Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Daens - Um Grito de Justiça

Trabalho por Raquel Di Guimarães Camargo, estudante de Direito @ , Em 17/06/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+


Daens, Um Grito de Justiça, uma produção franco-belgo-holandesa de 1992, conta a história verídica de um padre que se engaja nas lutas operárias do final do século passado, entrando em conflito com o governo e com a Santa Madre. Ressalta a Revolução Industrial, incluindo a situação das mulheres e das crianças.

O filme é passado na virada do século, no norte da Bélgica, em plena Revolução Industrial. A história é desenvolvida em torno da vida dos trabalhadores de uma fábrica de tecidos, na cidade de Aalst. Naquele momento as pessoas estavam condenadas a um estado de miséria absoluta. A imagem da exploração de crianças e mulheres nas fábricas é o ponto alto da trama. A vida da sociedade local passa a ter uma nova direção com a chegada de Daens, um padre revolucionário que se muda para a cidade que se muda para a cidade e vai morar na casa de seu irmão jornalista.

A historia do filme se passa na pequena cidade de Aalst, na Bélgica, onde se iniciam as primeiras reivindicações por trabalhadores da indústria, de melhores condições de trabalho. A situação se agrava com a recessão, o que só faz aumentar o numero de trabalhadores desempregados. Porém a historia começar a mudar quando o Padre Daens assume a igreja na cidade de Aalst, onde os trabalhadores de uma indústria têxtil vivem em estado de miséria absoluta. Seu coração balança perigosamente entre o oficio da fé e a conscientização política dos oprimidos, num ambiente típico do final do século XIX, quando ainda não havia leis/garantias – mesmo porque não havia verdadeiros representantes do povo no parlamento, que garantissem direitos dos trabalhadores, visto que a situação de julgo e exploração imposta pela classe dominante, não deixa a salvo nem mesmo as crianças: o filme relata uma criança adolescente que não tinha com sobreviver e usou o seu próprio corpo para ganhar o pão de cada dia. Mas não teve sorte e morreu desprezada por todos.

Assim era a vida de toda a população miserável, explorados pelos donos das fábricas. No período industrial, a criança não tinha direito a sonhar, somente se matar de trabalhar. A mudança ocorreu quando o Padre Daens, passou a fazer frente aos representantes da cidade no parlamento, mas estes não eram os interesses do povo, por isso se candidatou pelo partido Social Cristão, e instruiu o povo da cidade a usar o poder social do voto que cada um possuia.

Na cidade de Aalst existia um jornal que tentava fazer pressão contra os capitalistas. Existiam diversoss grupos como: Liberais, Socialistas, como Comunistas e Radicais. Daens "pregava" que a Burguesia Belga deveria repartir o pão com os miseráveis, mas claro que não aconteceu , eles não repartiram nada com ninguém somente com sua própria classe social.

Padre Daens foi eleito, e iniciou sua luta no parlamento para desmascarar seus opositores e mostrar a atual situação de miséria, fome e escravidão social do povo, bem como instituir a necessidade de reformas que transformem os cidadão de Aalst, pessoa dignas e respeitadas. Na época de Daens aconteceu o sufrágio universal, onde as pessoas maiores de 23 anos poderiam depositar seus votos dentro da urna.

A grande questão sociológica e jurídica do filme passa pela discussão da ampliação do sufrágio que ao ser adotado com universidade, permite que a classe trabalhadora até então não representada preencha cadeiras no parlamento, a partir do que se começa a verificar a passagem do Estado Liberal para o estado social garantidor de direito. Perseguido e odiado pelos grandes senhores liberais sem pleno apoio da igreja, Daens demonstrou em sua luta de ser um tênue fio de justiça e esperança de dias melhores para os de sua época