ácido sulfúrico ao balão "A".
  • Arrolhar o balão "A".
  • Aquecer suavemente. Decorrido algum tempo pode-se aumentar o aquecimento.
  • Observar a sublimação do iodo, a cor de seus vapores e açor do iodo sólido.
  • Ao terminar de desprender vapores violáceos, retirar o aquecimento. E aguardar o resfriamento completo.

5.2.- Solubilidade do Iodo

  • Adicionar 50 ml de água ao balão "B";
  • Observar e anotar os resultados;
  • Adicionar ao balão "B" 0,5g de KI;
  • Agitar, observar e anotar os resultados;
  • Colocar a solução do balão "B" em um balão volumétrico de 250ml;
  • Lavar o balão "B" e transferir a água de lavagem para o balão volumétrico;
  • Completar o volume do balão com água destilada. Homogeneizar;
  • Transferir, aproximadamente, 10 ml da solução de iodo para um funil de separação;
  • Adicionar, neste funil, a mesma quantidade de Tetracloreto de Carbono e observe;
  • Tampe o funil e agite intensamente;