Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Resenha do Filme Menina de Ouro

Trabalho por kelly cristina, estudante de Direito @ , Em 04/06/2009

5

Tamanho da fonte: a- A+

Resenha do Filme Menina de Ouro
UNIP
2007

 

 

O filme “Menina de Ouro” é uma obra que foge às convenções esperadas. Não aborda questões de caráter lógico, e sim o aspecto humano em toda a sua fragilidade.

Trata da fragilidade das questões humanas, éticas e familiares, ao nos mostrar até onde pode chegar o drama da existência. Nos aponta o papel dos traumas na vida de um ser humano, e nos apresenta uma idéia de familiaridade que se constitui fora dos laços de sangue que caracterizam tradicionalmente a família.

As tentativas de constituições familiares, tais como os outros temas refletidos no filme, nos sugere que o filme de Eastwood é um retrato multifacetado clássico e elegante da realidade.
  

A respeito das questões morais que marcam o filme, sob a ótica das tragédias familiares, “Menina de Ouro” questiona inteligentemente a questão da eutanásia (e põe à prova todas as variações de julgamentos ético-morais acerca deste problema).
 

Pois, Frankie em uma situação delicada (fator em comum com a realidade), deveria optar por abrir mão da vida de Maggie - que lhe forneceu tanto sentido para a sua vida, ou por deixá-la viver infeliz, contra a própria vontade da lutadora.
  

De um lado, há a escolha por preservar a vida de outrem – tão importante para quem o preserva – que não quer ser preservado. De outro lado, há a satisfação da vontade de outrem – tão importante para quem deseja o preservar – que resulta na separação final entre dois seres unidos pelo afeto.
  

Diante deste impasse tão delicado e contextualizado em um cenário tão complexo, quem poderia julgar a decisão de Frank, sendo ela contra ou a favor do direito à morte?
  

Ademais, o que é o cinema como ferramenta pedagógica, senão um cinema que instiga a reflexão acerca de temas sociais, éticos e humanos tão complexos e delicados?

 

 

Resenha do Filme Menina de Ouro
UNIP
2007

 

 

O filme “Menina de Ouro” é uma obra que foge às convenções esperadas. Não aborda questões de caráter lógico, e sim o aspecto humano em toda a sua fragilidade.

Trata da fragilidade das questões humanas, éticas e familiares, ao nos mostrar até onde pode chegar o drama da existência. Nos aponta o papel dos traumas na vida de um ser humano, e nos apresenta uma idéia de familiaridade que se constitui fora dos laços de sangue que caracterizam tradicionalmente a família.

As tentativas de constituições familiares, tais como os outros temas refletidos no filme, nos sugere que o filme de Eastwood é um retrato multifacetado clássico e elegante da realidade.
  

A respeito das questões morais que marcam o filme, sob a ótica das tragédias familiares, “Menina de Ouro” questiona inteligentemente a questão da eutanásia (e põe à prova todas as variações de julgamentos ético-morais acerca deste problema).
 

Pois, Frankie em uma situação delicada (fator em comum com a realidade), deveria optar por abrir mão da vida de Maggie - que lhe forneceu tanto sentido para a sua vida, ou por deixá-la viver infeliz, contra a própria vontade da lutadora.
  

De um lado, há a escolha por preservar a vida de outrem – tão importante para quem o preserva – que não quer ser preservado. De outro lado, há a satisfação da vontade de outrem – tão importante para quem deseja o preservar – que resulta na separação final entre dois seres unidos pelo afeto.
  

Diante deste impasse tão delicado e contextualizado em um cenário tão complexo, quem poderia julgar a decisão de Frank, sendo ela contra ou a favor do direito à morte?
  

Ademais,