Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Musculação na Adolescência

Trabalho por Aline Ferreira de Souza, estudante de Educação Física @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

MUSCULAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA


Introdução:

Na adolescência, pode-se aprimorar significativamente as habilidades técnicas e físicas do atleta, com treinamentos mais intensos, ainda respeitando as variações individuais, pois níveis diferentes de amadurecimento esquelético ocorrem. Sabe-se também que o sexo feminino apresenta um desenvolvimento mais precoce.

A grande dúvida que existe entre as pessoas é se a musculação não poderia causar deformidades esqueléticas ou levar a uma menor altura. Esta questão se origina de uma certa confusão quando se compara a musculação com o fisiculturismo (halterofilismo). Neste, os exercícios são conduzidos visando a hipertrofia muscular, realizando-os com muita carga e poucas repetições. Desta maneira, podem advir alterações músculo-esqueléticas. No entanto, a musculação, que também trabalha com pesos, pode ser conduzida com menos peso e maior número de repetições, tornando-a mais segura. Antigamente, nas academias os professores muitas vezes não tinham o conhecimento científico da Fisiologia do Esforço, eram simplesmente atletas mais fortes que, por esse simples fato, transformavam-se em professores de musculação. Hoje, vemos professores que nem musculosos são, orientando exercícios com pesos, preparados nas bases científicas do treinamento.

Deve-se ter um cuidado especial com os adolescentes porque eles podem se entusiasmar com os resultados do treinamento e buscar uma hipertrofia maior, ultrapassando os limites da idade por conta própria. Outro cuidado precisa ser dirigido à utilização de substâncias impróprias para ganho de massa muscular, por exemplo os anabolizantes.

Há nos dias de hoje um culto ao corpo chamado "sarado"; este termo está sendo mal empregado, pois sarar significa curar, recuperar de algo, e os treinos a que muitos se submetem para tê-lo necessitam de sobrecargas extremas e treinos intensos, podendo no final precisar sarar de lesões músculo-esqueléticas.

 

Musculação para os Adolescentes:

Este tema tem sido tratado de maneira inadequada em nossa imprensa, com matérias exagerando os riscos do treinamento com pesos para adolescentes. Desta maneira, muitos jovens podem estar sendo afastados de uma atividade física que como qualquer outra é promotora de saúde e aptidão.

Inicialmente deve ser esclarecido que os riscos do treinamento com pesos para crianças e adolescentes já estão bem estabelecidos em literatura científica e são menores do que em muitas outras atividades físicas consideradas seguras. Atualmente não se admite mais que afirmações e condutas sejam baseadas em hipóteses teóricas, sem a preocupação de buscar fundamentação em resultados de trabalhos científicos, ou pelo menos nas impressões pessoais de quem tem experiência na área. Esses resultados ou impressões são as chamadas "evidências" ou seja, respostas da natureza que podem indicar com mais segurança onde está a verdade. Não existem evidências de que a musculação para adolescentes seja muito perigosa. Como em toda atividade física alguns riscos existem, mas são poucos e facilmente evitáveis.

Uma das afirmações mais comuns encontradas em publicações não especializadas é a de que o desejo dos adolescentes aumentarem a massa muscular é anormal ou patológico. Não conhecemos estudos de psicologia que justifiquem essa afirmação. A impressão de muitos profissionais envolvidos com jovens praticantes de musculação é que não existe nada de anormal com esses adolescentes. Nossa opinião pessoal é de que a auto-afirmação entre adolescentes é uma necessidade mais do que um desejo. Nesse sentido, a única preocupação que os adultos devem ter com esses jovens é no sentido de evitar que essa necessidade seja canalizada exclusivamente para uma área, seja esportiva ou intelectual, em detrimento de uma formação global do indivíduo.

O prejuízo ao crescimento estatural dos adolescentes praticantes de musculação é freqüentemente apresentado como um risco do que chamam de "excesso de musculação". Não há como definir o que seja "excesso de musculação". O desempenho atlético em geral parece ser diretamente proporcional à massa muscular, e para os padrões estéticos de muitos, quanto mais músculos, melhor. Na realidade, excesso de treinamento é o que deve ser evitado. Atividade física excessiva de qualquer tipo