Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

O Material Genético no DNA: O Experimento de Hershey e Chase

Trabalho por Kahrim Stacy Vasconcellos Gerlach, estudante de Diversos @ , Em 02/04/2008

5

Tamanho da fonte: a- A+

O Material Genético no DNA: O Experimento de Hershey e Chase

UF
2008

 

 

 

Sumário

1. Introdução
2. O experimento do liquidificador
3. Conclusão
4. Anexos
5. Bibliografia

 

1. Introdução

Este trabalho, realizado no âmbito da disciplina de Genética, tem por objetivo fazer com que os alunos pesquisem, reflitam, debatam e entendam parte da história da descoberta do DNA como lócus da informação genética, contribuindo assim, de forma interativa, para o andar da disciplina.

O século XX foi marcado por numerosas e revolucionárias descobertas científicas no estudo da Genética. Nesta área de estudo do DNA, os primeiros fatos importantes remontam a 1928, quando Frederick Griffith realizou vários experimentos que forneceram evidências de que a informação genética estava contida em uma molécula específica. Assim, nos anos 1940, os cientistas já haviam constatado que os cromossomos continham o material genético, e que estes corpúsculos eram formados por DNA e por proteínas.

Mas até 1952, parte da comunidade científica relutava em aceitar o DNA, e não as proteínas, como material genético. Seus argumentos baseavam-se, fundamentalmente, no fato de as proteínas serem macromoléculas com grande heterogeneidade e especificidade funcional e na dificuldade em compreender ou aceitar que uma molécula tão simples como o DNA poderia dar conta de tão importante função.

A breve pesquisa aqui apresentada refere-se ao experimento de Alfred Hershey e Martha Chase com fagos bacteriófagos e bactérias, no qual demonstraram cientificamente que a herança genética é transmitida pelo DNA e não por proteínas. Historicamente, esses resultados possibilitaram estabelecer a capacidade do DNA de codificação e duplicação precisa do material genético, o que, posteriormente, trouxe importantes avanços na área de manipulação desse material e desses processos, para fins diagnósticos e terapêuticos os mais ambiciosos, tais como a identificação fetal de predisposições genéticas e a clonagem de mamíferos e de células humanas.

 

2. O Experimento do liquidificador

 

2.1 Marerial utilizado

- fagos bacteriófagos T2
- bactérias E. Coil
- material radioativo: 35S e 32P
- liquidificador
- centrífuga

 

2.2 Objetivo

Descobrir e demonstrar se o material genético encontrava-se no DNA viral ou na sua cápsula protéica.

 

2.3 Metodologia

Vírus e Bactéria

Os vírus bacteriófagos constituem-se de uma estrutura simples, formada por uma cápsula protéica, dentro da qual se localiza o material genético, que pode ser DNA ou RNA. A escolha do fago T2 justificou-se por terem seu ciclo vital já bastante conhecido na época. Morfologicamente estes vírus possuem uma cauda em forma de cilindro oco, em cuja parte distal existe uma placa hexagonal de onde brotam seis fibras caudais (Anexo1 – Fig 1).

O T2 pode rapidamente reprogramar células de E. coli de forma a fazer com que ela produza mais fagos T2 e os libere ao sofrer lise celular. Para visualizar qual componente viral faz a reprogramação das bactérias, os pesquisadores basearam-se nas seguintes propriedades químicas:

O DNA tem fósforo em sua composição, a proteína não, então:

1. A bactéria é cultivada num meio com ³²P - fósforo isótopo (radioativo) e em poucas horas o seu DNA estará radioativo.
2. O vírus bacteriófago é colocado para infectar a bactéria e, como se utiliza dela para reproduzir-se, sua nova geração terá material radioativo.
3. Isso quer dizer que o DNA do novo vírus estará radioativo, enquanto sua cápsula protéica não.

A proteína tem enxofre em sua composição, o DNA não tem, então:

1. Uma nova amostra de bactérias é cultivada num meio com 35S – enxofre isótopo (radioativo) e em poucas horas sua composição estará radioativa.
2. O vírus bacteriófago é colocado para infectar a bactéria e se utiliza dela para produzir suas proteínas.