Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Fala Egocêntrica: A etapa intermediária

Trabalho por Karina Carrasqueira, estudante de Filosofia @ , Em 01/01/1970

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Emilio: Uma pedagogia rousseauniana

 

 

O Emilio, é uma obra completa, completa pois nela Rousseau expõe suas idéias sobre política, economia, religião, moral , ética. A educação do Emilio é o plano de fundo para o autor apresentar suas criticas a sociedade capitalista, principalmente a francesa.  Ela aborda temas que nos são muito recentes ainda, o que mostra a ousadia da obra.

            Contudo não podemos deixar de lado os erros que encontramos. Sem a intenção de cometer anacronismos, vemos um Rousseau que acredita que as mulheres devem se resignar aos afazeres domésticos e que escolhe seu Emilio na Europa pois acredita que escolhendo uma criança proveniente de um continente mais quente não obteria os resultados esperados. Alem de vermos na obra uma mistura de romance com manual que a tornam, principalmente por causa das idealizações a cerca das conversas e situações pré determinadas, um tanto fantasiosa.

            Não vamos entrar aqui nem nas partes superadas pela modernidade, nem nas lições de política, religião e ética, mas no que congrega tudo isso, a educação. A maneira de educar Emilio, nos mostra o modo como pensava esse autor, o que achava relevante para um homem e um cidadão. E mais, que já naquela época Rousseau frisava a importância da alegria, do interesse, da curiosidade e do amor na educação das crianças e na criação de cidadãos éticos e pessoas felizes. Ainda hoje vemos a discussão a respeito dessas questões e no Brasil temos professores como Paulo Freire e Rubem Alves que pregam esses conceitos que infelizmente não foram enraizados desde a época de Rousseau.

            Rousseau acompanha seu Emilio desde a primeira infância, seu único aluno tem sua total atenção dia e noite. Questões como a escola, a educação em massa não são abordadas. Pressupõe-se que as crianças, ou pelo menos as crianças ricas, são educadas em casa por seus tutores/preceptores ou amas. Devemos transpor suas idéias para o que entendemos hoje, o autor, apesar de criar Emilio sozinho, não deixa de falar da função dos pais. Contudo os pais devem pensar como ele. Tendo estas duas esferas, a escola e a família como principais educadores das crianças, podemos refletir sobre as idéias de Rousseau, e apesar dele não falar muito como essas duas instituições devem proceder – apenas na educação de Sofia ele fala da família – podemos transpor as idéias para nossas instituições atuais.

 

A Família

            A família tem papel fundamental na educação dos filhos, seja para o mal, seja para o bem. Devemos entender que a idéia de Rousseau de tirar o Emilio de sua família desde tão cedo se deve ao fato do autor pressupor que a família de Emilio era uma família burguesa como todas as outras de Paris, que comungavam das mesmas futilidades e dos mesmos preconceitos que as outras. Assim, como a família é capaz de passar para a criança esses mesmos preconceitos, do contrario uma família bem estruturada e que siga os preceitos que o autor expõe em seu livro pode criar uma criança livre do jugo da sociedade burguesa. Sendo Emilio seu “experimento” ele o tira da família o mais cedo possível, mas se a criança for amamentada por uma mãe carinhosa, o afastamento da família pode ser feito após o período de aleitamento.

            Vemos assim que Rousseau deixa Emilio e Sofia livres para cuidar de seus futuros filhos, sabendo que serão criados da maneira que julga conveniente, possibilitando assim que não comece e termine em Emilio sua pedagogia mas que possa se espalhar por toda a sociedade.

            O amor está presente sempre na educação, não é a toa que o autor fala constantemente que cria Emilio como um filho – não podemos aqui julgar as atitudes do autor em sua vida real. Emilio era rico e seus recursos possibilitavam que seu preceptor pudesse dar-lhe a educação sonhada por Rousseau; mas Rousseau era pobre e não tinha nem ao menos condições de dar a seus filhos uma educação comum, quanto mais viver no interior e dedicar-lhe 100%