Fazer pesquisa em uma ou mais carreiras específicas:

Administração Agronomia Arquitetura Arquivologia Arte Astronomia Biblioteconomia Biologia
Bioquímica Cinema Ciências Sociais Colegial Comunicação Contabilidade Desenho Industrial Direito
Diversos Economia Educação Física Enfermagem Engenharia Estatística Farmácia Filosofia
Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Hotelaria Informática Letras Marketing
Medicina Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Cultural Psicologia Química Rel. Internacionais
Secretariado Executivo Serviço Social Terapia Ocupacional Turismo Veterinária Zootecnia


Compartilhe

Tag Cloud

As Dificuldades da inguagem Escrita na Educação Infantil

Trabalho por Marlene Aparecida Viana Abreu, estudante de Pedagogia @ , Em 04/03/2006

5

Tamanho da fonte: a- A+

AS DIFICULDADES DA LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

RIO DE JANEIRO

2006


RESUMO

A presente monografia tem como objetivo expor as dificuldades das crianças nas séries iniciais, com o processo de aquisição da linguagem escrita. O trabalho de pesquisa foi realizado através de observação para análise de atividades feitas em sala de aula por alguns alunos e do trabalho de uma pedagoga. Sabemos que é um grande desafio fazer com que o aluno passe espontaneamente para a linguagem escrita o que se ouve e o que se fala. A compreensão e valorização das funções sociais da escrita é uma aprendizagem ligada aos planos conceitual, procedimental e atitudinal, que pode ter início desde os primeiros momentos da chegada da criança à escola e deve continuar até o final de sua formação estudantil. Uma conclusão a que considero relevante, é de que a escola necessita criar ambientes alfabetizadores, para que com a visualização e familiarização da linguagem escrita desenvolva na criança uma habilidade autônoma. A psicopedagogia é um campo que detecta as dificuldades encontradas pelos alunos no ensino-aprendizagem e procura colaborar com a instituição no sentido de reforçar e auxiliar a equipe docente para sanar essas dificuldades. A escola ideal é aquela que visa o bem-estar do aluno, compreendendo suas necessidades e respeitando suas diversidades individuais no sentido de alcançar os ideais almejados como uma educação de qualidade para todos.

Palavras-chave: Linguagem escrita - ensino - dificuldades - educação


1. INTRODUÇÃO

As observações feitas durante minha prática pedagógica, me fazem questionar onde estão as dificuldades dos alunos na aquisição da linguagem escrita.

Com preliminares permeadas pelo exercício de minha prática docente e as leituras que estou fazendo no curso de pós-graduação, me despertou o interesse em pesquisar como a criança constrói seu conhecimento sobre a escrita e quais são as dificuldades encontradas neste processo.

Pesquisar este tema foi uma necessidade que surgiu da prática pedagógica, já que venho observando, ao longo de meu trabalho enquanto professora da educação infantil de 3 a 6 anos, a dificuldade que alguns alunos sentem em relação à aquisição da escrita.

Sabemos do direito dessa criança à uma educação de qualidade que deve, entre outras garantias, possibilitar a todas, o acesso ao conhecimento, sem perder de vista as especificidades desta faixa etária.

A linguagem escrita parte de algumas premissas básicas como uma perspectiva de aprendizagem/desenvolvimento fundamentada na idéia de que o conhecimento encontra-se no mundo social e de que, nas relações que estabelecem com outros sujeitos, o indivíduo se apropria, transforma e cria saberes.

Na prática de professora de educação infantil, deparamos cada vez mais com crianças que enfrentam grandes dificuldades na aprendizagem da escrita observando que a maioria ainda necessita de brincar, o que é uma forma privilegiada de a criança ser e estar no mundo.

Tais observações me levaram a refletir sobre o desempenho insatisfatório de alguns alunos que não conseguem acompanhar sua turma de origem, causando uma baixa auto-estima e um desgaste na relação professor-aluno.

Temos que pensar numa concepção de aquisição da linguagem escrita como parte do processo de letramento, isto é, de um aprendizado que se dá nas práticas sociais reais da escrita, vivenciadas pelas crianças e que, portanto, não se restringe ao domínio do código.

MINAS GERAIS (2004),

A compreensão e valorização das funções sociais da escrita é uma aprendizagem ligada aos planos conceitual, procedimental e atitudinal, que pode ter início desde os primeiros momentos da criança à escola e deve continuar até o final de sua formação estudantil (p.50).

Diante desta concepção podemos perceber