Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Ludoterapia: A Dinâmica Interior da Criança

Trabalho por Vanessa Regina da Silva, estudante de Psicologia @ , Em 01/06/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

Ludoterapia: A Dinâmica Interior da Criança


CREDENCIAIS DA AUTORA

FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA:

Universidade Estadual de Ohio / Columbia University


CARGOS EXERCIDOS:

  • Ensinou durante seis anos na Faculdade de educação e Medicina na Universidade de Nova York;
  • Autoridade em técnica de ludoterapia e tratamento de crianças com distúrbios emocionais;
  • Trabalhou em pesquisas no departamento de Psicologia na Universidade de Chicago;
  • Ensinou na Universidade Estadual de Ohio;
  • Atuou numa clínica particular em Ohio, ministrava palestras e conferências


OUTRAS OBRAS:

Ludoterapia: A dinâmica interior da criança.


CONCLUSÃO DA AUTORA

A autora conclui que, primeiramente, uma criança pode se comunicar e se expressar se for respeitada sem críticas e aceita no meio em que vive.

Ela utiliza a ludoterapia como técnica , através dos jogos Dibs ( a criança) expressa seus sentimentos, frustrações, prazeres e decepções e encontra o caminho para a comunicação com o mundo que o cerca no seu próprio interior.


DIGESTO

O livro narra a história de um garoto que é chamado de Dibs.Ele estudava em uma boa escola, e era de uma família bem sucedia ( seu pai era um cientista renomado e sua mãe uma profissional bem conceituada). , mas isso não era o suficiente para ter um bom relacionamento com seus colegas de escola e sua família.

Enquanto os colegas de classe brincavam e faziam atividades em grupo ou trabalhos individuais, Dibs passava o tempo escondendo-se atrás das mesas ou olhando os livros.

Os professores tentavam aproximações, mas eram inúteis essas tentativas. As atitudes do garoto, para eles, ora davam indícios de retardo mental, ora evidenciavam que possuía uma inteligência superior.

Se obrigado a fazer algo que não queria era acometido por acessos de raiva. Os professore se pais se sentiam completamente frustrados , chegou até a ser encaminhado ao pediatra e observado pelo psicólogo da escola, mas ambos também não conseguiram ajuda-lo.

Os administradores da escola, professores e profissionais da escola sugeriram aos pais de Dibs que procurassem uma ajuda profissional, mas eles se recusaram , a princípio. Após dois anos houve uma melhora, mas ainda não suficientes para o considerarem uma criança normal, e devido a isto a equipe de professores resolveu apresentar uma conferência que foi dedicada exclusivamente aos problemas que ocorriam com Dibs.

Para esta conferência foi convidada uma psicóloga clínica chamada Virginia M. Axline, especializada no trabalho com crianças e pais. Neste encontro a equipe docente e administrativa relatou todas as atitudes de Dibs em situações diversas e solicitou a Dra. Axline que observasse Dibs e sua mãe e desse uma devolutiva do caso. Era a última tentativa da instituição para mantê-lo matriculado.

Era visível a compaixão da equipe que trabalhava pelo menino e a psicóloga convidada abraçou a causa e decidiu leva-lo às sessões de Ludoterapia ( Psicoterapia que faz uso lúdico como brincadeira e jogos).

A Dra. Axline observou-o durante alguns dias na escola : suas atitudes, brincadeiras, tratamento com outros colegas, tudo ficou atento aos olhos dela. Dibs foi levado um dia na sala de ludoterapia para conhecer e após esse episódio a psicóloga visitou seus pais para que iniciassem um acompanhamento no Centro de Orientação Infantil.

A sessão com Dibs ocorria sempre às quintas-feiras e em cada uma delas a doutora observava Dibs, tentando sempre aproximação , conquistar sua confiança. Aos poucos Dibs ia sentindo liberdade, demonstrava seus medos e sentimentos através da forma que utilizava os brinquedos. Cada brinquedo e cada jogo se tornava uma representação do que ele tinha