Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

A Literatura e os Estágios Psicológicos da Criança

Trabalho por Juliana, estudante de Pedagogia @ , Em 10/11/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

A Literatura e os Estágios Psicológicos da Criança


Para que o convívio do leitor com a literatura resulte efetivo, nessa aventura espiritual, que é a leitura, muitos são os fatores em jogo. Entre os mais importantes, está a necessária adequação dos textos á diversas etapas do desenvolvimento infantil/juvenil etapas do desenvolvimento infantil/juvenil.

Embora a evolução biopísiquica das crianças, pré-adolescentes e adolescentes divirja-se dee uns para outros (dependendo dos muitos fatores que se conjugam no processo de desenvolvimento individual) a natureza e a sequencia de cada estágio são iguais para todos, conforme o prova a Psicologia Experimental. Assim, a inclusão do leitor em determinada "caregoria" depende não apenas de sua faixa etária, mas principalmente da inter-relação existente a sua idade cronológica, nível de amadurecimento biopsiquico-afetivo-intelectual e grau ou nível de conhecimento/domínio do mecanismo da leitura. Daí que as indicações de livros para determinadas "faixas etárias" sejam sempre aproximativas.

Sugerimos abaixo alguns princípios orientadores que podem ser úteis para a escolha de livros adequados a cada categoria de leitor. Ao estabelecê-lo, levamos em consideração as inter-relações acima mencionadas, dentro de uma evolução considerada normal.


O Pré-leitor

Categoria inicial que abrange duas fases:

Primeira infância (dos 15/17 meses a 3 anos)

A criança inicia o reconhecimento da realidade que a rodeia principalmente pelos contactos afetivos e pelo tato. È chamada fase da "invenção da mão", pois seu impulso básico é pegar em tudo que se acha ao seu alcance. È também o momento em que a criança começa a conquistar da própria linguagem e passa a nomear a realidades á sua volta.

Para estimular tal impulso natural, gravuras de animais, ou objetos familiares a criança, devem ser incluídos entre os seus brinquedos (bichos de pelúcia ou qualquer material macio, fofo; chocalhos musicais, etc.). Tais gravuras, desenhos ou ilustrações pode ser em folhas soltas ou em álbuns, feitos de material de resistente e agradável ao tato (pano, plástico, papel grosso...). O importante, nesta fase, é essencialmente a atuação do adulto, manipulando e nomeando os brinquedos ou desenhos; inventando situações bem simples que os relacionem relativamente com a criança, etc. è nesta fase que o mundo natural e o mundo cultural ( o da linguagem nomeadora ) começam a se relacionar na percepção que a criança começa a ter do espaço global em que vive.


Segunda infância ( a partir dos 2/3 anos)

Fase em que começam a predominar os valores vitais ( saúde) e sensoriais (prazer ou carências físicas e afetivas); e quando se dá a passagem da indiferenciação psiquica para a percepção do próprio ser. Inicio da fase egocêntrica e dos interesses ludo-práticos.

Impulso crescente de adaptação ao meio físico e crescente interesse pela comunicação verbal.

Em casa ou no "jardim" (ou "prézinho") a presença do adulto é fundamental, quanto a sua orientação para a brincadeira com o LIVRO. Aprofunda-se a descoberta do mundo concreto e acontece ao redor da criança é, pra a ela, muito importante e siginificativo. Os livros adequados a essa fase devem propor vivência radicada no cotidiando familiar a criança apresentar determinadas características, estilísticas:

  • Predomínio absoluto da imagem (gravuras, ilustrações, desenhos, etc.), sem texto escrito ou com textos brevíssimos, que podem ser lidos ou dramatizados pelo adulto, a fim de que a criança comece a perceber a inter-relação existente entre o mundo real que a cerca e o mundo da palavra que nomeia esse real. È a nomeação das coisas que leva a criança a um convívio inteligente, afetivo e profundo coma realidade circundante.
  • As imagens devem surgir uma situação ( um acontecimento, um fato, etc.) que seja significativa para a criança ou que lhe seja de forma atraente.
  • Desenhos ou pinturas coloridas ou em preto-e-branco, em traços ou linhas nítidas, ou em massas de cor que sejam simples e de