Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Importância ds Ludicidade no Contexto Escolar

Trabalho por Fabio José Antonio da Silva, estudante de Educação Física @ , Em 19/09/2004

5

Tamanho da fonte: a- A+

A Importância ds Ludicidade no Contexto Escolar


Introdução

Para explorar o brinquedo e suas diversas possibilidades, consideramos de imediato nossas vivências no mundo da brincadeira, ou seja, nossa relação intima quando crianças com o brinquedo, para então explorar e fundamentar nossas idéias com uma gama de fontes sobre o assunto.

Desse modo, o presente trabalho apresenta o brinquedo como um instrumento para o desenvolvimento infantil com funções ludo-educativas. Destacamos, não apenas a importância do brinquedo, mas a função, a implicação no desenvolvimento infantil e sua contribuição com a práxis do professor de Educação Física no processo de ensino e aprendizagem na Educação Infantil.

 

1. O BRINQUEDO

O brinquedo, objeto manipulável, é o suporte da brincadeira (KISHIMOTO, 1997, Pág. 23) que tem uma relação íntima com a criança quando esta exerce uma ação, ou seja, quando mergulha no lúdico. Ao brincar, a criança esquece do seu cotidiano e descobre através das ações realizadas com seu brinquedo o poder de criatividade e o seu lado simbólico, muitas vezes esquecido ao penetrar no mundo escolar.

É no mundo da fantasia que as crianças vivem simulações repletas de simbolismos e abstrações, para tanto, se engana quem pensa que elas apenas estão se divertindo neste momento, o fato é que ela leva o lúdico muito a sério, abstraem o brinquedo, a situação, os comportamentos e os resultados da brincadeira, até mesmo as crianças com menos de três anos, que não usam o brinquedo sem separar a situação imaginaria do real, também levam o ato da brincadeira a sério.

O brinquedo corresponde na verdade uma das necessidades da vida social. É fácil perceber que onde estiver a criança o brinquedo também estará, mesmo porque é o primeiro objeto que a criança realmente possui. Assim, o brinquedo tal como é, oferece um objetivo a alcançar, ele foi construído para dar uma ou mais destinações.

Diferente de todo objeto existente, o brinquedo apresenta além de função, um valor simbólico. Neste sentido, argumenta Vygotsky:

a ação e o significado do brinquedo, a criança não vê no objeto apenas uma imagem, pois ela lhe atribui um significado. Na verdade a função do brinquedo se constitui no brincar e este não tem função definida, o que o define são as construções feitas pelas crianças através de manipulação do objeto associada ao meio em que vive. A criança brinca do modo que a convém livre de regras e princípios.(apud KISHIMOTO, 1997, pág. 18) (grifo nosso)

De acordo com Oliveira (1992, pág. 43) "o brinquedo fornecedor da brincadeira, ele é fonte de imagens a ser manipulada, traduzindo o universo real ou imaginário, alimentando a ação. Essas imagens fazem parte da cultura a ser assimilada pela criança, ela pode transformar, criar e recriar suas próprias significações por meio da manipulação".

O lúdico na sua categorização apresenta uma formulação ampla acolhendo o jogo regrado, a brincadeira que é na verdade um jogo sem regras e o brinquedo como suporte da brincadeira (KISHIMOTO, 1997, pág. 23). Assim o lúdico reforça o aspecto simbólico e criativo do brinquedo que por sua vez se diferencia em relação ao demais objetos culturalmente impostos sofrendo uma grande interferência da mídia, pois atribuem significações e cria elementos funcionais pré-estabelecidos descaracterizando a real proposta do brinquedo.

O brinquedo visto com potencial educativo, tem seu reconhecimento desde o Renascimento (Ex: quebra-cabeça), (BUJES, 2000, Pág. 54), permitindo a ação intencional, a manipulação de objetos, o desempenho da ação sensório-motora e troca na interação, em um contexto diferenciado, pois, a função do brinquedo no processo pedagógico hoje, é permitir o desenvolvimento da criança na apreensão do mundo e em seus conhecimentos, para tanto esse