Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Importância da Educação Física

Trabalho por Patrícia Alencar, estudante de Educação Física @ , Em 23/09/2005

5

Tamanho da fonte: a- A+

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA


1 INTRODUÇÃO

As grandes competições esportivas da atualidade constituem indiscutivelmente um fenômeno mundial, e enquanto tal são mais um produto da globalização. Não apenas os tradicionais Jogos Olímpicos e as Copas do Mundo de futebol, mas um conjunto cada vez maior de competições esportivas (mesmo algumas de âmbito jurídico estritamente nacional, como os campeonatos da liga norte-americana de basquetebol, a NBA), atingem atualmente um vastíssimo público telespectador. Em praticamente todas as nações do planeta, centenas de milhões de indivíduos compartilham as imagens e signos desta poderosa e crescente indústria do entretenimento. Segundo Augustin (1995:3), verifica-se a conformação de uma verdadeira malha mundial, dotada de milhares de equipamentos esportivos, que atravessa países, expande-se pelas cidades e pelo campo, e que atua intensamente na cultura e nas representações dos lugares.

Os esportes são, portanto, um componente fundamental da modernidade, e entendemos que é em seu contexto histórico que pode ser melhor compreendido, isto é, como um produto da sociedade industrial capitalista. Nobert Elias (1992:40), um dos maiores estudiosos da expansão do fenômeno esportivo na era moderna, lançou uma indagação fundamental: que espécie de sociedade é esta onde cada vez mais pessoas utilizam parte de seu tempo na assistência ou participação de confrontos regulados de habilidades corporais a que chamamos desporto? E buscou a resposta na macro-estrutura social, no amplo conjunto de transformações morais e comportamentais que denominou "processo civilizacional". Pretendemos assim conceituar e contextualizar os esportes modernos a partir de reflexões que evidenciam seus nexos com a ordem burguesa ascendente: o processo de transição, nos séculos XVIII e XIX, dos jogos tradicionais para estas formas de competição atlética que denominamos esporte. Um breve reprisar da trajetória do corpo e de suas representações no ocidente se faz necessário neste momento.

Mas a educação física está assumindo um novo papel na vida moderna do ser humano, hoje ele se preocupa muito mais com real significado de saúde inserido na realidade da educação física


2 O PAPEL DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA VIDA MODERNA

Segundo o clássico estudo de Johan Huizinga (1996), o elemento lúdico é uma dimensão própria da existência humana, que nos acompanha desde tempos imemoriais, muito antes portanto do advento da chamada civilização. A apropriação deste espírito lúdico e de várias de suas manifestações culturais, por estruturas organizadas com base na competição e na busca da melhor performance, é um processo que se instala mais efetivamente na Europa do final do século XVIII. Neste contexto, é impulsionado pela consolidação de um ideário de valorização da atividade muscular, com vistas ao aprimoramento físico-mental-espiritual do novo Homem, concebido pelos ideais iluministas.

É neste sentido que na segunda metade do século XVIII, torna-se habitual nos colégios ingleses a prática de jogos viris -que freqüentemente exigem maior empenho muscular que propriamente habilidades mais nobres como destreza e equilíbrio-, extraídos e reelaborados pelos jovens a partir de jogos da tradição popular, como o folk football. A elite agora iniciava-se em práticas esportivas diferentes daquelas consideradas próprias da nobreza: a esgrima, a equitação, a caça, o arco, o salto, etc (Dunning & Sheard, 1979:1-3). Tal mudança comportamental se insere no movimento crescente de resgate de valores clássicos que encontram a melhor tradução em mens sana in corpore sano, e constitui a base para a criação dos "esportes modernos".

Este movimento tem raízes remotas. Richard Sennett (1997) assinala a profunda transição do uso do corpo, transcorrida entre o Império Romano e o medievo: da orgia pública pagã às renúncias corporais do espaço cristão. Foi justamente o imperador romano Teodósio no ano de 349, portanto já em plena vigência da hegemonia cristã, que proibiu a continuidade dos Jogos Olímpicos, que então existiam há mais de mil anos. O corpo deveria resignar-se aos