Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Contabilidade no Terceiro Setor

Trabalho por João Francisco Miranda, estudante de Contabilidade @ , Em 01/12/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

TERCEIRO IDADE


RESUMO

O primeiro setor é o governo, que é responsável pelas questões sociais. O segundo setor é o privado, responsável pelas questões individuais. Com a falência do Estado, o setor privado começou a ajudar nas questões sociais, através das inúmeras instituições que compõem o chamado terceiro setor. Que é constituído por organizações sem fins lucrativos e não governamentais que têm como objetivo gerar serviços de caráter público, todas elas têm como objetivo o desenvolvimento político, econômico, social e cultural no meio em que atuam.  


1 INTRODUÇÃO

As organizações do terceiro setor há muito vêm buscando um novo formato de gestão que lhes permita um modelo próximo ao que é colocado para as empresas que comercializam produtos e serviços.

O terceiro setor é um conceito que vem sendo utilizado no Brasil e em outros países, principalmente nos Estados unidos da América, para designar o conjunto composto de organizações sem fins lucrativos, cujo papel principal é a participação voluntária, fora do âmbito governamental, que dão suporte às práticas da caridade, da filantropia e do mecenato, voltadas para a garantia do direito de cidadania da sociedade.

Nos países desenvolvidos e agora também no Brasil, cada vez mais ganha vigor e atualidade a discussão sobre o papel das empresas como agentes sociais no processo de desenvolvimento. Torna-se fundamental que as empresas assumam não só o papel de produtoras de bens e serviços mas também o de responsável pelo bem-estar de seus colaboradores. Afora as dificuldades governamentais decorrentes da crise do welfare state, as empresas já perceberam que o respeito ao meio ambiente, a preocupação com a valorização do homem, com a cultura estão entre os principais fatores determinantes do sucesso mercadológico.

Observa-se uma preocupação crescente das empresas em vincular sua imagem à noção de responsabilidade social. A nova postura da empresa cidadã baseada no resgate de princípios éticos e morais passou a ter natureza estratégica.

As demandas das organizações sindicais, dos movimentos ecológico, feminista e negro, das associações de consumidores e dos usuários de serviços, são exemplos de como os diversos segmentos da sociedade sabem se mobilizar para reivindicar novos critérios de convivência, que muitas vezes afetam diretamente as formas de rentabilidade econômica.

A pressão que os diversos setores sociais fazem a favor de regras de "boa conduta" já tem inspirado o estabelecimento de acordos internacionais de cooperação e linhas de crédito e financiamentos focalizados.

Buscamos, portanto, no presente trabalho, estudar o processo de "amadurecimento empresarial", onde a empresa socialmente responsável, no exercício de seu papel de empresa-cidadã, fomenta e instrumentaliza a instalação e a ampliação do denominado "Terceiro Setor", conjunto de entidades criadas pela iniciativa privada para suprir eventuais deficiências de atendimento em áreas que originalmente caberiam ao poder público e fazer uma análise do tratamento tributário imposto para essas entidades, bem como a influência da religião para a sua formação.  


2 TERCEIRO SETOR

O que é o Terceiro Setor?

O primeiro setor é o governo, que é responsável pelas questões sociais. O segundo setor é o privado, responsável pelas questões individuais. Com a falência do Estado, o setor privado começou a ajudar nas questões sociais, através das inúmeras instituições que compõem o chamado terceiro setor. Ou seja, o terceiro setor é constituído por organizações sem fins lucrativos e não governamentais, que tem como objetivo gerar serviços de caráter público.

As organizações participantes do terceiro setor possuem duas características principais que as diferem das demais: não distribuem lucro, como fazem as organizações pertencentes ao setor privado, nem estão sujeitas ao controle estatal, como as organizações do setor público.

Não ter fins lucrativos não significa, de modo

 

2.1 Os principais personagens do terceiro setor são:

Fundações

Fundações são pessoas jurídicas de direito privado, mas não são sociedades. Sociedades nascem da vontade das pessoas em se associar, também conhecida como Affectio Societatis em direito clássico. Ninguém se associa para fazer uma fundação. Fundações nascem de uma doação, de um ato de doação de um instituidor