Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

Paletizaçao

Trabalho por Emily, estudante de Administração @ , Em 29/03/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

Administração de Suprimentos e Logística

São Paulo, 2006


Reportagem Escolhida

Embalagens respondem por 31% do faturamento da indústria do vidro

24.02.2006 - REVISTA EXAME

Produção de vidros gerou uma receita de 3,75 bilhões de reais em 2005. Neste ano, Copa do Mundo promete alavancar ainda mais as encomendas, principalmente de bebidas e televisores.

Apesar da disputa com matérias-primas como alumínio e papel, as embalagens de vidro foram as que mais contribuíram para o desempenho da indústria em 2005. No ano passado, o setor faturou 3,75 bilhões de reais, sendo 31,1% referente à produção de embalagens de vidro. Em 2004, essa participação era de 26,9%.

Uma das marcas que passou a usar  vidro em suas embalagens foi a Olé, do setor alimentício, que lançou milho e ervilha em conserva. Outra marca que migrou para as embalagens de vidro foi a Nutella, com o  creme de avelã e cacau. O faturamento, considerando apenas este segmento, foi de 1,16 bilhão de reais.

No ano passado, as empresas do setor investiram 137 milhões de reais. Cerca de 12.200 pessoas trabalham na indústria vidreira.

A previsão da Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas do Vidro (Abividro) é que a demanda por vidros em geral cresça de 3% a 4% este ano. Segundo a entidade, a Copa do Mundo deve ajudar: o evento aumenta não apenas a procura por bebidas, como também por televisores – e em ambos os produtos, o vidro tem papel importante.


1 -Resumo

Se pararmos para pensar no papel do vidro na nossa vida, com certeza iremos nos lembrar de muitas coisas onde esse material esta presente. Seja nas embalagens de geléias, maioneses, temperos de comida... Ou ainda em quase tudo o que a gente usa, como computadores, televisores, celulares, copos e pratos.

È claro que existem muitas outras coisas onde as embalagens de vidro foram substituídas pelo quase indestrutível plástico, como as embalagens de refrigerante, que hoje quase 100% são feitas de plástico, e não mais de vidro como antigamente.

O texto que escolhemos para basear nosso trabalho, mostra que ainda assim, depois de muitas substituições, o vidro ainda tem uma parcela muito importante na economia do nosso país.

Em uma nação onde a "cervejinha" e o futebol esta presente quase todos os dias, as embalagens e a utilização do vidro ficam bem evidentes. Hoje as garrafas de cerveja são todas feitas de vidro, papel que o plástico ainda não pode exercer, porque isso alteraria o sabor da mesma. Já no caso do futebol, só existem duas maneiras de acompanhar os disputadíssimos jogos: indo aos estádios, ou tendo uma televisão. Nesse segundo caso, o uso do vidro é parcela muito importante. Afinal, do que seriam feitas as telas de televisão e até mesmo dos computadores se não fosse o vidro?

Por ser um material que suporta altos ou baixos níveis de temperatura, o vidro torna-se insubstituível nesses dois casos.

Vejamos então: em um Brasil comandado pelo futebol, o qual me arrisco a dizer que é o único prazer dos brasileiros atualmente, quando o vidro dos televisores e cervejas seria mais utilizado? Obviamente, em ano de Copa do Mundo.

E aqui nos encontramos, 2006. O ano do hexacampeonato. O Brasil literalmente para a qualquer hora do dia ou da noite para assistir sua seleção dar olés e fazer lindos gols. Claro que a cerveja não vai poder faltar.

A industria do vidro deve crescer de 3 a 4 % esse ano, por conta da Copa do mundo, para quem