Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O protagonismo da sociedade civil

Trabalho por MARICLEIDE RIBEIRO DOS SANTOS, estudante de Pedagogia @ , Em 09/08/2010

5

Tamanho da fonte: a- A+

GOHN, Maria da Glória. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. São Paulo: Cortez, 2005.

Resenha:

Objetivando abordar o protagonismo da sociedade civil no meio urbano, esse livro apresenta a ampliação desse protagonismo não somente entre vários setores da sociedade civil como a invasão da sociedade política, realizando parcerias com o Estado, desenvolvendo, assim, uma nova esfera pública. E para desvendar quem e o que é essa nova sociedade civil, a autora busca precisar algumas categorias básicas que permeiam o discurso e as práticas no campo das relações e conflitos sociopolíticos. Por isso, ela subdividiu essa obra em duas partes, importantíssimas, para garantir melhores resultados de compreensão e reflexão sobre a realidade histórica da sociedade civil brasileira.
Como no Brasil, segundo Gohn, o tema do urbano voltou para o centro dos debates, com problemas sociais sob a forma de desemprego, populações vivendo nas ruas ou ocupando imóveis, aumento de violência e reconstrução de cidades deterioradas, má qualidade dos serviços públicos, enfim, fica evidenciado como fruto e reflete a situação da questão social no Brasil. Cenário este, que foi construído por políticas públicas implementadas há décadas, por diferentes governos, que priorizam os superávits financeiros, o acúmulo de reservas para pagamento da divida externa, etc. a “resolver” os problemas sociais propriamente ditos. O que aponta o Estado como implementador de acordos, internacionais ou de grupos e não mais como formulador de políticas e projetos, pois a meta de permanecer no poder fala mais alto que o processo de transformação social. Assim, a primeira parte desse livro é dedicada à reflexão dos conceitos de termos utilizados na sociedade que ela chama de ordem teórica/conceptual, e a segunda é a análise do contexto social no Brasil que denomina de ordem histórica.
Na primeira, Gohn aponta conceitos fundamentais para o entendimento da conjuntura brasileira, presentes no debate intelectual da atualidade, em especial aqueles que norteiam as ações coletivas neste novo milênio, como cidadania, participação, identidade, reconhecimento e autonomia, cultura política, projetos sociopolíticos e culturais, cultura e direitos culturais, comunidade, capital social e território e sociedade civil. Ela dá sentido e significado a esses e a outros termos, como: exclusão/inclusão social, eqüidade social, que busca a igualdade respeitando às diferenças, espaço público e esfera pública, poder local, solidariedade, baseando-se em grandes nomes que marcaram épocas e muito contribuíram para a melhoria da concepção da vida em sociedade. Segundo a autora, ela poderia continuar citando outras contribuições preciosas no debate sobre a sociedade civil na atualidade, bem como o seu papel na História e seu lugar na teoria social, a exemplo de Hall (1995), Seligman (1993), Keane (1988) etc., mas afirma que: o importante a destacar é que esse debate surge num momento de crise do Estado e da sua capacidade de gerenciar as políticas públicas para a área social (p.69).
Apresenta a participação como um processo de vivência que imprime sentido e significado a um grupo ou movimento social, tornando-o protagonista de sua própria história através da tomada de consciência e do ato de decidir; a identidade e o reconhecimento como ponto de partida que dão sentido às ações, individuais ou coletivas. É a partir daí, que os indivíduos passam de atores sociais e transformam-se em sujeitos autores de ações históricas que vão além das ações contidas no desempenho individual ou coletivo e da autonomia como a capacidade de se tornar um sujeito histórico, que através da leitura e da escrita transforma o mundo. Coexistindo, assim, com as diferenças e as singularidades das pessoas e das regiões, sem humilhá-las ou vencê-las, num ambiente pautado na ética, na clareza, na visibilidade, na transparência das ações e, principalmente, no diálogo.
A segunda parte aborda o protagonismo da e apresenta um breve histórico dos movimentos sociais e ONGs na atualidade. De acordo com a autora, o conceito de sociedade civil no Brasil vem sofrendo reformulações na sua concepção e significados, que seguem