Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Deficiencia Auditiva

Trabalho por Luciana Arrego Cuenca, estudante de Pedagogia @ , Em 27/08/2010

5

Tamanho da fonte: a- A+

FACULDADES ANGLO-AMERICANO FAA
LUCIANA ARREGO CUENCA
DEFICIÊNCIA AUDITIVA
FOZ DO IGUAÇU
2009

1. INTRODUÇÃO
2. DESENVOLVIMENTO
2.1 Deficiência auditiva
3. CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
ANEXOS

1. INTRODUÇÃO

A audição é um dos sentidos mais importantes para a vida humana, sendo uma chave para a linguagem oral e uma forma de sentir o mundo. Sem ela o indivíduo passa a ter problemas emocionais e sociais. Por isso a necessidade da prevenção da perda auditiva, como forma de proteger e impedir que o indivíduo sofra as consequências no seu desenvolvimento como um todo, proporcionando assim, uma melhor qualidade de vida. Portanto se faz necessário à compreensão sobre tal deficiência, para que cada pessoa receba tratamento de acordo com sua idade, pois são inúmeras as formas de identificação de deficiência auditiva. Deficiência essa que pode ser indicada como sendo a perda total da audição ou diminuição na capacidade de escutar os sons.
Nesse sentido o presente trabalho pode trazer significativas contribuições para a formação do profissional da Educação.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 Deficiência auditiva

A deficiência auditiva, também conhecida como hipoacúsia, está relacionada à perda total ou diminuição na capacidade de escutar os sons. Podendo ser de nascença ou causada por doenças. No passado acreditava-se que a surdez estava relacionada também a algum déficit de inteligência. No entanto, com a inclusão dos surdos nos processo educativo, entendeu-se que eles não tinham a possibilidade de desenvolver a inteligência devido aos poucos estímulos que recebiam por causa da dificuldade de comunicação entres os surdos e ouvintes. Contudo, com o desenvolvimento das diversas línguas de sinais e o trabalho de ensino das línguas orais, proporcionaram aos surdos o desenvolvimento da inteligência.
Os conceitos gerais sobre a surdes, bem como as classificações, técnicas e método de avaliação da perda auditiva, são fundamentais para que se possam compreender as implicações que levaram a tal deficiência.
Desta forma, o deficiente auditivo é considerado como sendo surdo quando sua audição não é funcional e considerado como hipoacústico quando sua audição, ainda que deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva.
É importante ressaltar também que a deficiência auditiva pode ser de origem congênita, ou seja, de nascença causada por alguma doença desenvolvida durante a gravidez, ou adquirida através da ingestão de remédio que possam lesar o nervo auditivo. A exposição a sons muito altos também leva a deficiência auditiva, pois o máximo que o ouvido humano suporta, sem o uso de protetores, é o som ambiente, ou seja, conversas, música, toque de telefone e ruído de pessoas trabalhando, o que corresponde a 60 decibéis. Acima disso o ouvido começa a sofrer perda progressiva da audição, pois os ruídos excessivos causam lesão nas células ciliadas do ouvido interno o que acaba indo para um quadro irreversível, porém este pode estacionar se a pessoa deixar o ambiente barulhento. As viroses, predisposição genética, meningite, sarampo, caxumba, rubéola, varíola, toxoplasmose e dentre outros, também são fatores que levam a deficiência auditiva. Bem como pode ter também como causa, o acúmulo de cera no canal auditivo externo, o que faz com que gere a perda da audição. As otites também são causas da perda da audição, pois quando uma pessoa tem uma infecção no ouvido médio, essa parte pode perder ou diminuir a capacidade de conduzir o som até o ouvido externo. A incompatibilidade de sangue entre a mãe e o bebê também pode fazer com que a criança nasça com problemas auditivos.
Contudo é imprescindível que a deficiência auditiva seja detectada o mais precocemente possível. Por isso da importância dos pais ficarem atentos as reações auditivas das crianças e caso haja suspeita de algo, encaminhá-la o mais rápido possível a um especialista para que seja realizada o tratamento quanto antes. Nos primeiros meses, os bebês reagem a sons como os de batidas de portas ou de vozes, piscando, assustando ou