Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Amálgama Dental

Trabalho por Tiago, estudante de Odontologia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

Amálgama Dental

 

Introdução

Um amálgama é um tipo especial de liga que contém mercúrio como um de seus constituintes. Como o mercúrio é líquido à temperatura ambiente, pode formar ligas com outros metais que estejam no estado sólido. Essas ligas podem ser classificadas como: ligas ricas em cobre, ligas pobre em cobre, ligas de fase dispersa ou ligas de composição única.

Existem vários fatores que afetam a qualidade das restaurações de amálgama como por exemplo: relação mercúrio:liga, condensação, escultura e acabamento, alterações dimensionais, deterioração marginal, etc.

Esse trabalho visa esclarecer e salientar vários desses pontos e aspectos.


Composição da liga

A especificação N°1 da ADA exige que as ligas de amálgama contenham, predominantemente, prata e estanho. Quantidades não especificadas de outros elementos, como cobre, zinco, ouro e mercúrio, são permitidas em concentrações menores do que o conteúdo de prata e estanho.

Durante a década de 70, muitas ligas de amálgama contendo entre 6 e 30% de cobre foram desenvolvidas. Muitas destas ligas ricas em cobre produzem amálgamas que são superiores em muitos aspectos aos amálgamas tradicionais pobres em cobre. Para produzir o amálgama dental, o mercúrio é misturado com o pó da liga de amálgama. O produto da mistura é uma massa plástica igual à que ocorre na fundição das ligas a temperaturas entre as do liquidus e do solidus. Instrumentos especiais são usados para forçar a massa plástica dentro da cavidade preparada pelo processo conhecido como condensação.

A transformação da mistura pó-mercúrio em uma massa plástica é seguida pela presa e endurecimento do amálgama, quando o mercúrio líquido é consumido na formação de novas fases sólidas.

Fases Metalúrgicas do Amálgama Dental: são designadas pelas letras gregas ? (gama).

A Influência das Fases Ag-Sn sobre as Propriedades do Amálgama: se a concentração de estanho ultrapassa 26,8%, forma-se uma mistura da fase ? com uma fase rica em estanho. A presença da fase rica em estanho aumenta a quantidade da fase estanho-mercúrio formada, quando a liga é amalgamada. A fase estanho-mercúrio não resiste à corrosão e é o componente mais fraco do amálgama dental. Amálgamas de ligas ricas em estanho demonstram menor expansão do que as ligas ricas em prata.


Fabricação do pó da liga

Pó Usinado: as aparas produzidas geralmente têm forma de agulha.

Recozimento para Homogeneização: o lingote fundido de uma liga de prata-estanho contendo grãos não-homogêneos com composição variável. Para restabelecer a relação de equilíbrio de fases, é executado um tratamento térmico homogeneizador.

Tratamentos da Partícula: o tratamento ácido das partículas da liga é há anos uma rotina de fabricação. A função exata deste tratamento não está totalmente compreendida, porém, está relacionada com a dissolução preferencial de componentes específicos da liga. Amálgamas produzidos a partir de pós lavados em ácidos tendem a ser mais reativos que aqueles feitos com pós não-lavados.

Atomização do Pó: o metal liquefeito é atomizado em gotículas esféricas. Estes pós atomizados são chamados de pós esféricos. Estes pós recebem um tratamento térmico que altera os grãos e torna lenta a reação dessas partículas com mercúrio. E são, também, geralmente tratados com ácido.

Tamanho das Partículas: o tamanho médio das partículas dos pós modernos varia entre 15 e 35 micrômetros. A influência mais significativa sobre as propriedades do amálgama se relaciona com a distribuição dos tamanhos das partículas em torno da média. As partículas podem ser classificadas de acordo com os tamanhos e, desta maneira, são misturadas para produzir um pó com uma distribuição de tamanho ótimo. A tendência atual da técnica do amálgama favorece o emprego de partículas