Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A INCLUSÃO DIGITAL DA TERCEIRA IDADE

Trabalho por Zozel do Nascimento, estudante de Diversos @ , Em 22/03/2007

5

Tamanho da fonte: a- A+


A INCLUSÃO DIGITAL DA TERCEIRA IDADE

UNIPAM - Centro Universitário de Patos de Minas
2007

Capítulo 1 – INTRODUÇÃO

Esta pesquisa vem do pressuposto de que, educar na terceira idade, significa participar da construção de um novo ator social. Considera-se fundamental pensar no idoso como uma pessoa apta, a se desenvolver e contribuir, como cidadão no mundo em que vive, sendo assim capaz de envelhecer, saudável e feliz. Por isso, a Informática na Terceira Idade pode ser um fator fundamental para um envelhecimento saudável e feliz.

A inclusão digital pode ser vista como um caminho de grande relevância para a inclusão social. Uma pessoa integrada com o universo digital terá condições de adquirir novas práticas associadas à busca e a construção do conhecimento, ampliando as possibilidades de sua integração social e acesso a canais de comunicação que poderão proporcionar uma ampla relação pessoal com pessoas de qualquer parte do mundo, amenizando o estado depressivo que na velhice vem junto com a solidão.

Contrapondo-se ao mito, de que a informática é uma atividade reservada somente aos jovens, relegando os considerados “velhos” a margem do uso do computador, o projeto em uma visão holística, entende que uma sociedade sustentável não pode deixar de lado nenhum grupo social e que o conhecimento e a comunicação é um direito de todos para o exercício pleno da cidadania, garantindo o crescimento profissional e pessoal.

Por isso, faz-se necessário priorizar o desenvolvimento de modelos de capacitação em tecnologia digital para pessoas idosas, a fim de expandir o acesso deste grupo a esses recursos e promover a sua inclusão digital, proporcionando novas possibilidades que ampliem a relação e comunicação do idoso com as novas tecnologias, através de um modelo que venha respeita as limitações desta idade.

O projeto de inclusão digital para 3ª idade, se propõe à atender o maior número de usuários, inserindo-os na atual sociedade informatizada através de cursos básicos de informática e acesso à sala de internet, visando a capacitação ou reintegração de idosos no mercado de trabalho ou simplesmente proporcionar cultura e entretenimento.

Este TCC tem por objetivo pesquisar os benefícios e apontar soluções para ajudar a melhorar a inclusão digital do idoso num processo crônico-degenerativo, bem como sua inclusão social na sociedade informatizada.

1.1 – O CONTEXTO DO IDOSO NO MUNDO DIGITAL

A tecnologia invadiu as casas, empresas, instituições de todos os tipos. A sociedade como um todo está se tornando informatizada. Os recursos da imprensa, rádio, TV, telefone, fax, vídeo, computador e Internet são disseminadores de culturas, valores e padrões sociais de comportamento. Todos esses artefatos fazem com que a comunicação seja intermediada pela máquina e não pela voz humana.

As mudanças transparecem nas diversas dimensões de viver na sociedade tecnologizada. Com a sofisticação dos recursos da tecnologia, torna-se maior a amplitude de acesso à informação, assim como a qualidade de veiculação e recepção se mostra em diferentes níveis de mídia. O acesso fácil e rápido, quase que instantâneo, à informação relativiza a questão do tempo e do espaço. As informações infiltram-se por todos os lados, quase que não precisamos ir atrás delas, pois elas passam a se apresentar a nós exaustivamente, intervindo nas nossas relações e comportamentos. O ambiente familiar, antes convergente e constituído em volta das figuras da mãe e do pai, fica diluído entre os mitos eletrônicos, que são endeusados e assumem a tutoria da infância.

Nossas concepções de mundo estão sendo delineadas pelas informações que recebemos por meio das mídias eletrônicas. A TV, além de informar, seleciona, exibe e interpreta o que acontece (Lomas, 2001: 147).

Uma fábrica de sonhos e emoções que invade a vida dos indivíduos, conformando subjetividades, interiorizando comportamentos-modelo da sociedade, atuando no inconsciente do sujeito espectador que capta as mensagens dentro dessa visão, que é uma versão do mundo