Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Assistência Paciente Agonizante e ao Morto

Trabalho por Alexsandra Luzia Rangel Cavalcanti, estudante de Enfermagem @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Assistência ao Paciente Agonizante e ao Morto


A expectativa de vida continua a aumentar a cada ano, ainda que morte seja uma certeza. O que desconhecemos é quando, onde e como ela irá ocorrer. As enfermeiras e outros profissionais de saúde envolvem-se provavelmente mais do que qualquer outro grupo com pessoas que vivem uma experiência de morte iminente.

Doença Terminal:

Uma doença terminal é aquela cuja recuperação está aquém de uma expectativa razoável. Ao saber que a morte é algo inevitável e iminente, os pacientes tendem a vivenciar vários estágios à medida que processam essa informação.

 

ESTÁGIOS DA MORTE

Negação:

A negação é um mecanismo psicológico de defesa pelo qual uma pessoa recusar-se a acreditar que determinada informação s4eja verdadeira. Os pacientes terminais podem, inicialmente, rejeitar que seu diagnóstico seja exato; eles podem especular que os resultados de seus testes estejam errados, ou que os relatórios foram confundidos com os de outro paciente.

Raiva:

A raiva é uma reação emocional à sensação de ser vitimizado. Uma vez que o destino não pode ser retaliado, os pacientes costumam deslocar sua raiva contra outros, como as enfermeiras, o médico, a família e até mesmo Deus. A raiva pode ser expressa em maneiras não tão obvias, como queixas contra os cuidados ou reação exagerada ao mínimo problema.

Barganha:

A barbanha é um mecanismo psicológico que busca retardar o inevitável. Envolve um processo de negociação comumente com Deus ou com algum poder maior. O normal é o paciente que está morrendo desejar aceitar a morte, embora deseje ampliar temporariamente sua vida até a ocorrência de um evento futuro. Esse evento, em geral, tem um significado pessoal ao paciente que está à morte, como o casamento de um dos filhos.

Depressão:

A depressão é um estado de animo triste, indicativo do ato o paciente de dar-se conta de que sua morte virá mais cedo do que o antecipado. O estado de animo é uma conseqüência de encarar perdas potenciais.

Aceitação:

A aceitação é uma atitude de complacência a que chega a maioria dos pacientes após ter lidado com suas perdas e concluído seus negócios inacabados. Literalmente, refere-se à finalização de assuntos legais e financeiros de modo a oferecer a melhor segurança aos que sobrevivem. No entanto, também pode significar assuntos sociais e espirituais, como "fazer as pazes com Deus" e dizer "adeus" aos seres amados. São importantes para um paciente terminal, bem como para sua família, o agradecimento e o arrependimento. Quando todas essas extremidades estão unidas, os pacientes terminais sentem-se preparados para morrer. Alguns até mesmo antecipam com alegria a morte, encarando-a como uma ponte para uma outra dimensão ainda melhor.


PROMOVENDO A ACEITAÇÃO

As enfermeiras são capazes de facilitar a passagem de um estagio a outro, permanecendo disponíveis para o apoio emocional e apoiando as escolhas pessoais do paciente no que diz respeito aos cuidados terminais.

Apoio Emocional:

Os pacientes que estão para morrer provavelmente necessitam de apoio emocional mais do que em qualquer momento de suas vidas. Por vezes, todos os pacientes à morte desejam uma oportunidade para manifestar seus sentimentos e elaborar verbalmente suas emoções. As enfermeiras podem ser as pessoas de que precisam devido à sua ausência de juízo e de crítica. Além de estarem disponíveis para interações verbais, as enfermeiras oferecem apoio emocional aos pacientes que estão morrendo, reconhecendo-os como únicos e valiosos. Quando pacientes à beira da morte são cuidados com uma atitude respeitosa, independentemente de seu estado emocio9nal, físico ou cognitivo, fala-se em morte com dignidade. O respeito aos