Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Darwin e Lamarck

Trabalho por 14354Deivit Luis Baron, estudante de Biologia @ , Em 22/04/2003

5

Tamanho da fonte: a- A+

A Evolução das Espécies

Lamarck - Darwin

Guabiruba / Julho de 2002


Introdução

Queremos com este trabalho mostrar de uma forma clara e objetiva, um pouco das descobertas destes dois grandes homens Lamarck e Darwin,., que deixaram vastos legados a biologia, dentre eles a teoria da evolução das espécies que será aprofundado no decorrer do texto.


LAMARCK ( 1744-1829 )

Biografia

Jean-Baptiste-Pierre-Antoine de Monet, Chevalier de Lamarch, nasceu em Bazentin-la-Pentit, Picardia, na França, no dia 1º de Agosto de 1744, era o caçula de11 irmãos de uma tradicional família nobre de militares, mas era uma família de poucos recursos. Começou a estudar em um seminário, mas logo após a morte de seu pai, aos 17 anos, Lamarck entrou para o exercito para lutar contra a Alemanha.

Com a paz declarada em 1763, Lamarck continuou a servir no exército de que um ferimento o forçou a deixa-lo. Em Paris dedicou-se à literatura, e nesse ambiente veio-lhe o anseio pelas ciências naturais, após tornar-se bancário e voltar-se ao estudo da medicina e botânica. Veio a ser amigo do botânico Augustin Pyrame de Candolle e em 1778, já era um expert em botânica com a publicação de seu primeiro livro "Flore Française" (Plantas da França) destinado a facilitar a identificação pratica das plantas de seu país. Bem recebida, essa obra lhe valeu a admiração e proteção do conde Georges de Buffon, que o indicou para a Academia das Ciências, possibilitou-lhe a realização de diversas viagens e conseguiu-lhe um lugar de Botânico no Jardim do Roi (depois do Jardin des Plantes), que ocupou até 1793. Nessa data embora botânico, foi nomeado para professor responsável de zoologia dos invertebrados no Museu Nacional de História Natural. Na verdade era um campo da Biologia considerado de Segunda categoria, muito poucas pessoas estudavam os invertebrados (inclusive o termo não existia na época, quem o formulou foi Lamarck).

Mas Lamarck trabalhou duro e desenvolveu este "novo" campo, que é manancial de conhecimento vastíssimo na zoologia.

Lamarck dedicou-se então a taxionomia e firmou alguns pontos importantes, como a retirada dos aracnídeos, crustáceos e anelídeos da classe dos insetos . De 1800 a 1806, nas aulas inaugurais dos cursos que publicou em 1809 em "Philosophie Zoologique" (Filosofia zoológica) e desenvolveu na "Histoire Naturelle des Animaux Sans Vertèbres" (História dos Animais Invertebrados), publicada entre 1815 e 1822. Ao contrario de Buffon, mostrou que um sistema o ideal de classificação deve-se basear na anatomia comparada e na filogenia do grupo tratado.

Lamarck teve vida marcada pela constante luta contra a pobreza. Luta infrutífera, pois morreu em 28 de Dezembro de 1829 em Paris , pobre. Foi enterrado em um cemitério alugado, de onde seu corpo foi retirado cinco anos depois, e enterrado em lugar desconhecido. Para piorar, ao redor de 1818 ele começou aprender que a visão, depende totalmente dos filhos no final de sua vida, pois estava completamente cego.

Metodologia

Além de ser o primeiro a tentar explicar o mecanismo evolutivo, Lamarck contribuiu para o pensamento evolucionista pois percebeu algo além da influência passiva do meio ambiente nos organismos. Sua metodologia foram enunciadas em 1800 e desenvolvidas em 1809 na obra "Philasophie Zoologique".

Lamarck admitiu uma ação mais direta sobre as plantas e animais inferiores. Sobre as demais, onde o sistema nervoso se apresenta complexo, considerou a vontade (sentiment intérieur ) e a inteligência como os principais fatores adaptativos, sobre os quais o meio agiria através das necessidades que determinaria e das reações suscitadas por tais sentimentos exposição prolongada do sol torna nossa pele mais morena ; fatores nutricionais podem interferir