Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Novas Contribuições para o Debate Relacionado a Aprendizagem

Trabalho por Carla Fabiana, estudante de Pedagogia @ , Em 26/06/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

NOVAS CONTRIBUIÇÕES PARA O DEBATE RELACIONADO A APREDIZAGEM


Quando estudamos a relação entre aprendizagem e desenvolvimento, dois autores se apresentam como muito importante para fundamentar nossa reflexão. As teorias deles têm pontos em comum, mas e importante destacar os aspectos em que diferenciam, oferecendo contribuições diversas para essa reflexão.

O suíço Jean Piaget (1896-1980) buscou compreender como o conhecimento humano se constrói ao longo da vida. Destacou a importância da atividade do sujeito no meio em que vive considerando a interação entre indivíduos e ambiente como essencial na construção do psiquismo.

Lev Vygotsky (1896-1934) nasceu na Bielo-Rússia. Seu principal interesse era o de compreender como funcionamento psicológico do ser humano é fundamentado nas relações sociais. Destacou a importância dos sistemas de representação simbólica, especialmente a língua, para a psicologia humana.

As perspectivas construtiva de Piaget colocam crianças (e não o professor) como centro dos processos de aprendizagem. Atribui a ela um papel ativo, como a responsável por seu próprio processo de aquisição de conhecimentos. Com isso, as atividades espontâneas da criança, a criatividade, a autonomia na resolução de situações-problema e os erros infantis ganham relevo dentro dos processos educativo.

Se a criança é o agente de seu desenvolvimento, cabe ao professor o papel de desafiador, provocando desequilíbrios, conflitos para que a criança seja estimulada a descoberta e, portanto, á construção do conhecimento. A fonte do conhecimento da criança está na variedade de situações concretas que ela tem oportunidade de vivenciar e também na organização lógica que sua interação com o ambiente vão assumindo em seu pensamento.

Para Piaget, uma criança só pode se apropriar de um conhecimento se compreender seu modo de construção, isto é, se puder reconstruí-lo. Portanto. Agindo no mundo, as crianças experimentam situações que desafiam seu raciocínio, e é a partir desse desequilíbrio cognitivo que ocorre a verdadeira apredizagem.

Vygostky chama atenção para a rapidez do processo histórico, que exige constante adaptação e renovação das ações humanas para acompanhar as condições da vida social. Em constate, as fixações biológicas da experiência seguem um ritmo muito mais lento. Essa questão remete á discussão do papel da apredizagem no desenvolvimento mental da criança.

Para Piaget, a aquisição do conhecimento deve ser compreendida como um processo de autoconstrução contínua; a gênese do conhecimento é explicada através da função adaptativa dos sujeitos em sua interação com o meio. Esse processo ocorre por meio dos esquemas: são assimilados novos aspectos da realidade e, em caso de dificuldade de ajuste, ocorre o desequilíbrio necessário que suscita a modificação de esquemas, até que se chegue à sua acomodação A assimilação e as acomodações constituem dois pólos de equilibrarão do pensamento da criança. A representação (imitação, jogos, desenhos), por exemplo, é um jogo de assimilações e acomodações que ocupa toda a primeira infância, principalmente no momento em que o aluno está estabelecendo comparações entre o imaginário e o real, e aparece de maneira mais significativa na linguagem verbal e nos desenhos. Nestes últimos, o que o aluno desenha é o significante; o significado é o que ele pensa. Essa relação entre significante e significado é importante para a geografia uma vez que auxilia no entendimento da legenda, quando o aluno deve decodificar os signos utilizados em um mapa cognitivo. O construtivismo epistemológico preocupa-se com o que conhecemos e como alcançamos esses conhecimentos.

Outra contribuição importante, embora ainda pouco aproveitada no contexto escolar, refere-se ao desenvolvimento do julgamento moral. Piaget defendeu, por exemplo, que a compreensão das regras e de outros conceitos morais (como fraude, mentira, justiça) caminha junto com o desenvolvimento intelectual, está relacionada a este, e possui características específicas; portanto, tais regras devem ser construídas e não impostas. É possível verificar que esta construção, que